Image hosted by Photobucket.com
30.10.04
 

"Sun Ra - bandleader, keyboardist, composer and self-made myth - performs and philosophizes in this easygoing yet thorough documentary. Mr. Ra performs onstage with his Ingergalactic Omniverse Arkestra, a big band with singers and dancers, that performs in elaborate costumes, adding ritual and theatrical glitter to a far-reaching repertory. Offstage, Mr. Ra recites his pronouncements about vibrations, history and 'mythocracy'. Even in close-up, Mr. Ra remains an enigma - inspiring his band members and never less than entertaining to the outside world". -- Jim Pareles, THE NEW YORK TIMES

 
  La Camisa Negra...

Buenas gran Califa.
En este próximo programa
[La Camisa Negra, Programa de Rádio de Juan Antonio Barranco, feito a partir de Linares, Andaluzia] voy a poner un tema de un cuarteto de Burton Greene y el batería es Lou Grassi. Como el programa es de bateristas me he puesto a buscar con el google información sobre él y..... ¿ qué he encontrado ? cómo no, al gran Califa de Lisboa:

JD: Por favor, enumera los contactos que tuviste con la escena de jazz portuguesa.
LG: La historia de mi relación con la escena portuguesa es muy bonita. Hace unos tres años recibí un e-mail de un fan portugués, Eduardo Chagas, contándome que él y unos amigos eran seguidores míos y del sello CIMP en general. Siempre me ha gustado estar en contacto con la gente a la que le gusta la música, así que le respondí y nos hicimos amigos por e-mail. Me contó que él y sus amigos hacían una "jam session" una noche a la semana en la que se reunían y escuchaban discos. Cada uno llevaba sus nuevos descubrimientos e incluso tenían un libro en el que anotaban quién asistía y qué discos escuchaban cada semana. ¡Eso son fans de verdad! Al cabo de un tiempo, me escribió para decirme que él y tres amigos suyos venían una semana a Nueva York a escuchar música y que querían conocerme. Fue un placer pasar tiempo con ellos y llevarles a escuchar y conocer a muchos de los músicos que admiraban. Uno de ellos era Pedro Costa y por esa época comenzó a contratar a músicos en Portugal de forma regular.........
¿ Y qué haciáis escuchar música y fumar porros, no ?
Saludos.
 
 

Tomando como ponto de partida a importância que para a história do jazz tiveram os discos de John Coltrane, A Love Supreme, e Free Jazz, de Ornette Coleman, Íñigo Díaz traça uma sucinta mas interessante sinopse do terceiro vértice do triângulo, Out To Lunch, de Eric Dolphy. Outro artigo de Diáz a não perder é La autocombustión final de Coltrane. Em Puro jazz.
 
29.10.04
  Conta Roberto Barahona, Puro Jazz, que...
El sábado, 30 de octubre de 2004, oiremos parte de un concierto celebrado en 1984 por el trompetista Raphe Malik. Uno de los pocos trompetistas dedicados a free jazz enérgico, el free jazz del pianista Cecil Taylor y sus discípulos, es más, Malik fue uno de ellos durante los años 70 y 80 como miembro de la Cecil Taylor Unit.
Al dejar a Taylor se estableció en Boston, una ciudad cuyo ambiente jazzístico no se puede comparar con el de otras, como Nueva York o Chicago y se pensó que había dejado la música. Pero no fue así. De a poco fue ganando popularidad, primero con un cuarteto con el que realizó giras por Europa y luego con un formidable trío junto al baterista Sydney Smart, a quien Malik conocía desde niño y con quien había tocado en las bandas de Taylor y de Jimmy Lyons. Taylor venía con un carnet bastante cargado después de giras con importantes exponentes del free jazz Sam Rivers y otros.
La silla del contrabajista del trío se le asignó a William Parker, quien había sido su acompañante en el cuarteto desde 1974. A estas alturas Parker era ya un eximio músico y llevaba años con la Cecil Taylor Unit. Durante su historia el trío ofreció numerosos memorables conciertos y actuaciones en clubes en Boston y sus alrededores. Dos sobresalen: un concierto en 1984 en el festival de la Jazz Coalition en la Universidad de Tufts, en el que participaron entres otros, Joe Morris, Billy Bang y Lowell Davidson y una semana en el 1369 Jazz Club, con la participación del saxofonista Frank Wright como invitado.
Malik había conocido a Wright años antes en París donde tocaron juntos en varias ocasiones. Wright se inició como contrabajista pero al descubrir a Albert Ayler optó por el saxo tenor. Vivió en Paris durante los años 70 época en que fundó el Center of the World Quartet, una de las ensamble más activas de la escena del free jazz con expatriados como Bobby Few, Alan Silva y Mohammed Ali. Wright también trabajó con Taylor entre 1984 y el 86.
Malik describe la sesión en el 1369 Club como una de sus mejores sesiones. Dice que cuando no hay grabación los músicos tienden a ser más osados, libres y más arriesgados. Sin embargo, en esta ocasión el grupo estaba eufórico, los amigos de décadas se re encontraban y la celebración es evidente, lo que podremos verificar el sábado con una versión de 30 minutos de ese concierto en el 1369 Jazz Club.
El resto del programa lo dedicamos al baterista Denis Charles que se presenta en un festival en Holanda liderando un cuarteto de lujo: Nathan Breedlove, Wilbert DeJoode y Jameel Moondoc.
El domingo abriremos el programa con una muestra de legendarios músicos del jazz, desde Gillespie a Getz y Frank Morgan, pero sin abandonar a los más jóvenes como Marc Copland, Jocehn Rueckert, Franklin Kiermyer y otros.
Finalmente, una buena noticia para la escena jazzística de Santiago
[Chile],
el 3 de noviembre se inaugura el primer ciclo de café y jazz en varios Starbucks de la ciudad con conciertos gratuitos de jazz. Los detalles los pueden encontrar en la cartelera de www.purojazz.com
Saludos,
Roberto Barahona
www.purojazz.com
 
  Lembrete

Já aqui disse mas não é demais recordar que amanhã, 30 de Outubro, Manuel Mota vai apresentar o novo disco Quartets em concerto na Galeria Monumental, ao Campo Mártires da Pátria, 101, em Lisboa. Com Fala Mariam (trombone), Ernesto Rodrigues (viola) e César Burago (carillon).

