Image hosted by Photobucket.com
31.1.08
 

aaj.jpg picture by eduardochagas

ALL ABOUT JAZZ - NEW YORK
Fevereiro de 2008, # 70

On the Cover: JIMMY SCOTT
Interview: BARRY ALTSCHUL
Artist Feature: STEFANO BOLLANI
Label Spotlight: JAZZHEADS
Club Profile: UNIVERSITY OF THE STREETS
Encore: MARION BROWN
Lest We Forget: BOBBY JASPAR
Megaphone: DAVID PLEASANT
CD Reviews


 
 

RED Trio
Rodrigo Pinheiro_piano
Hernâni Faustino_contrabaixo
Gabriel Ferrandini_bateria

ZDB - Lx - 02FEV08 - 23h00

 
 

A remoçada página da UbuWeb é um perigo. Apadrinhada pela respeitável fronha de Samuel Beckett, nesta imensa galeria corre-se o risco de entrar e de não mais querer sair, tanto é o que se tem para ler, ver e ouvir, recordar e conhecer, de um século de criação artística, poesia, música, literatura. Fundada em 1996 em regime de voluntariado por um bando de carolas espalhados por diversas cidades americanas, a UbuWeb fundamenta-se no saudável princípio de que tudo é livre, nada está à venda, e nesse espírito tem vindo a aumentar o acervo que hoje, doze anos depois da arrancada, atinge proporções muito consideráveis. Numa base de independência, sem filiação a empresas de edição e/ou distribuição, sem transigir com a intermediação parasitária entre o artista e o consumidor do produto artístico final. Direitos autorais ou conexos? Se o material está esgotado, paciência, razia nos direitos. Quem quer frutos que cuide do pomar. Se está o artigo está em curso, e os preços são astronómicos ou a coisa é de tal maneira tramada de encontrar, arrisca-se e que se danem os direitos. No fundo, a UbuWeb pratica o mesmo ideário seguido aqui em casa, numa visão justa e equilibrada sobre a percepção de proventos relacionados com a autoria das obras. Por isso, é certo que maioria do que se pode colher na UbuWeb chega ao nosso computador sem permissão legal, como ripps de LP e VHS, scans de livros, brochuras e panfletos.
Cum raio, mas isso é ilegal, rapazes, se a ASAE vos apanha com a mão na massa, ou fumais em casinos ou estais, por assim dizer, irremediavelmente fodidos. “Sounds like a marginal situation? Hardly. We've won many prestigious internet awards and are acknowledged web-wide as the definitive source for Visual, Concrete + Sound Poetry. UbuWeb is on the syllabus of countless schools; we've gotten queries from Ph.D. candidates seeking information to third-graders researching a paper on concrete poetry. UbuWeb embodies an unstable community, neither vertical nor horizontal but rather a Deleuzian nomadic model: a 4-dimensional space simultaneously expanding and contracting in every direction, growing "rhizomatically" with ever-increasing unpredictability and uncanniness”. Trocado por miúdos, os Ubus têm tomates e estão seguros do que fazem. Outra gente, outros tempos. Para nosso bem. Neste momento vejo os videos de Derek Bailey (1930-2005), On the Edge: Improvisation from Around the World (1992). Viva a UbuWeb! Um grande bem-hajam!

 
 

Whistleblower é a oitava e ainda recente saída de Vladislav Delay, artista finlandês que cruza todos os fios possíveis da electrónica actual. Delay, que actua sob várias capas – Sasu Ripatti (nome do registo civil), Luomo, Uusitalo, Conoco e outros menos conhecidos, consoante o estilo abordado. Delay, oriundo do jazz, baterista de formação e improvisador acústico, evoluiu para a música electrónica, meio onde improvisa e experimenta sobre estruturas dub, ecos, distorções, linhas de graves, longas extensões vibratórias, acentuações marcadas a tinta escura, sons que evocam ambientes espaciais alienígenas. Paisagens sonoras analógico-digitais, percorridas por eflúvios e vapores em movimento repetitivo e irregular, de que são exemplo Lumi e I Saw a Polysexual, duas amostras daquilo que as notas que acompanham o disco qualificam como "a resurgence of his older drug-infused sound-states". Whistleblower (Huume Recordings) foi votado melhor álbum de música electrónica de 2007 pela revista The Silent Ballet. (Design: Peter Prautzsch)

 
 

16217.jpg picture by eduardochagas

Durante todo o mês de Fevereiro, há saldos na net-distribuidora suiça DiscPlus. Sobre discos da conterrânea marca Hat Hut (hatHOLOGY) oferecem 30% de desconto. Nada mau. Há 121 títulos para escolher e agarrar. Poucos posso picar, porque, felizmente, chapéus destes é o que não falta cá em casa. Uma recomendação? Pois seja: os dois discos do pianista norte-americano Richard Grossman (1937-1992), Even Your Ears (1992) e Where the Sky Ended, este último, a reedição de Remember (Magnatone, 1994) - ambos em trio com Ken Filiano (contrabaixo) e Alex Cline (bateria). Duas maravilhas da criação improvisada que passaram ao lado de muito boa gente e é uma pena que assim tenha sido. A DiscPlus pede € 6 e 2 cêntimos por cada um...
"What more can I tell you? That the guy was without doubt the most important jazz pianist to die since Thelonious Monk, or jazz figure at large (cut off in full creative flight) since Albert Ayler? I say that, you'll think I'm nuts. But enough about dying... and 'importance'. Artists like Richard Grossman don't have a gift, you have a gift: you receive it. Receive this now that you may wake other mornings, many mornings, and not only breath but SIGH." - Richard Meltzer.

 
29.1.08
 

Décimo volume, sem contar com os live – a caixa da polaca NotTwo Records, por exemplo, é de ir às lágrimas repetidas vezes – das aventuras do bostoniano radicado em Chicago, Ken Vandermak com os Vandermark 5, a marca mais populista (no bom sentido) desse homem de muitas, tantas formações. Uma marca de sucesso originária de Chicago, exportada para todo o mundo desde 1997, com Single Piece Flow (Atavistic) e a segunda saída já sem o trombonista Jeb Bishop. Ken Vandermark (exclusivamente em sax barítono e clarinetes, de fora fica o tenor, bem confiado às mãos de Rempis), Fred Lonberg-Holm (violoncelo e electrónica), Tim Daisy (bateria), Dave Rempis (saxofones alto e tenor) e Kent Kessler (contrabaixo). Beat Reader tem um pouco menos de impacto que obras anteriores do V5 – sem Bishpo é natural que assim seja. Inclui 8 composições e arranjos do líder, sempre à volta da temática que tão bem tem tratado: jazz, blues, funk, groove, swing, rock... As habituais dedicatórias incidem desta vez em Gyorgy Ligeti, Andreas Gursky, Bernd And Hilla Becher, Lee Friedlander, Max Roach, Paul Rutherford, Walker Evans e Daido Moriyama. Acabadinho de sair, Beat Reader é certamente para todos: completistas, que não perdem um ai de Vandermark; iniciados, pois é uma das facetas mais facilmente abordáveis da obra do prolífico compositor; e os outros, os que ainda têm seis milímetros de espaço disponível na prateleira e estão doidos para alargar o segmento onde já figuram várias dezenas de vandermarias. Na Atavistic.