Catarino, estás em forma? Conto lá ir e levar o Large Music I - Paul Smoker, Bob Magnuson, Ken Filiano e Lou Grassi (CIMP) para te oferecer. Música erecta.
 
 

Fac-simile da Menção Honrosa de Imprensa 2004 que a Tomajazz recebeu do Clube de Musica y Jazz, San Juan Evangelista, associação de amantes de jazz com sede em Madrid, das mais antigas de Espanha.
Felicitações são devidas a Pachi "tomajazz" Tapiz.
 
  Queres jazz?! Toma!

Pachi Tapiz, o amigo carola que em Pamplona, Espanha, dá à manivela da tomajazz e que tem vindo a fazer um trabalho notável em prol da divulgação das músicas improvisadas, fez uma referência simpática a esta casa. Agradeço a atenção, a simpatia e a cumplicidade. Grande abraço, Pachi.
 
28.10.04
 


Gravados em 1973 em sistema de quadrifonia stereo para serem editados pela ABC/Impulse!, Cymbals e Crystal Spears, dois álbums de Sun Ra, ficariam a aguardar melhor oportunidade, que só viria a ocorrer em 2000. Sucedeu que o contrato entre a Saturn, de Sun Ra, e a ABC/Impulse! expirou, e, consequentemente, a música ficou reduzida a conserva em lata, arquivada nas prateleiras da Saturn durante mais de ¼ de século. 27 anos depois da sua gravação, recuperou-se o material e os discos acabaram por ser editados conjuntamente pela Evidence, sob a designação The Great Lost Sun Ra Albums.
Cymbals e Crystal Spears contêm alguma da melhor literatura Ra para órgão, teclados e seus efeitos alucinogéneos; os característicos rítmos afro-místicos, o omni-presente John Gilmore, Akh Tal Ebah, Ronnie Boykins... . E toda a troupe de aventureiros e magníficos improvisadores de Sun Ra, impulsionadores da mais desvairada expressividade interplanetária. "The World of the Invisible", está visto.
 
  Ornette roubou a melodia ao jazz?

É hoje geralmente tido como uma referência histórica do que se convencionou designar por Free Jazz: o aparecimento do quarteto de Ornette Coleman (Don Cherry, Charly Haden e Billy Higgins) no Five Spot Café, de Nova Iorque, no outono de 1959, para uma residência de duas semanas.
Era o tempo de Tomorrow Is The Question! (Contemporary), a que se seguiu um contrato de gravação com a Atlantic Records, que daria origem a uma série de sete discos importantes, de que se destaca o seminal Free Jazz (A Collective Improvisation), para duplo quarteto, gravado em 1960.
1959 foi um ano charneira na evolução do género. Terminava o período de ouro de Billie Holiday, Lester Young, Sidney Bechet e outros grandes clássicos. Em Nova Iorque, o centro do universo do jazz, Mingus gravava Blues & Roots e Mingus Ah Um, duas obras-primas do jazz moderno; Coltrane gravava Giant Steps e Miles Davis, Kind of Blue, paradigma do modalismo no jazz. Só por estes desenvolvimentos, que são outros tantos marcos fundamentais, 1959 já seria um ano vintage.

Mas foi com Coleman que se naquele ano se deu a revolução na estrutura harmónica do jazz. 1959 foi, assim, um momento da máxima relevância, porque a partir daí o jazz nunca mais voltou a ser o mesmo. A revolução estava na rua, como já havia acontecido nas épocas de Louis Armstrong e de Charlie Parker.
É este o ponto de partida do ensaio de Robert Levin, ex-redactor do jornal Village Voice e da revista Rolling Stone.

 
  Gary Hassay & Ellen Christi, «Tribute to Paradise»

Depois de Blackwater Bridge (Gary Hassay e Anne LeBaron, 2002), álbum que desenhou novos trilhos de confluência entre o saxofone alto e a harpa, e ajudou a redefinir o quadro de relações entre instrumentos de sopro e de cordas, elevando-as a um novo patamar discursivo cujos ecos perduram na memória do ouvinte, eis que a Drimala Records resolveu investir novamente no talento de Gary Hassay, saxofonista criador do excepcional Another Shining Path, do trio Ye Ren, com William Parker e Toshi Makihara – um dos melhores discos de 1999, a todos os títulos recomendável.
A grande notícia é, pois, que Gary Hassay está de regresso aos discos. E agora na companhia da cantora Ellen Christi, senhora de uma elegância vocal irrepreensível, que assim se apresenta nesta proposta de dueto resultante na combinação sonora das vozes de dois artistas absolutamente fora do comum, que se inscreve na série de obras com que a editora de Hampton, Virginia, tem vindo paulatinamente a aprofundar a essência do formato.
Neste sentido, em Tribute to Paradise, a articulação vocal de Ellen Christi, fantástica cantora da free form, assenta como uma luva na sonoridade madeira do saxofone alto do pintor abstracto Gary Hassay. Dois casos extremos de sub-exposição, num mundo em que a música improvisada deste calibre se vê condenada a uma inexorável e progressiva guetização, em favor de produtos e subprodutos de menor valia estética e musical que enxameiam o mercado. Mas isso é outra conversa.
De volta a Tribute to Paradise, ouvido repetidas vezes, é com redobrado prazer que se experimenta cada nova audição, mercê da empatia, intimidade, harmonia e vontade de comunicar dos dois criadores. Christi canta com swing e sem palavras, numa sucessão de onomatopeias (scat) de brilhante definição e limpidez. Hassay constrói cada intervenção com uma impressionante intensidade, servido de tonalidades e texturas pouco usuais, desafiando o ouvinte a cada curva. Sobre Christi escreveu o New York Times: “Canta num estilo forte e cristalino, improvisando com o fraseado de Albert Ayler e a intensidade de John Coltrane”. E isso fica igualmente patente nos três temas em que o som de Christi se funde com a voz de Gary Hassay num canto a capella de muito bom gosto.
Vale a pena o ouvinte fazer o esforço simples de tentar penetrar no âmago do som puro, vogar nos cambiantes da coloratura vocal de Christi, enlear-se no voltear constante do sax alto, que namora a voz de Christi e se espraia em múltiplas e sinuosas linhas melódicas. Parte do encanto desta gravação está no progressivo deslindar dos mistérios da criação musical espontânea; na arte de decifrar estruturas complexas que afinal se traduzem em linhas melódicas de fácil apreensão. Conquista cujo prazer felizmente está ao alcance de qualquer de nós, desde que se disponha a ouvir com profundidade. A paz de espírito que sobrevem é a melhor recompensa que se pode esperar desta promessa de “novo paraíso”.


 
27.10.04
  Novo disco de Manuel Mota, em concerto

Está pronto para lançamento o novo disco de Manuel Mota, o excelente guitarrista português, para padrões nacionais e internacionais, deste e do outro lado do Atlântico.
O disco chama-se Quartets e a apresentação ocorrerá em concerto já no próximo sábado, 30 de Outubro, pelas 22h00, na Galeria Monumental (Campo Mártires da Pátria, 101, em Lisboa).
Quartets é o primeiro disco em quarteto do guitarrista e a sétima referência do catálogo da headlights.
Conta com as participações de Fala Mariam (trombone alto w/ fh mute), Margarida Garcia (contrabaixo) e César Burago (carillon). No concerto de sábado à noite Margarida Garcia será substituída por Ernesto Rodrigues (viola).
Sobre Manuel Mota, Derek Bailey, o papa da guitarra vanguardista, disse tratar-se de um artista que aborda a guitarra de um modo “radical”, embora, em entrevista a Rui Eduardo Paes, o guitarrista reclame a qualidade de músico de jazz.

 
26.10.04
  Morreu
John Peel.
 
  Kenny Wheeler, 75 anos em 2005

Kenny Wheeler nasceu em Toronto, no Canadá, a 14 de Janeiro de 1930. No início dos anos 50 estudou música no Royal Conservatory daquela cidade. Em 1952 mudou-se para Londres. Chegado à capital britânica, Wheeler começou por tocar em orquestras de dança, seguindo-se uma maior aproximação ao jazz, através da orquestra de John Dankworth e com ela, uma apresentação no Festival de Newport de 1959.
Em meados da década de 60, Wheeler mergulhou na cena free jazz/improv de Londres, participando no Spontaneous Music Ensemble (SME) de John Stevens (1966-70), nos grupos do baterista Tony Oxley, com Derek Bailey e Evan Parker (1969-72), e com a Globe Unity Orchestra, do pianista alemão Alexander von Schlippenbach, na partir de inícios de 70. Na mesma altura dava-se o encontro com Anthony Braxton, figura que veio a ser uma das mais marcantes influências na arte de Wheeler. A partir de meados da década de 70 iniciou a gravação de uma série de discos importantes para a editora alemã ECM, que ajudaram a vincar a sua marca na música improvisada contemporânea.

No dia 14 de Janeiro de 2005 Kenny Wheeler completará 75 anos. Assinalando a data, a Kenny Wheeler Big Band, uma orquestra de 18 elementos que incorpora as várias tendências do jazz e improvisação da actualidade, e inclui nomes como Dave Holland, Evan Parker e Lee Konitz (os três na mesma formação!!!), dará uma série de concertos no Reino Unido, a começar por Londres, Queen Elisabeth Hall, no próprio dia do aniversário. Seguem-se Manchester, a 15, Brum, 16, Southampton, 18, Basingstoke, 19 e Bristol, a 20 de Janeiro. Sem prejuízo de uma saltada às Ilhas em Janeiro do próximo ano, pode ser que se siga uma tourné europeia...
Passaram 5 décadas de intensa actividade criativa daquele que é considerado um dos mais influentes trompetistas e compositores do Séc. XX. Evan Parker, numa conferência em Lisboa, em 2002, perguntado sobre quem era para ele o músico mais importante do passado e da actualidade, respondeu sem hesitar: Kenny Wheeler. E Lee Konitz disse há pouco tempo que George Gershwin está para a música americana assim como Wheeler está para a música britânica. Eles sabem do que falam.


 
25.10.04
 

Bobby, deixa-me arrumar os papéis que já vamos à rua.
 
  The Blue Dog

Uma bluesada é uma bluesada. E a que os brodas Jemeel Moondoc e a sua Jus Grew Orchestra tocam neste Live at the Vision Festival 2001 (ed. Ayler Records) é superlativa, absoluta e orgânica - a prayer at the Cosmic Tabernacle. O tema, um original de Moondoc, chama-se The Blue Dog - Blues for Earl Cross. E é realmente um motherfucker dum blues daqueles que arranca tripas e coração. Roy Campbell Jr. saca um solo de trompete tão impressionante como o primeiro que lhe ouvi.
The Blue Dog returns home just before the new day.
 
  O Caixote

Os simpáticos amigos que incansavelmente mourejam na ananana, na sua não menos simpática e mui "regular mas não exaustiva" folha informativa, deixaram-me na maior perplexidade, ante o que na dita acabei de ler.
Dizem os afanosos moços:
"Quem diria que iriamos chegar a um ponto em que uma caixa de 10 discos que custa 120 euros pudesse ser o título mais vendido da semana? pois é, a caixa caiu como uma bomba, e antecipando o natal, muitos sucumbiram à caixa negra".
Até para mim, que estou fora do disco-business, esta é das melhores que já li e das que menos suspeitava que um dia pudessem vir a acontecer. Ele há cada caixa...
Imagino os consumidores do ayleriano contentor divididos em dois grupos: os que se babam de gozo com a música, e os que babam de raiva por terem ido na conversa dos primeiros ou no engodo da atraente embalagem, os quais por certo darão por muito mal empregues o investimento de € 120 em cacofonia insuportável e desconcertante.
Aproxima-se o Natal, momento importante para ambos: uns terão mais tempo para se deleitar e melhor encaixar a caixa; outros terão a quem a oferecer, assim despachando o mono, que também é stereo.