 
28.1.08
 

Luciano Berio and Sinfonia

Berio Conducts Berio :: Sinfonia (1968-1969); Epifanie (1965)

(Columbia MS 7268 / RCA LSC-3189)

Sinfonia (1968-1969), for eight amplified voices and orchestra, was part of a wider pattern of response to the musical crisis of the 1960s, during which avant-garde composers began once again to look to music of the past for material and inspiration – a turn towards so-called "meta music", or music about music. The third movement of Sinfonia is one of the most famous and remarkable examples of this approach: a dense fabric of verbal quotations contained within a musical quotation, the Scherzo from Mahler's Symphony No. 2, which is borrowed virtually wholesale and then used as a kind of musical armature around which Berio concocts a dazzling semantic and musical labyrinth, including further quotations (from Mahler, Ravel and Debussy, among others) and chattering texts drawn from Samuel Beckett's The Unnameable. The four outer movements frame this central tour de force with further, though more understated, explorations of the relationship between text and note – most tellingly in the second movement, "O King", a moving homage to Martin Luther King which gradually constructs a quietly intoned vocal setting of his name out of its constituent vowel sounds – a procedure analagous to that used in Circles.

Epifanie is an epiphany of sorts in modern vocal writing. The opening section is the longest, setting out what appear to be purely abstract musical figures, murmurs, sudden clashes of percussion, staccato notes scurrying across the "page" of perception. Then quietly, the voice enters. Proust’s text is opaque – he sees three trees, but what is he looking at? Berio’s setting of the vocal line reflects the circular logic of the text. How fortunate he was to have a partner like Berberian who could shape the phrases to his idiosyncratic needs. No one has ever, to my knowledge mastered his distinctive melismas as she has. Towards the end, she recites, as in spoken language. It’s a contrast to the musical shaping of the earlier music, yet it also bridges a return to the orchestral section that follows. Yet the music itself reflects speech – sudden outbursts and moments of quietness, the scurrying single notes like scraps of conversation. The Stück für Orchester mit gesprochenen Einwürfen is a fascinating interplay; disjointed interjections of speech over long expressive lines in the music.

 
 

Crossing Birds, CDr editado na norte-americana Foxglove pelos DOPO, trio portuense que me apraz escutar com atenção desde o primeiro vagido. Que nos trazem os rapazes a Norte desta vez, a primeira em suporte físico, já que as outras passaram invariavelmente por outro tipo de plataforma de edição, refiro-me em concreto aos episódios publicados na surpreendente Test Tube? Viradas as páginas de Last Blues, To Be Read Someday, e de For the Entrance of the Sun, sente-se maior segurança e firmeza no pisar; o trio continua a observar, a processar interiormente e a experimentar sem medo de contágio, mais seguro graças à fluidificação de processos, um ganho adquirido na prática e em concerto. No novo disco ressurgem embalados pela crescente variedade sonora, quase sempre entre o estranho e o bizarro, outras vezes mais reconhecível e familiar, nunca demasiado agreste nem a puxar para o confortável. Nas 11 faixas de Crossing Birds continua a haver guitarras que se fundem com percussão, vozes espectrais, ambientes soturnos repassados de melancolia em canções que ainda o não são ou que que já deixaram de o ser, para se lançarem porta fora, inaprisionáveis em estruturas predefinidas. Bom trabalho, DOPO. E dopo este, de 2007, o que é que se segue?

 
 

PERSIAN ELECTRONIC MUSIC: Yesterday and Today 1966-2006

Resonance FM Podcast: PERSIAN ELECTRONIC MUSIC

Mashayekhi’s work is woefully unknown to us the in the west, despite his completely unique and innovative methods and career that spans back to a pre-Shah Iran. From score writing to painting Mashayekhhi’s work reflects the unique way he thinks. Many thanks to Sub-Rosa Records for allowing us to podcast these pieces. We also hear a short interview with artist Anahita Rezvani on her work, recently shown here at the Paraava gallery. She is interviewed at our request by her friend, who remains unnamed. This show was produced and presented by Fari Bradley and broadcast from the Resonancefm studios in 2007.

 
 

INSTAL 08, the UK's best festival of experimental music, sound and performance, is a mere few weeks away now and we wanted to keep you abreast of the developments. The full programme and timetable is now finalised and is crammed full of unique events, happenings and performances. Go on, you know you want to. Glasgow, Escócia, de 15 a 17 de Fevereiro de 2008.

 
 

rava-1.jpg picture by eduardochagas

16 Fev 2008, 21h00 - Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, Lisboa

Quinteto de Enrico Rava

Enrico Rava, um dos músicos de jazz italianos mais consagrados internacionalmente, apresenta-se no CCB acompanhado de quatro excelentes músicos, num concerto inspirado no seu último trabalho The Words and the Days. O trompetista conta com quarenta anos de carreira e gravou mais de cem álbuns, trinta dos quais como líder. Colabora com grandes nomes do jazz: Gato Barbieri, Charlie Haden, Marvin Peterson, Carla Bley, entre outros.

Enrico Rava, trompete; Gianluca Petrella, trombone; Andrea Pozza, piano; Rosario Bonaccorso, contrabaixo; e João Lobo, bateria.

 
 
Há acasos felizes. Sem saber que existia, veio até mim esta realização em trio de John Butcher, Torsten Müller e Dylan van der Schyff. Assim à primeira, poder-se ia pensar tratar-se de um disco, mais um, de três músicos que já deram a saber tudo aquilo de que são capazes, outra oportunidade de montar e exibir um arraial de técnicas, mostruário completo do que é possível fazer com saxofones, contrabaixo e percussão. Mas não é isso. Ou não é isso principalmente. Porque se é verdade que o ponto de partida é o desfiar de toda a sorte de técnicas instrumentais conhecidas e acabadas de inventar, o mais importante – e é esse que conta neste deve e haver – é o modo como aplicam o domínio instrumental na produção colectiva de som, sem exibicionismos histriónicos ou vaidades estultas. É isso: três grandes inventores de som, o britânico Butcher, o gemânico radicado no Canadá, Müller, e o canadiano van der Schyff, apresentam um incrível set de música improvisada que se desenvolve de forma milimétrica em campo aberto, espaço que vão estruturando em tempo real. Abstraccionismo free, dentro e fora da criação jazzística, é o credo simples deste novo trio, apresentado ao vivo no Jazz and Blues Society de Vancouver, Canadá, em 24 de Junho de 2007. O trio, pensado para ter continuidade e reincidência, apresenta-se com este belo cartão de visita, intitulado Way Out Northwest (Drip Audio) – uma amostra promissora, carregada de referências passadas e futuras, mas, sobretudo, de interessantes pontos de partida para memória e reelaboração futura. Um grande "bem-hajam", como diz o outro.