 
  Boas Perspectivas para 2004 no combate à estupidez global

Terminou ontem, 24 de Outubro, o Perspectives 2004 - Festival for Creative Music, em Västerås, Suécia, acontecimento que tem no saxofonista sueco Mats Gustafsson o seu principal dinamizador.
Sob o bem achado lema Fight de Global Stupidity, Mats e Lennart Nilsson prepararam um antídoto de quatro dias de música improvisada (“four days liberated from the superficial safeness of recognition”, Gustafsson dixit), da melhor e mais excitante produção euro-americana. Pudera, com pessoal deste calibre outra coisa não seria de esperar:
Mats Gustafsson, Jaap Blonk, Thomas Lehn, Per Henrik Wallin, Han Bennink, Free Music Ensemble, Fred Frith, Ikue Mori, Raymond Strid, Fred Van Hove, Bobo Stenson, Sven-Ake Johansson, Marilyn Crispell, Palle Danielsson, Paal Nielssen-Love, Anthony Braxton, Peter Brötzmann, Milford Graves e o trio GUSH, numa proposta ousada, com Derek Bailey como convidado especial. O encontro entre os suecos e o britânico acabou frustrado por motivo de doença do guitarrista, entretanto substituído pelo homem do violino, Philipp Wachsman.
Deve ter sido de cair de cu...
Durante o festival foi estreado o documentário My Name Is Albert Ayler, 75 minutos dedicados à vida e obra do artista. Ayler viveu vários períodos na Suécia, o país que, segundo o próprio, melhor compreendeu e aceitou a sua música.
 
  Alice volta a morar aqui

É um importante acontecimento editorial deste Outono. A Verve Music Group, proprietária da histórica marca IMPULSE!, publicou o mês passado aquele que é o primeiro disco de Alice Coltrane em 25 anos (!).
Nem mais: a 1ª dama do jazz e sacerdotisa do templo de Coltrane regressa com Translinear Light. A prova de que Alice continua a investigar as relações do jazz com a música oriental, em particular com a música indiana. Actividade a que se dedica desde a morte do marido, cujas composições (Leo e Crescent) recebem novo tratamento. À excepção dos espirituais da tradição americana Walk With Me e This Train, os demais títulos são de Lady Alice, incluindo Blue Nile and Sita Ram, revisitações dos originais incluídos em Ptah the El Dahoud e Universal Consciousness, respectivamente.
Eu, que gosto muito da música da senhora, estou a fazer conta de não perder este disco. Motivos de interesse? Não faltam, desde as composições originais às releituras de Trane, passando pelo line-up de grande categoria de quem muito se pode esperar, a culminar numa curiosidade especial para quem gosta: o som do Wurlizer de Alice Coltrane. Só falta a harpa. Fica para a próxima.

1. Sita Ram

2. Walk With Me
3. Translinear Light
4. Jagadishwar
5. This Train
6. The Hymn
7. Blue Nile
8. Crescent
9. Leo
10. Triloka
11. Satya Sai Isha

Alice Coltrane, órgão Wurlitzer, piano, sintetizador
Ravi Coltrane – saxes tenor e soprano saxophone
Oran Coltrane – sax alto
Charlie Haden – contrabaixo
James Genus – contrabaixo
Jack DeJohnette – bateria
Jeff “Tain” Watts – bateria
The Sai Anantam Ashram Singers – vozes
 
22.10.04
  2 days in april

fred anderson, kidd jordan, william parker, hamid drake
(eremite)

 
  Chris Kelsey Quartet, «Renewal»

Sou incondicional de poucas coisas. Nelas incluo a música de Chris Kelsey, saxofonista soprano que além de exímio instrumentista, é também crítico e pedagogo.
O mais recente disco do Chris Kelsey Quartet, Renewal, um CIMP com Steve Swell, François Grillot e Jay Rosen, surge 6 anos depois de The Ingenious Gentleman of the Lower East Side (Ed Ware, bateria e Dominic Duval, contrabaixo), que constituiu a sua estreia discográfica enquanto líder. Antes disso tinha gravado Observations, em duo com Steve Swell, para não falar nos discos que entretanto publicou em editora própria, a Saxofonis Music, da qual nunca mais tive notícia.
Como sempre fez, Kelsey compõe e executa música original e borbulhante. E com Swell até a orelha arrebita. Depois de George Lewis, nunca ouvi trombonista com tal killer instinct. O francês Grillot entende-se bem com Jay Rosen e os quatro comunicam entre si no mesmo desvairado idioma.
Como agora diz o povão, “vai lá, vai...”.
Fui, e o disco chegou esta manhã à minha caixa do correio. Que tenha sempre notícias destas!


 
  "A música é o que é"
... diz Myra Melford, pianista e compositora, em entrevista ao jornal da Universidade de Berkeley, California, em que fala da sua música e das técnicas de composição.
I think ‘avant garde’ might be a little misleading, because we often think of it as atonal, and there’s a lot of harmony, melody, and rhythmic grooves in my music”.

 
  Freestyle Events, NYC
AVANT JAZZ & OTHER MUSICS
CBGB’S LOUNGE • 313 BOWERY • 212-677-0455
SUNDAY OCTOBER 24
7pm - john sinclair & friends
8pm - eastern seaboard: brent bagwell, jordan schranz, seth nanaa
9pm - burton greene, roy campbell, adam lane, lou grassi
10pm - jack wright, nate wooley, mike pride, reuben radding
SUNDAY OCTOBER 31 - no show
SUNDAY NOVEMBER 7
THIRD YEAR ANNIVERSARY CELEBRATION & CONCERT
4PM - 7PM special performance & live recording featuring: Billy Bang, Charles Gayle, Sirone, Tyshawn Sorey (this is a separate admission)
and then from 7PM till whenever...
in order of appearance:
Freedomland: Dee Pop, Daniel Carter, Dave Sewelson, David Hofstra, William Parker
Joe Morris quartet: Joe Morris, Jim Hobbs, Timo Shanko, Luther Gray
OTHER DIMENSIONS IN MUSIC: Roy Campbell, Daniel Carter, William Parker, Rashid Bakr
& surprise guests
for more info 917-656-1587
 
  Paul Murphy Trio, «Ennarre» (CJR)

Chegou-me ontem às mãos um disco do Paul Murphy Trio que é de virar o boneco. À noite, enquanto o Benfica me pregava um susto na TV, cortei o som à pantalha e afastei a tensão com Ennarre em fundo.
Numa área musical em que é possível encontrar alguns dos mais criativos bateristas de todo o jazz - falo do free jazz -, Murphy, figura física aparentada com Popeye, é primus inter pares e, mais que isso, um músico free extraordinário.
Antigo acompanhante de Jimmy Lyons e de Karen Borca (a ouvir, Jimmy Lyons, The Box Set, edição Ayler Records), e mais tarde de Glenn Spearman e William Parker, com quem formou o Trio Hurricane (a ouvir, Suite of Winds, Black Saint), neste Ennarre (Cadence Jazz Records, 2002) Murphy junta forças e energias a Kash Killion, violoncelista obscuro (afinal, não viverão todos este músicos na mais injusta e desaproveitada obscuridade?!), que tem no currículo colaborações com Sun Ra e Pharoah Sanders, e ao pianista tayloriano Joel Futterman (a ouvir, o trio Southern Extreme, com Kidd Jordan e Alvin Fielder, Drimala Records), para uma mais uma aventura free substancial.
Não se espere de Ennarre algo de esteticamente inovador. A questão é velha: é claro que estes caminhos já foram percorridos vezes sem conta nos últimos 40 anos; que as prateleiras das editoras estão cheias de discos deste tipo; que nada de especialmente novo tem sido criado, e que o género tem sobrevivido da sua própria e permanente recriação. Porém, é justamente essa capacidade de reciclagem, actualização e reinvenção estética que marca esta obra e faz com que esteja longe de ser apenas mais uma sessão de free jazz. Porque Ennarre é realmente um disco prodigioso: na perfeita consonância do trio; na força e energia que a música destila; no brilhantismo e criatividade da execução técnica; na capacidade de emocionar o ouvinte ao longo das cinco composições instantâneas que compõem o alinhamento do disco, com especial destaque para Sferics - 31 minutos de êxtase criativo.
A quem nunca ouviu estes monstros da livre-improvisação contemporânea, juntos ou separadamente, sugere-se o desafio de partir à descoberta de um mundo de grandes realizações em que as possibilidades criativas são ilimitadas.


1. D1T1 (Paul Murphy) - 4:43

2. Desert Fire (Paul Murphy) - 9:40
3. Intersections (Paul Murphy) - 15:05
4. Sferics (Paul Murphy) - 30:56
5. Zygoun (Paul Murphy) - 11:10

Paul Murphy (bateria); Joel Futterman (piano); Kash Killion (violoncelo)


 
21.10.04
  Miles Davis, Seven Steps

Miles Davis Seven Steps: The Complete Columbia Recordings Of Miles Davis, 1963-1964
Columbia Legacy 2004

Em maré de caixas, cá está mais uma deveras prometedora. São 7-discos-7 em linha, que ilustram algum do melhor som que Miles nos legou. Em particular, material de meados da década de 60 jamais editado, correspondente ao chamado Segundo Quinteto (Miles Davis, Wayne Shorter, Herbie Hancock, Ron Carter e Tony Williams, com os "suplentes" George Coleman, Victor Feldman, Frank Butler e Sam Rivers), em gravações realizadas entre Abril de 1963 e Setembro de 1965.

Alinhamento:

Disc 1: Joshua; I Fall in Love Too Easily; Baby, Won't You Please Come Home; So Near, So Far; Basin Street Blues; Seven Steps to Heaven (take 3); Seven Steps to Heaven (take 5); Summer Nights.

Disc 2: Seven Steps to Heaven (rehearsal take); Seven Steps to Heaven; So Near, So Far; Joshua; Autumn Leaves; Milestones; I Thought About You.

Disc 3: Joshua; All of You; Walkin'; Bye Bye Blackbird; Bye Bye (Theme).

Disc 4: Autumn Leaves; So What; Stella by Starlight; Walkin'; All of You; Go-Go (Theme).

Disc 5: All Blues; My Funny Valentine; Joshua; I Thought About You; Four; Seven Steps to Heaven; There Is No Greater Love; Go-Go (Theme).

Disc 6: If I Were a Bell; My Funny Valentine; So What; Walkin'; All of You; Go-Go (Theme).

Disc 7: Milestones; Autumn Leaves; So What; Stella by Starlight; Walkin'; Go-Go (Theme).


 
  Novidades editoriais da FMR

Frode Gjerstad/Kevin Norton - No Definitive
Um mais que interessante encontro entre Frode, o norueguês membro do trio Detail, de boa memória, com Johnny Dyani e John Stevens, que alinha com o chamejante Brötzmann, com William Parker, Hamid Drake, Bobby Bradford, Derek Bailey e quem o desafie para uma boa partida de música improvisada; e o baterista e percussionista norte-americano, da escola de Anthony Braxton, que também toca com uma série de nomes importantes da cena euro-americana.

George Graewe Trio, com Kent Kessler e Hamid Drake - For Trio: 16 fantastucke
Pianista excepcional, Graewe (John Butcher, Barre Phillips, Michael Vatcher, Gerry Hemingway, etc.) junta-se aos senhores bass & drums de Chicago. Já se está mesmo a ver o resultado de uma reunião destas.