 
25.1.08
 

Anthony Braxton: Chasing the Ghost Trance
Stuart Broomer
(Musicworks # 99, Winter)

In conversation with Stuart Broomer, American composer and multi-instrumentalist Anthony Braxton discusses the evolution of his series of numbered compositions that he calls ghost trance music. Beginning with his original inspiration for the series in his studies of the native American ghost dance ceremonies, Braxton discusses the differences in usage and aims between that music and his own, talks about the influences on him of Xenakis and Wagner, and emphasizes the importance of sung melody in his current compositional practice. Braxton also discusses the importance of choice in his music and the ways in which different performers develop and contribute materials in a performance.

 
 

Pharoah Sanders a baladar ligeiro, com William Henderson ao piano, Charles Fambrough, contrabaixo, e Sherman Ferguson, bateria. Ballads with Love: In a Sentimental Mood, Body & Soul, Too Young To Go Steady..., e o imorredoiro Misty, tema composto em 1954 por esse romântico elegante que foi o grande Errol Garner (1921-1977). Bastaria Misty para Garner ter um lugar na história. Mais que um fraquinho, tenho uma fraqueza enorme por Errol Garner, o inimitável. Cada vez que ouço Misty (aqui numa versão correcta e setentista do trio de Barney Kessel, à falta da legítima, the one and only Misty, apesar das centenas que foram feitas por toda a gente), quando ouço a tal Misty, dizia, dispara-me o coração a toda a brida, tenho que ter cuidado. Quão clássico estou eu hoje... Sanders ao jantar quase fazia dispensar o tinto maduro; ou apetecer a dobrar. As arestas do saxofone estão para as baladas como os taninos estão para o vinho, por assim dizer. Para a sobremesa, escolhi outro duro travestido de baladeiro: David S. Ware, Balladware (Aum Fidelity). Menos espesso e cremoso que o histórico Sanders, mais fuido e leve no fraseio, a puxar para o Rollins de meia-idade, esse colosso do saxofone. Bom para o remate. Gravação de Outubro de 1992. Iguaria em edição japonesa pela Venus. A minha edição é de amigo e está periclitante. Love sweet love... À nossa, mestre Pharoah! Toca lá mais uma dessas tuas Ballads with Love. Outra vez Misty? Pode ser assim, lento...Ta-ra-ra...

 
 

Ópera de Emmanuel Nunes transmitida para 14 cidades
A primeira ópera de Emmanuel Nunes estreia, esta sexta-feira, no Teatro Nacional de São Carlos. "Das Märchen" ("O Conto"), baseado num texto de Goethe e cantada em alemão, será transmitida em directo para 14 cidades do país.

A primeira ópera do compositor Emmanuel Nunes estreia, esta sexta-feira, no Teatro Nacional São Carlos, numa estreia que terá a particularidade de ser vista em mais 14 salas de espectáculo de norte a sul do país.
«Das Märchen» ("O Conto"), inspirada num texto de Goethe, será transmitida em directo para as cidades de Ponte de Lima, Porto, Vila Flor, Aveiro, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Torres Novas, Portalegre, Estremoz, Beja, Faro, Açores e Madeira. A ópera terá também récitas a 27 e 29 de Janeiro, mas apenas a estreia será transmitida para estas cidades. Esta produção contemporânea de Emmanuel Nunes, interpretada em alemão, foi uma encomenda do São Carlos, Casa da Música e Fundação Gulbenkian, contando com 14 intérpretes e dez bailarinos.
Encenada por Karoline Gruber, "Das Märchen" tem como cenário um rio onde vivem personagens distintas como a Bela Lília, o Homem com a Lâmpada, o Gigante, um Príncipe e uma Serpente Verde que se transforma em ponte.
Interpretada pelo Remix Ensemble e pela Orquestra Sinfónica do Porto, a transmissão desta ópera, que será legendada em português, deverá chegar a 11 mil pessoas, muitas delas, em princípio, com poucas possibilidades de acesso a uma obra como esta.
Christoph Daumann, director artístico do Teatro São Carlos, considerou esta ópera de Emmanuel Nunes, que teve um orçamento de um milhão de euros, como uma «obra-prima» e um exemplo do futuro da ópera europeia
. - TSF

 
 

Braga Jazz 2008!
Dias 6, 7, 8 , 14 e 15 de Março, no Theatro Circo de Braga.
Organização: Theatro Circo de Braga/ Município de Braga.
Direcção artística: José Carlos Santos.

> 6 de Março (22h00)
Orquestra de jazz de Matosinhos com Chris Cheek

Criada em 1999, com o apoio da Câmara Municipal de Matosinhos, a OJM tem vindo a afirmar-se como uma das formações mais dinâmicas do jazz português, sob a direcção de Carlos Azevedo e Pedro Guedes. A partir de 2001 esta orquestra (que este ano se tornou a primeira formação portuguesa de Jazz a actuar no célebre Carnegie Hall de Nova Iorque, justamente com Lee Konitz) começou a colaborar com músicos de renome mundial, um projecto notável em que ao longo dos anos participaram músicos como Ingrid Jensen, Bob Berg, Conrad Herwig, Stephan Ashbury, Carla Bley, Mark Turner, Rich Perry, Dieter Glawischnig e Chris Cheek (parceria que deu origem a um CD editado pela prestigiada Fresh Sound). É precisamente com Chris Cheek, esse fantástico saxofonista norte-americano, que a OJM abre as portas do Bragajazz 2008, num concerto aguardado com grande expectativa.