Ultralyd (Frode Gjerstad, Kjetil Brandsal, Anders Hana e Morten J. Holsen - Ultralyd

Mestre Frode Gjerstad montou um trio local há um par de anos, formação ocasionalmente promovida a quarteto. Foi com esta geometria que gravou Ultralyd. Aposto nesta "música dos fiordes". FMR



 
20.10.04
  Ainda e sempre Ayler, Albert

"At first, I couldn't understand it." - dizia o meu homónimo Edward, de apelido Ayler, sobre a música do filho Albert - "But later on, I really took to it, saw where he was coming from and that he was really exceptional, that the music was out of this world. I understood it then. I have never heard any music like that."

A educação é a melhor herança que um pai pode deixar a um filho. E a música, neste caso, foi o melhor legado que Albert Ayler deixou a seu pai.

 
  Earshot 2004

Em Seattle, EUA, começou há três dias a 16.ª edição do Earshot Jazz Festival.
Com um cartaz bastante eclético quanto aos estilos e à proveniência geográfica dos artistas, o Earshot vai até 17 de Novembro. Uma alegria.
Paul de Barros, crítico e produtor,
anteviu o festival, que conta com uma lista impressionante de nomes. Estas são apenas algumas das presenças na edição de 2004:

Steve Swell Quartet “Fire into Music”
com with Hamid Drake, William Parker e Jameel Moondoc
Naked City
Wayne Horvitz
T.S. Monk
Peter Brötzmann Trio
Brad Mehldau
Julian Priester Quartet
ICP Orchestra
Tony Malaby Quartet
Don Byron
Abdullah Ibrahim Trio

 
  Deve ser remédio santo

Brötzmann tem novo disco, Medicine (Atavistic 149) lançado no dia 12 de Outubro passado.
Gravação de estúdio realizada na Suécia em 2003.
Peter Brötzmann (saxofones alto e tenor, tarogato, clarinete), Peter Friis Nielsen (baixo eléctrico), Peeter Uuskyla (bateria).

 
19.10.04
  John Butcher, Weight of Wax

Depois da Acta, que John Butcher dirigiu entre 1987 e 2000, o extraordinário saxofonista britânico fundou uma nova editora, a Weight of Wax. O primeiro disco (wow 01) chama-se Cavern with Nightlife. Butcher em duas sessões, uma a solo na Oya Stone Mountain, em Utsunomiya City, uma gruta escavada na rocha algures no Japão, local que parece ter especiais condições acústicas para nela Butcher ter querido realizar experências sonoras.
E uma segunda parte em duo com Toshimaru Nakamura, a primeira apresentação dos dois improvisadores em conjunto. Gravação efectuada no Super Deluxe Roppongi, em Tóquio.
 
  «Free Jazz and Free Improvisation: An Encyclopedia»

Há uma nova enciclopédia sobre Free Jazz e Improv no mercado: «Free Jazz and Free Improvisation: An Encyclopedia», de Todd S. Jenkins.
T. Jenkins deve saber do que escreve, pois é desde longa data colaborador da Down Beat, Route 66 e Signal to Noise, além de membro do American Jazz Symposium, uma associação sem fins lucrativos que mete a mão na massa.
Edição da Greenwood, à venda na amazon por £100, ou seja, €147,212 (trocado por miúdos, para aí uns 30 contos dos antigos).
 
18.10.04
  O secador acústico

Tarde de vento e chuva. Anda tudo pelos ares. O objecto que tem (tinha!) por função abrigar-me da chuva virou-se do avesso com um golpe de vento e deixou-me à inclemência dos cântaros de água que desabavam sobre o lisboeta Campo Grande. Não foi por falta de aviso da Protecção Civil, que em vez de avisar bem poderia proteger o cidadão fornecendo-lhe o abrigo que o caso exigia. Enfim, mais uma molha condenada a secar no pêlo.
Estar que nem um pinto, porém, não é de molde a impossibilitar-me de fruir Underground, do Free Music Ensemble (FME) - Ken Vandermark, Nate McBride e Paal Nielssen-Love - gravação de estúdio editada este ano pela
okka disk. Com o calor que eles emitem já estou praticamente sequinho...
Música mágica.

 
17.10.04
  Emanem e Psi

Eis que chegam boas novas do lado da Emanem e Psi:

Emanem 4108 - MASASHI HARADA CONDANCTION ENSEMBLE ‘Enterprising Mass of Cilia’ (2001)

Following the critical success of Enter the Continent EMANEM 4041, Harada dance-conducts a somewhat larger group of (mainly) Boston-based musicians: GREG KELLEY (trumpet), BHOB RAINEY (soprano saxophone), ALETA COLE (violin), FREDERIC VIGER (viola), GLYNIS LOMON (cello), VIC RAWLINGS (cello & electronics), MIKE BULLOCK (double bass), JONATHAN VINCENT (accordion), JAMES COLEMAN (theremin) & TATSUYA NAKATANI (percussion). 66 minutes.

Emanem 4109 - FRED LONBERG-HOLM ‘Dialogs’ (2002)
For his second solo CD, the Chicago-based musician adds small speakers, test amps, piezos and motors to his cello to make some remarkable improvised music. As Michael Zerang says in his notes: ‘This is a solo recording, yet I hear an entire ensemble.’ 55 minutes.

Emanem 4213 - MILO FINE ‘Ikebana (London Encounters)’ (2003)
2-CD setHighlights from improvisation sessions featuring multi-instrumentalist FINE (clarinets/drums/piano) during his extended visit to London. CD-A contains an octet with ANGHARAD DAVIES & PHILIPP WACHSMANN (violins), SIMON H FELL, MARCIO MATTOS & TONY WREN (basses), MATT HUTCHINSON (synthesizer) & MARJ McDAID (voice); duos with ALEX WARD (clarinet); and a trio with PAUL SHEARSMITH (trumpet) & GAIL BRAND (trombone). CD-B contains the final concert of the visit with PHILIPP WACHSMANN (violin), CHARLOTTE HUG (viola), MARCIO MATTOS (cello), TONY WREN (bass) & HUGH DAVIES (invented instruments). 157 minutes.

E, a partir de 25 de Outubro:

Psi 04.08 – JOEL RYAN ‘Or Air’

The wizard of STEIM studios in Amsterdam applies his digital mastery to create amazing variations on the music of Evan Parker. 65 minutes.

Psi 04.09 – FURT ‘Dead or Alive’
Richard Barrett and Paul Obermayer have been described as the Albert Ammons and Meade Lux Lewis of sampling keyboards. These recent studio and concert recordings find them making a giant stride in live electronic music. 70 minutes.Psi

04.10 – STEN SANDELL and DAVID STACKENÄS with PARKER/GUY/LYTTON ‘Gubbröra’
Recorded in concert at Freedom of the City 2004, this presents pianist Sten Sandell and guitarist David Stackenäs - two of the key players in the Swedish free scene – solo, in duo and in quintet with the Old Team. 71 minutes.

Outros títulos:

Chronoscope CPE2002-2 - EVAN PARKER – ‘Saxophone Solos’
Soprano saxophone solos recorded in 1975 in London and Berlin.
Reissue of Incus LP 19 plus. 79 minutes


Chronoscope CPE2004-2 - EVAN PARKER – ‘Monoceros’
Soprano saxophone solos recorded in 1978 in Monmouth.
Reissue of Incus LP 27. 40 minutes





 
  Na calha da Drimala...

Depois de «Tribute to Paradise», de Gary Hassay & Ellen Christi, Philip Egert, director da Drimala Records, diz:
"Next coming your way is ... Joe McPhee & Dominic Duval.
After that, Joe Giardullo & Carlos Zingaro recorded in Lisbon".

 
  La Camisa Negra

Nas palavras do criador Juan Antonio Barranco, o Grão-Visir da cena jazz de Linares, Andaluzia, Espanha - 'La Camisa Negra':

«
'La Camisa Negra' es un programa de radio que se emite exclusivamente por internet y con una periodicidad quincenal. La idea, producción y locución corren a cargo de un simple aficionado al jazz, residente en Linares, Andalucía, España, cuyo nombre es Juan Antonio Barranco.
Las aspiraciones de LCN son convertirse en una audición mas de las muchas que nos hacemos periódicamente los aficionados en la casa, con la única ventaja de no tener que levantarse del sillón para cambiar el Cd y con el valor añadido del factor sorpresa - ¿ Qué nos pondrá hoy Juan A. ? - Pues Jazz en el más amplio sentido del término, aunque con especial atención a sus corrientes mas free, y editadas por sellos pequeños e independientes.
Los créditos de los temas se podrán consultar en
tomajazz.
El enlace al programa se encuentra o en esa misma página o en la página de
Alberto Varela
Saludos».

Grande abraço, Juanzzan!

 
  Signal to Noise

O tema central do n.º 35 da STN é “The Artist's Role in Waging Peace". A revista trancreve um painel de discussão sobre aquele tema, que teve lugar em Maio passado, no âmbito do Vision Festival, em Nova Iorque. Nele participaram William Parker e Patricia Nicholson Parker, Dave Burrell, David Budbill, Kidd Jordan e uns quantos artistas mais. Em discussão esteve a influência da música nas mudanças sociais, o que é que os artistas podem fazer para alterar o staus quo. Muito recomendável é a leitura dos ensaios de Eugene Chadbourne, Jack Wright e Roy Campbell, sobre o tema.
Outros motivos de interesse são o extenso artigo de Howard Mandel sobre os Fugs; de Ed Hazell sobre o regresso à vida do Revolutionary Ensemble, 30 anos depois de The Psyche; uma interessante peça jornalistica do também percussionista norte-americano Gino Robair sobre Ellen Fullman e as suas criações no Long String Instrument; Bill Meyer sobre o saxofonista britânico John Butcher; Chris Dahlen sobre o Reverendo Eugene McDaniels, o homem do jazz radical, funk e soul dos anos 60 e 70. E as habituais colunas de críticas de concertos e de discos.

 
  Holy Shit!

 
  Holy Ghost, Albert Ayler

Ontem ao fim da tarde passei na ananana e fui direitinho ao Holy Ghost, Albert Ayler. A “caixa negra do avião” (e que Avião!), como já é conhecida aqui em casa. Pudera, o paralelepípedo, de consideráveis dimensões, é puro azeviche...
Ouvi os dois primeiros discos. Enorme satisfação. Entro nas ondas de Ayler que é um disparate. Hoje, no footing matinal à beira-mar, munido do oportuno walkman, deu para aprofundar as primeiras impressões do dia anterior. Ayler pela manhã é como uma brisa marítima. Dá saúde e faz crescer.
A edição é um mimo. Os discos (9+1), o livro, as réplicas dos folhetos da época, a flor seca... (Flowers for Albert).
A qualidade sonora, como era de esperar em “raridades e inéditos”, está a léguas dos padrões actuais. Quero lá saber! Quem procurar som do tipo ECM, ou com uns bons furos abaixo, bem pode tirar daqui o sentido. De contrário, sentirá um baque ao ouvir os tremeliques, as falhas de canal, os altos e baixos de um gravação para outra, enfim, o que para uns são defeitos perturbadores e incapacitantes, e para outros simples marcas do tempo, que se integram harmoniosamente na paisagem sonora. Porque o tempo passa e deixa marcas. E o som não nasceu digital.

A música – o que realmente conta – é excepcional.

"Revenant's design team has outdone itself with Holy Ghost; the imagination, effort, and sheer fetishistic music-collector insanity that went into this thing are staggering. ...This set is not for the casual listener. But if you're ready for total immersion, Holy Ghost is essential--don't even wait for Christmas", leio e concordo com a Signal To Noise, edição Fall 2004.