> 7 de Março (22h00)
BassDrumBone
Ray Anderson
(trombone), Mark Helias (contrabaixo) e Gerry Hemingway (bateria e percussão)

O trio BassdDrumBone utiliza uma instrumentação pouco habitual com um som único. Um verdadeiro colectivo onde composição e improvisação estão condimentadas no ponto perfeito. Este trio actua nos palcos e todo o mundo há mais de trinta anos (o trio foi criado em 1977), sendo constituído por músicos de excepção como o enorme trombonista Ray Anderson (cinco vezes nomeado como o melhor trombonista do ano pela revista norte americana Downbeat), considerado por muitos como o melhor trombonista da sua geração, pelo contrabaixista Mark Helias e pelo baterista Gerry Hemingway, um dos mais famosos percussionistas do jazz actual.Com sete Cds publicados em 2005, o trio gravou o cd “The Line Up” para a editora portuguesa Clean Feed, trabalho altamente apreciado pela crítica europeia e norte-americana, que será apresentado em Braga neste certame.

> 8 de Março (22h00)
George Schuller “Circle Wide”
Donny McCaslin
(saxofones), Brad Shepik (guitarra), Tom Beckham (vibrafone), Dave Ambrosio (contrabaixo) e George Schuller (bateria)

Nascido em Nova Iorque, residente em Boston desde 1967, o baterista George Schuller estudou no New England Conservatory of Music, curso que finalizou em 1982. Nos 12 anos seguintes, encontrámo-lo como umas das figuras proeminentes do jazz actual tendo tocado com músicos tão distintos como Herb Pomeroy, Jaki Byard, Jerry Bergonzi, George Garzone, Mick Goodrick, John Lockwood, Ran Blake, Billy Pierce, Bruce Gertz, John LaPorta ou Hal Crook. Filho de uma das figuras mais controversas da música contemporânea (Gunther Schuller), George Schuller tem vindo a afirmar-se progressivamente na cena jazz nova-iorquina, tendo tocado e gravado nestes últimos 14 anos com músicos tão distintos como Joe Lovano, Lee Konitz ou Dave Douglas. O quinteto Circle Wide é um grupo de geometra variável, cujo último trabalho, a apresentar no Bragajazz 2008 joga em torno da esplêndida música do quinteto americano dos anos 70 do pianista Keith Jarrett, explorando temas como Survivors Suite, Rotation, Common Mama, e De Drums, numa abordagem fresca e criativa.

> 14 de Março (22h00)
John Taylor Trio
John Taylor (piano), Palle Danielsson (contrabaixo) e Martin France (bateria)

De terras de Sua Majestade, visita o Bragajazz 2008 o aclamado pianista J. Taylor, um dos melhores pianista europeus, com uma carreira e reputação irrepreensíveis, ao9 lado de figuras tão distintas como Kenny Wheller, Peter Erskine ou John Surman. John Taylor nasceu em Manchester em 25 de Setembro de 1942. Nos anos 70 forma o famoso trio Azimuth com a sua esposa Norma Winstone e Kenny Wheller. Nos anos 80 Taylor trabalhou com Jan Garbarek, Enriço Rava, Gil Evans, Lee Konitz e Charlie Mariano. J. Taylor participa habitualmente nos ensembles de Kenny Wheller, no quarteto de John Surman e no trio de Peter Erskine. Em 2002 criou o aclamado trio com os norte-americanos Marc Johnson (contrabaixo) e Joey Baron (bateria). Em 2004 formou outro trio com Palle Danielsson no contrabaixo (uma das figuras emblemáticas do jazz nórdico) e o jovem baterista britânico Martin France. Em 2006 foi publicado o cd “Angel of the presence” para a editora italiana CAM jazz com soberbas críticas um pouco por todo o mundo. Imperdível!

> 15 de Março (22h00)
Indigo Trio
Nicole Mitchell (flauta e voz), Harrison Bankhead (contrabaixo, violoncelo voz) e Hamid Drake (bateria)

Três dos músicos mais requisitados de Chicago, a saber, a flautista Nicole Mitchell (prémio “Rising star flutist” no ano 2006 pelos críticos da revista americana Dowbeat) o contrabaixista Harrison Bankhead e o aclamado Hamid Drake, bateria e percussão, constituem este surpreendente trio que pratica da música mais original feita nos nossos dias. Um som intenso, de grande intercomunicação dos três músicos, faz da arte do “Índigo Trio” um dos libelos da liberdade musical que orienta os nossos dias, sem descurar um olhar pela tradição. Os três músicos são cúmplices do movimento de Chicago AACM, produzindo uma música próxima de uma síntese do sentido dos blues do saxofonista Rahsaan Roland Kirk, da modernidade do flautista/saxofonista Eric Dolphy ou do etnocentrismo do flautista/saxofonista Yusef Lateef. Aguarda-se uma festa para os sentidos na versão da grande música negra.


 
24.1.08
 

Ainda a propósito de Don Cherry (1936-1995) e da sua breve passagem pela editora Sonet durante a estadia nórdica, recordo Eternal Now (1974), ou Tibet, como também ficou conhecido depois de reeditado pela Piccadilly Records em 1981, disco que faz um lindo par com o não menos interessante Live in Ankara, já aqui comentado. Enquanto em Ankara, de 1969, Cherry tocou com um trio de músicos turcos, em Tibet optou pela prata da casa: Bernt Rosengren, Agneta Ernström, Christer Bothén e Bengt Berger. Don Cherry não toca trompete neste disco. Avulso, isto é, sem ser emparelhado com o outro Sonet, só há em LP e é um pau. Eternal Now: 1. Gamela Stan - The Old Town by Night; 2. Love Train; 3. Bass Figure for Ballatune (Two Pianos and Three Piano Players); 4. Moving Pictures for the Ear; 5. Tibet. Uma Obra do Senhor Don Cherry.


Don Cherry - Tibet

 
 

[ankara.jpg]

Em 1969, Don Cherry, já profundamente embrenhado na fase free jazz-meets-world music, correlativa, em certa medida, da estética que o Art Ensemble of Chicago prosseguia por outras formas, editou dois discos na micro-editora sueca Sonet: Eternal Now e Live in Ankara, este último gravado a 23 de Novembro daquele ano, ao vivo na embaixada americana da capital turca, com músicos locais: Selcuk Sun (contrabaixo), Okay Temiz (bateria e percussão) e Irfan Sümer (saxofone tenor e percussão). Difícil de encontrar durante décadas, sobreviveu como raridade em LP e em CD com edição japonesa. Há menos tempo, a Universal licenciou a edição conjunta em CD das gravações Sonet. Além de originais do trompetista, Live in Ankara revisita composições de Ornette Coleman (Ornette's Concept e Ornette’s Tune) e de Pharoah Sanders/Leon Thomas (The Creator Has a Master Plan).

 
 

'Sun Ra: Disco 3000: Complete Milan Concert 1978,' a hard-to-find, but sensational set by the pianist (above, in 1984), is among a bunch of old material that has been unearthed recently.

Otherworldly Sun Ra...

 
23.1.08
 
Smalltown Supersound Smalltown Supersound

Quentes e boas, na Smalltown Superjazz: PETER BRÖTZMANN/PAAL NILSSEN-LOVE/MATS GUSTAFSSON, THE FAT IS GONE e FREE FALL (trio de Ingebrigt Haker Flaten, Ken Vandermark e Haavard Wiik), THE POINT IN A LINE. São duas malhas do final de 2007, estaladiças como se tivessem acabado de sair do lume.

 
22.1.08
 

Fac-simile da primeira das 4 páginas de notas escritas originalmente por Anthony Braxton para a primeira edição de For Alto. O duplo Lp de saxofone alto solo (73') que a Delmark editou em 1969, foi um disco revolucionário, o segundo de A. Braxton. A versão do famoso texto agora publicada, com texto revisto em 1970, sofreu ligeiras e recentes alterações pelo punho do autor. Aparecem entre parêntesis no texto.

 
 

ALFREDO COSTA MONTEIRO :: ÉPICYCLE
(Etude Records)

 
 

Looop Volcanic Tounge Sound323 Second Layer Mimarogulu Music Sales Freak Animal Anoema Molehill Tiger Apartment White Noise Staalplaat Ground Fault Metamkine RRRecords Archive Some Place Else

 
21.1.08
 
O Freedom of the City Festivala festival of radical & improvised music – co-organizado por uma 'tróica' formada por Martin Davidson, da Emanem, por Eddie Prévost, da Matchless Recordings, também percussionista, e por Evan Parker, já agora, da Psi, e também saxofonista tenor e soprano, é hoje um dos acontecimentos mais relevantes do Reino Unido (e da Europa, vamos lá) de entre os realizados em prol da música improvisada tocada ao vivo. Desde há uns anos que tem vindo a fazer o seu caminho e chegado à mais recente edição, de 6 e 7 Maio último, tem já um considerável acervo de documentos sonoros que registam o que por lá se tem passado de mais interessante. A segunda parte deste disco de um quarteto fenomenal que dá pelo nome de Barkingside, e compreende o clarinetista Alex Ward, Alexander Hawkins (piano), Dominic Lash (contrabaixo) e Paul May (percussão) vem justamente do concerto que abriu o segundo dia de festividades londrinas. Apostei neste grupo e já ganhei. Comecei pelo tema 3 (Carnauzer), gravado no Red Rose, espaço que acolhe o Freedom of the City. São 24 minutos de mão-cheia, de um total de 60 que o disco comporta, divididos por duas outras composições instantâneas (Alopekis e Basenji). Os acontecimentos sucedem-se lentamente a princípio. Mal se ouve um ai, um suspiro. Depois, passos irregulares de contrabaixo, um bater de castanholas, o piano pinga aqui e ali, o clarinete pipila e chilreia por um bando de pardais à solta, os putos, os putos. Não são bem putos, já fazem a barba, andam nisto há tempo suficiente para ter memória e, é seguro, ouviram muita música improvisada. Surpresas não faltam. Há daquelas que são meias só, outras inteiras. Gestos inesperados, evoluções insuspeitas, mesmo para quem se ache batido e versado nas linguagens europeias do improviso. Alex Ward, nesta lei que vale só para consumo da casa, é um dos mais inventivos clarinetistas que já ouvi. O segundo que me acode à memória é o alemão Michael Thieke, de outro género, menos expansivo talvez. Também gosto de Kai Fagaschinski, outro alemão da nova escola. De volta ao quarteto, Martin Davidson escreve que são todos excelentes jovens improvisadores, o que subscrevo, a viver em Londres e que, apesera do nome por que se apresentam em público, Barkingside, nunca na vida algum deles se deslocou ao homónimo subúrbio londrino. Graçola da rapaziada, está-se a ver. É bom sinal. Se não tiverem sangue na guelra e força onde devem ter nesta altura, onde e quando é que a haveriam de ter? Num registo mais formal e a puxar ao “crítico”, subvertem as noções tradicionais de 'pitch' e intervalo, numa performance de imensa fisicalidade e maturidade estilística. Blheac! Falta dizer que os outros dois temas foram gravados no Bateman Auditorium, em Cambridge, Setembro de 2006. E para terminar o arrazoado que já vai longo, direi como um amigo me perguntou uma vez a propósito já não sei de quê: “devia haver mais discos destes, não achas?” Acho, acho. Não exactamente assim, pois, mas lá perto. Que é chegar longe. Barkingside acabou de sair na Emanem.

 
20.1.08
 


I am overwhelmed by the architecture of vibration. i believe vibration to be the type of information that remains the most objective after it has been processed by the nervous system, the least perceptually eroded, and therefore, the clearest. this dimension of thought is where my work is created. in my work, i organize vibrational artifacts and reform them in a particular way with the intent to create a synergetic vibration patchwork that will resonate with the receptors of the human nervous system. my intent is to use vibration to analyze and atomize the perceptual aural palette and fill the negative space with shimmering particles of sound. - Cory Allen: Satori in Atlantis [Test Tube]

 
 

Acabei a longa e interessante entrevista que Salim Washington deu à mais recente edição da Cadence Magazine, cuja leitura recomendo. Washington é um saxofonista tenor (também toca oboé e flauta) nascido em 1958 (Memphis, Tenessee), actualmente radicado em Nova Iorque, para onde se deslocou a fim de continuar a carreira académica e musical. Não anda nas bocas do mundo nem faz parte de grupos daqueles que a imprensa habitualmente carrega ao colo, mais próximos da ortodoxia de Wynton Marsalis e do "seu" Lincoln Center. "Apenas" tem talento a rodos e um imenso saber sobre a música que pratica, o que por vezes não chega. Além de saxofonista, Salim Washington é doutorado em música e lecciona no conservatório da Brooklyn College, onde é professor associado. Há uma década estreou-se com uma bomba de disco, Love in Exile (Accurate Records), com um grupo alargado – The Roxbury Blues Aesthetic – em que se encontravam o pianista e arranjador Joe Bonner e o trombonista Kuhumba Frank Lacy. Infelizmente, o disco passou despercebido por entre as letras gordas das revistas. Love in Exile aconteceu já depois de Salim se ter licenciado em Harvard com uma dissertação intitulada Beautiful Nightmare: Coltrane, Jazz and American Culture. Digna de referência é também a participação nos grupos do ex-membro da Arkestra de Sun Ra, o trompetista Ahmed Abdullah, de que é exemplo Diaspora - Dispersions of the Spirit of Ra, e no potente disco do quarteto de Carl Grubbs, Brother Soul (CIMP), editado em 2007. Salim tem muitos escritos publicados, três deles acessíveis através da sua página pessoal:
Has Katrina Failed To Blow The Wool From Over Our Eyes?
Meditations On Coltrane's Legacies
All The Things You Could Be By Now...