"Um dos aspectos que ressalta na música de Albert Ayler é a visível bondade e pureza do homem. De uma certa forma há toda uma credibilidade que não é conferida a Ayler devido a alguma da música que produziu na segunda metade da década de sessenta. Mary Parks, sua esposa na altura, terá sugerido que já que o seu marido queria canalizar energia, ideias, imagens e sentir para outros, comunicar uma mensagem de liberdade, quantos mais o ouvissem melhor seria, mas que para isso concessões teriam que ser feitas. O álbum de canções e da tentativa de ligação às modas e ao público de Ayler, «New Grass» (do qual aqui se encontram «outtakes»), permanece um caso único, do qual se rapidamente redimiu no ano seguinte com «Music Is The Healing Force Of The Universe», 1969. A morte de Ayler no ano seguinte por afogamento no nova-iorquino Rio Hudson permanece envolta em mistério, surgindo numa altura em que encontrava um ressurgimento de energia e criatividade, parecendo em paz com as coisas após anos de turbulência.Para trás, ficou praticamente uma década de alguma da música mais livre, idiossincrática, bela e maior passível de ser conhecida. Das gravações dos primeiros anos dos sessentas ainda estacionado com o exército norte-americano na Escandinávia, tocando com músicos que, lata forma, estavam a milhas daquilo que Ayler tinha para expressar. Da sua ida para Nova Iorque onde finalmente encontrou outros criadores com quem comunicar no mesmo plano, gravando clássicos do free como «Spiritual Unity», «Live At Greenwich Village» ou «Spirits Rejoice». Da compreensão intercontinental que veio a encontrar na Europa, com numerosas actuações (e vários registos) ao vivo na parte central do continente. Até Don Cherry, Gary Peacock, Sonny Murray, Beaver Harris, Cal Cobbs, Henry Grimes, Milford Graves, Michel Samson, Roswell Rudd, Donald Ayler, Alan Silva e tantos outros que puderam ser ouvidos a tocar com Ayler, por tudo o que dele aprenderam e lhe ensinaram". - ananana
 
  Ray Anderson na VPRO Jazz op Vier


A VPRO - Jazz op Vier, rádio holandesa que emite na net, disponibiliza, entre outros, um concerto da Ray Anderson's Pocket Brass Band, gravado em 2 de Julho de 2004 no NEMO Science Centre de Amsterdão.

Playlist:

1. Bimwa Swing (Anderson)
2. The Mooche (Duke Ellington)
3. Peace in Our Time (Anderson)
4. Raven-a-ning (Anderson)
5. Where Home Is (Anderson)

Ray Anderson - trombone
Lew Soloff - trompete
Dave Bargeron - tuba
Dion Parson - bateria

 
16.10.04
  Free Portugal, Jazz!

No dia 17 de Fevereiro de 2002, ocorreu-me a ideia de criar um grupo de discussão sobre “free jazz e outras músicas improvisadas similares, parentes e afins”, chamado Free Portugal, Jazz!. Em sintonia com Cecil Taylor, quando um dia disse: "Part of what this music is about is not to be delineated exactly. It's about magic and capturating spirits".

A mensagem de abertura dizia assim:

Bem-Vindos! Free Portugal, Jazz!
O nome encontra fundamento, entre outros, na essência libertária do jazz.
Não se tem em mente exclusivamente aquele tipo de música que há mais de 40 anos se catalogou como free jazz, mas todas as músicas improvisadas que assentam em raízes que com ele têm pelo menos alguma afinidade, que dele evoluíram para novas formas de improvisação acústica, eléctrica, electrónica, electroacústica…
Tanta água correu por baixo das pontes desde que se cunhou o termo free jazz, tanta música foi tocada e gravada de lá para cá, que assunto não falta para discutir: antigas e novas estéticas, tendências, avanços e retrocessos, o estado da arte e o futuro. Há discos para noticiar, criticar, recomendar e trocar; concertos para divulgar, informação sobre locais de encontro de pessoas à volta desta fogueira musical - todo um mundo de informação a disponibilizar entre os mais e os menos informados, sem carácter comercial, pelo puro prazer de conversar livremente sobre o assunto, o que alguns de nós já fazem em círculos mais ou menos restritos, que através deste meio se podem vir a alargar.
A única ambição desta iniciativa individual (sou o único responsável, a abrir, mas que espero e desejo partilhar com outros), é comunicar e partilhar gostos e interesses musicais afins.

Por isso me ocorreu darum pontapé de saída.
Pode ser que o pessoal se interesse e se possa progredir a partir deste ponto. Se assim não acontecer (o que não acredito), desde já declaro que me diverti um bom bocado esta manhã, enquanto ouvi «Big Top», do Whit Dickey Quartet.

------------------
Ontem resolvi pôr fim à minha participação no Free Portugal, Jazz!
A aposta contida no último parágrafo da nota acima transcrita, em quase três anos de actividade, raramente se cumpriu. Embora ocasionalmente me tivesse divertido à brava. Para mim teria feito mais sentido se tivesse havido ampla participação e improvisação colectiva. Agradeço a quem ajudou à festa e se dispôs a impulsionar a discussão.

 
15.10.04
  Para a sossega (?!)

Thomas Borgmann Trio & Peter Brötzmann

Thomas Borgmann, saxes tenor, soprano e sopranino;
Peter Brötzmann, sax tenor, clarinete, tarogato;
Wilber Morris, contrabaixo;
Denis Charles, bateria.

Stalker songs part 1 (34.54)
Stalker songs part 2 (30.10)

Gravado em 23 Setembro de 1997, The Spirit Room, Rossie, NY.
Música de paixões tórridas. Stalker Songs. Como alguém disse, quem não conhecer o saxofonista alemão Thomas Borgmann, ou não tenha sequer ouvido pronunciar o seu nome, jamais se esquecerá dele depois de ouvir este monumento do free jazz moderno.
Mas Borgmann não está só; ao desafio, com ele, sem nunca estar contra ele, como acontecia no tempo dos célebres duelos de saxofones que duravam até um dos contendores cair para o lado morto de fadiga (não era tanto assim, mas deixem-me lá pôr um pouco de drama na conversa), está Peter Brötzmann, o homem de Wuppertal