Ahmed Abdullah's Diaspora (Dispersions of the Spirit of Ra)

 
 

Ornette Coleman em entrevista a Frank J. Oteri, da revista New Music Box. Ornette Coleman: Freedom of Expression.

 
19.1.08
 



ESTREIA MUNDIAL - ELECTROACÚSTICA
25 de Janeiro 2008 22h00
Ultraschall Festival - Berlim
Radialsystem V
Miguel Azguime - Des Cercles En Cercles






ÓPERA

11 de Março 2008 22h00
MaerzMusik * Berlim
ITINERÁRIO DO SAL
Haus der Berliner Festspiele Seitenbühne
Miso Ensemble

 
 



Günter Christmann/Thomas Lehn
'Temps Durée'
(Edition Explico)

 
 

image.jpg

STEIM Season Opening Concert 2008 featuring:

Byungjun Kwon (NL/KR) - digital & analog sound-image drawing tools
Cor Fühler (NL) - analog & digital electronics
Rafael Toral (PT) - "space studies": sensor gloves and modified MS-2 amplifier

Date: Thursday, January 24
Venue: STEIM, Utrechtsedwarsstraat 134, Amsterdam
Time: 20.30 hrs. Entrance: 5 euros
Reservations and more information: knock@steim.nl (knock@steim.nl) or 020-6228690

"Musicianship in Live Electronic Music" was one of the themes for our concert series last year. We hosted most of the performances in our studio space to create a concentrated and critical platform for both the musicians and the audience. We feel that the intimate space intensifies the relationship between the two sides where one can really feel whether the artist is able to engage his/her audience or not. In 2008, we plan to continue this theme along with other new directions.
Please join us at our season-opening concert with three seasoned electronic performers. Each artist shares a passion to extend their musical expression through unique unconventional instruments. Best wishes to everyone in 2008 and hope to see you soon!

 
 
RED Trio
Rodrigo Pinheiro_piano
Hernâni Faustino_contrabaixo
Gabriel Ferrandini_bateria
Fábrica Braço de Prata
Sábado, 19 de Janeiro, 23h00



 
18.1.08
 


Mujician recorded at The Sage,
Gateshead, 8th November 2007


Paul Dunmall - saxofones
Tony Levin - bateria
Paul Rogers - contrabaixo de 7 cordas
Keith Tippett - piano

The Wise Sage
(P. Dunmall / T. Levin / P. Rodgers / K. Tippett)

 
 

KARST ft ABSTRAL COMPOST [insub23]

Cyril Bondi: drums, percussions, objects
d'incise: objects, anti-percussions, a little bit of laptop yet
Abstral Compost: voice, texts, loops

KARST est un duo d'improvisation libre entremêlant objets et instruments, créant une architecture de percussions, grincements, frottements, pulsions irréelles, mathématique instinctive du son et de sa ré-organisation constante. KARST est la volonté de deux musiciens se côtoyant depuis longtemps de se retrouver en face-à-face, sans barrière mais aussi sans esquives possibles, dans une situation ou le moindre geste, même infime, est à assumer dans son intégralité. KARST est un paysage au relief sculpté par la corrosion, aceré, scabreux, rongé de cavités souterraines ou mille chemins s'offrent à l'ouïe aventeureuse.

 
 

Para a edição desta semana do Jazz on 3, Jez Nelson seleccionou um concerto do duo de Richard Galliano e Michel Portal gravado no Wigmore Hall, no decurso da mais recente edição do London Jazz Festival, em Novembro último.

 
 

Miguel Sousa Tavares tem uma frase pintada nas paredes do Metro e em outdoors gigantes espalhados pela cidade, que também já vi escrita na contracapa do seu último best-seller: «Tenho medo que a liberdade se torne um vício». Não conheço o contexto da frase elevada a soundbyte para vender livros – e realmente vende, é moda, não há menina ou senhora que não se passeie com o tijolo um pouco por todo o lado. Mas, agarrar-se a gente à liberdade como algo vital não me parece que seja razão para sentir temor. Se ela passa à condição de indiferente isso é que dá que pensar. Liberdade é poder escolher, e escolher não é um vício. Não poder escolher é que é mau. É falta de liberdade. Isso é medonho. Mas não me importa discutir os medos e os vícios de Sousa Tavares ou das suas personagens. Nem me interessa a coça que Vasco Pulido Valente lhe deu ou tentou dar (não bate quem quer…) à conta dos erros e imprecisões históricas que alegadamente conspurcam as águas do Rio das Flores. Lembrei-me disto a propósito do “vício” em que se está a tornar a nova edição da netlabel italiana Zymogen. Falo de Tisza meets Dunav (zym018), novo ensaio electroacústico de Sasa Vojvodic, artista sonoro sérvio radicado em Paris, mais conhecido pelo nome artístico de Letna. Letna anda nesta vida há alguns anos. Além de curador da SEM label, desenha paisagens sonoras abstractas de refinada nostalgia e apurado sentido poético.

 
17.1.08
 

[steve.jpg]

Ó que belo par! Não havia em CD desde 1993 (os LPs são de 1977, 30 aninhos já lá vão e, como acontece com as coisas boas da vida, melhoraram com o tempo), último e breve vestígio da Noite Mais Longa de John Stevens e Evan Parker, tão longa que foram precisos dois discos para a encapsular. Porém... Quando a esmola é grande o pobre desconfia, mas desta vez é para levar a sério. Faz até pensar noutro casos em que apesar de estarem em causa documentos importantíssimos, além de inquestionáveis obras de arte, é estranha a indiferença e o laxismo com que muitas editoras de todos os tamanhos e feitios tratam os arquivos de que (não) tomam conta e teimam em manter em círculo fechado, quando não ao mais relaxado e indigno abandono. Tem havido muitas e boas excepções, felizmente, mas se nos lembrarmos do que para aí vai de inéditos a apanhar pó e de obras esgotadas há decénios, a coisa passa para o nível do criminoso. Foi desta que a Ogun deitou cá para fora The Longest Night, Volumes 1 & 2, associado a outra maravilha que é Corner to Corner (são três Lps Ogun, por junto), iniciativa que já está a fazer a felicidade de muitos lares por esse mundo fora. Ai isso sim. Agradecido estou a Hazel Miller, viúva do contrabaixista e fundador da Ogun em 1974, Harry Miller. Quem quiser conhecer o produto antes de arriscar adquirir a cópia legítima (que é isso de arriscar, quando o que está em causa são maravilhas da criação humana como é o caso destas duas, homem?, nem parece teu - há quem diga que Evan Parker não é humano, o que só lhe fica bem, já que esta raça não é lá grande coisa, sinceramente), poderá fazê-lo (ou refazê-lo) através da possibilidade que este vosso dedicado amigo proporciona no sítio que bem sabeis e outro não é que este mesmo.
John Stevens & Evan Parker - Corner to Corner & The Longest Night (Ogun CD 022/023)

 
 
Fixar as coordenadas, estabelecer o lugar do Ensemble 0, encontrar um ou mais pontos de apoio para o ouvinte se situar, não é tarefa isenta de riscos, na mesma medida em que a música aqui erigida se apresenta de modo avesso a quaisquer classificações, refractária a qualquer esforço de catalogação. Na melhor, o Ensemble Zero é um quarteto francês de composição/improvisação lowercase, composto pelo pianista Joël Merah, que assina Music of Wheel, composição que no original tem uma duração superior à do CD (no limite, chega a levar duas horas e meia de execução), daí que tenha sido opção deliberada do autor destacar 6 fragmentos da peça para inclusão no CD, confinado a uma hora e três minutos de duração total. A execução ficou a cargo, além de Joël Merah, em piano, do guitarrista Sylvain Chauveau, da violoncelista Maitane Sebastian e do trombonista Stéphane Garin, também em glockenspiel e címbalo. O curriculum dos membros do Ensemble Zero impressiona: trabalharam com o Ensemble Intercontemporain, sob a direcção de Pierre Boulez, com a Filarmónica de Tóquio, com Phil Durrant e Mauricio Kagel, entre outros, e editaram na FatCat, Ant-Zen, Type, Amanita, DSA, Ameson, e agora na Creative Sources. O Zero pega onde ficaram os avanços de John Cage e Morton Feldman, e fazem evoluir a música no sentido da completa simbiose entre composição prévia e criação instantânea, através de uma escrita totalmente aberta, na qual os espaços de som e de silêncio se articulam enquadrados por uma moldura virtual de extrema flexibilidade, fixada com reserva, contenção e dinâmica restringida ao mínimo. O paralelo nas artes plásticas encontrar-se-á no expressionismo abstracto de Mark Rothko e na sua criação de atmosferas e combinações de cor espaço e forma, de forma a transcender os símbolos e as referências comummente aceites e validadas pela prática reiterada de repetição de fórmulas sucessivamente reinventadas. A escrita de Joël Merah, caracterizada por privilegiar a mais ampla espacialização, decorrente dos aspectos aleatórios associados, facilita a apreensão da variedade tímbrica e a intersecção de diferentes planos, com um mínimo de sobreposição, favorecendo a criação de atmosferas de extrema limpidez. Enfim, uma música bela, cheia de espaços em suspensão e silêncios misteriosos, para fruir de maneira puramente emocional. Para meu gosto e satisfação pessoal, Music of Wheel é uma das melhores edições de sempre da Creative Sources Recordings.

 
 

Para a minha Mãe, que partiu faz hoje um ano.

 
 

Vale a pena dar atenção ao tanto que se vai passando na belga idiosyncratics records. A mais recente e feliz descoberta é Barne Hotsa (17'04), trabalho de um trio basco com sede em Bilbao, Espanha, composto por Edorta Izarzugaza (guitarra eléctrica), Tüsüri (laptop) e Xedh (misturadora e ruído de estática). A imagem é de Sara Santos Casillas.

 
 

The Whole Shebang - How to Build a World-view; an Epistemology; Some Idea of Where the Hell We Might Be - trabalho do infatigável melómano e pesquisador norte-americano Rick Lopez, o homem que desencanta discos oficiais (de fora fica o submundo dos bootlegs e afins), sessões conhecidas e obscuras, todo um manancial de informação que ele pacientemente recolhe, organiza e disponibiliza online para nosso bem. Registo das sessões de Marilyn CRISPELL, William PARKER; Sam RIVERS, Glenn SPEARMAN, David S. WARE; discografias de Sylvie Courvoisier, Marco Eneidi, Susie Ibarra, Mat Maneri, Joe Morris, Matthew Shipp e o mais que virá. Congrats Rick!

 
 

O Leitura Constante (ler é o melhor exercício) publicou há tempos um ranking dos 500 melhores blogs em língua portuguesa, segundo o portal Technorati. O Jazz e Arredores figura num simpático 450º lugar.

 
16.1.08
 

db037_Knyaz_Mishkin

Da Bielorrússia (Minsk), KNYAZ MYSHKIN, uma novidade interessante e um trio recomendável: Leonid Naruszewicz (guitarra), Victor Semashko (flauta e clarinete) e Vladimir Kravchenko (bateria). O Knyaz Myshkin, que já leva 16 anos de trabalho em trio, mas só agora conheci, tem um CD (Various Improvisations) na digitalbiotope, independent netlabel dedicated to improvised & experimental music.

 
 

Photobucket

VARIABLE GEOMETRY ORCHESTRA
16 JAN - 22h30 - MUSIC BOX, Lx


 
15.1.08
 

CD 1: DIE LIKE A DOG - Fragments of music, life and death of Albert Ayler uses very short quotations out of Albert Ayler's music in different variations (Prophet, Ghosts, Spirits, Bells and others), composed by Peter Brötzmann recorded on August 19, 1993 during the Free Concerts series at the Townhall Charlottenburg, Berlin, Germany. (FMP)
CD2: LITTLE BIRDS HAVE FAST HEARTS, NO. 1
recorded live on November 7 and 8, 1997 during the Total Music Meeting at the Podewil in Berlin, Germany;
CD3: LITTLE BIRDS HAVE FAST HEARTS, NO. 2 recorded live on November 8 and 9, 1997 during the Total Music Meeting at the Podewil in Berlin, Germany;
CD4: AOYAMA CROWS recorded live on November 3, 1999 during the Total Music Meeting at the Podewil in Berlin, Germany

Peter Brötzmann (saxofones, clarinete, tarogato); Toshinori Kondo (trompete, electrónica); William Parker (contrabaixo); Hamid Drake (bateria, percussão).


 
 


ANTHONY BRAXTON
12+1tet (Victoriaville) 2007


This concert offers a striking opportunity to hear the ensemble in full force. The 70-minute piece builds an inner logic of staggering detail, while never loosing the propulsive flow. The shifting layers and counter-structures mount with scorching intensity and then break into pools of quiet tension only to explode off again. The momentum can march along with a galvanizing pulse, fracture into freedom, or cascade with a roiling sense of swing. Braxton has stated that the music played by this ensemble is the culmination of the Ghost Trance series. But as is always the case with Braxton, the consummation of one phase simply serves as the launching point for what is to come. And for both those who have been following his career for decades and initiates alike, the search is sure to bring new rewards. - Michael Rosenstein

 
 

EMANEM ... novas edições, com saída a 15 de Janeiro:

GROSSE ABFAHRT "Everything that Disappears" (2007) - Emanem 4146
TOM DJLL (trumpet, pocket cornet & preparations), MATT INGALLS (Bb clarinet, bass clarinet), FRÉDÈRIC BLONDY (piano), JOHN SHIURBA (electric guitar), GEORGE CREMASCHI (double bass & electronics), LÊ QUAN NINH (surrounded bass drum), JOHN BISCHOFF (electronics), TIM PERKIS (electronics), GINO ROBAIR (energised surfaces & voltage made audible). Tom Djll put this electro-acoustic improvising nonet together when Frédèric Blondy and Lê Quan Ninh were visiting the San Francisco area, resulting in some extended performances that are more about the group than the individuals.

BARKINGSIDE (2006/7) - Emanem 4147
ALEX WARD
(clarinet), ALEXANDER HAWKINS (piano), DOMINIC LASH (double bass), PAUL MAY (percussion). An improvising quartet comprising four excellent young improvising musicians based in London and Oxford, none of whom have ever been to the outer London suburb of Barkingside. Two complete performances from concerts at Cambridge University and the 2007 FREEDOM OF THE CITY festival in London.

SPONTANEOUS MUSIC ENSEMBLE "Bare Essentials" (1972/3) - Emanem 4218
JOHN STEVENS (percussion & cornet) & TREVOR WATTS (soprano sax). Duo recordings selected from the Trevor Watts cassette archive that have cleaned up very nicely. The music is very conversational, and ranges from free jazz ferocity to quiet stillness. Until this release, there were no published SME recordings from between mid 1971 and late 1973, and none of Stevens playing cornet before late 1973 - so a considerable gap has been breeched by some vital playing, mostly at London's Little Theatre Club.

 
 

wordless.jpg picture by eduardochagas

Wordless Music

 
 

Com o tempo do CD a esmaecer a olhos vistos – não é uma questão de desaparecimento mas do progressivo declínio iniciado há alguns anos, e não se culpe apenas a pirataria, as razões têm muito a ver com as fases seguintes do desenvolvimento da era digital e com a procura de novas respostas para o suporte e intermediação musical, passando confinar-se a nichos de mercado, como acontece com o LP – vai crescendo exponencialmente o número de editoras e de edições em suporte virtual em todos os géneros musicais. Volta não volta, surgem projectos interessantes como este da MODISTI, a new independent netlabel dedicated to improvised, electroacoustic & experimental music, com um punhado de boas edições em carteira. É o caso do projecto menorqunino Snowman Lost His Head, com o título The Dharma Projeckt, que se assim se define: Experimentación minimalista y conceptual creada con el programa Ableton live 5 a partir de la manipulación de texturas y sonidos electrónicos. Música electromagnética que trata la decadencia de la consciencia humana en relación a la consciencia universal.

 
14.1.08
 

Paul Rutherford / Paul Lovens (Po Torch LP-76/77)

1. And when I say slowly, I mean as soon as possible (27.24)
2. Tape/2nd half: Du chat botté (09.08)
3. Tape: Armand schultess (04.54)
4. Tape: As deafness increases (12.04)

P. Rutherford - trombone, euphonium // P. Lovens - percussion, zither, etc.

 
 

BMC/NYC
ORCHESTRUTOPICA
27 de Janeiro, Domingo - CCB Pequeno Auditório - 17h00


No concerto BMC/NYC, a OrchestrUtopica leva-nos até à década de cinquenta na América, com um programa composto por obras de Earle Brown, John Cage, Morton Feldman, Christian Wolff. A OrchestrUtopica apresenta um concerto em torno da música influenciada pelo movimento artístico dos anos cinquenta, criado no famoso Black Mountain College, e nas suas ligações à escola de Nova Iorque - a propósito da obra do pintor Robert Rauschenberg, do compositor John Cage, e de outros artistas. O concerto BMC/NYC propõe a revisitação da criação musical aberta ao ready-made e à pop-art, em busca das suas disseminações na música e nas artes de hoje. Uma forma de compreender e reviver gestos e experiências de rompimento e de provocação.

JOHN CAGE
- Music for Piano 4-19
- Music for Marcel Duchamp (Prepared Piano)
- 4'33''
- Credo in US (11', 12')
MORTON FELDMAN
- Ixion
CHRISTIAN WOLFF
- For 5 or 10 Players
EARLE BROWN
- December 1952

"Robert Rauschenberg encontrou John Cage e Merce Cunningham no Black Mountain College em 1949. Algumas das suas primeiras pesquisas, as “white paintings” designadamente, são paralelas à radicalidade de propósitos de Cage, por exemplo na célebre peça silenciosa, “4’33’’.A influência de Cage e dos “happenings” no Black Mountain College é de fundamental importância no percurso de Rauschenberg, influência que, de resto, este transmitiu a Jasper Jonhs; a 15 de Maio de 1958, no Town Hall de Nova Iorque, ocorreu mesmo um concerto retrospectivo de 25 anos de obras de Cage, produzido por Rauschenberg, Johns e o cineasta Emílio de Antonio. Inclusive as suas famosas “Combines” são também elas aproximáveis do princípio da “music of chances” desenvolvido por Cage.Mas, se a também designada “New York School” teve em John Cage o seu pólo de referência, as relações entre as artes, e nomeadamente entre música e pintura, foram também recorrentes na obra de outro dos maiores compositores norte-americanos, Morton Feldman. Em torno da relação da relação Rauschenberg-Cage, este concerto evoca a paisagem artística extraordinariamente fértil que se constituíu no eixo Black Mountain College – New York City". - Augusto M. Seabra

OrchestrUtopica

 
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  •  Na edição de 2012 do Festival Música Viva, esta q...
  • Fabula (CS 220) dá título à peça única improvisaç...
  • Jazz em Agosto 2012
  • jonas kocher ~ solo Alors que son précédent di...
  • lefolk – weather to shore lefolk is audio/video a...
  • Cecil Taylor, Wadada Leo Smith, Peter Brötzmann,...
  • Sun Ra: Space Is the Place[UbuWeb] Avant-garde jaz...
  • Tem saída prevista para Março próximo, na norte-am...
  • RELENTLESS (Sébastien Branche & Artur Vidal) Met...
  • derrick hart – fall asleep to this [RB078] [http:/...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger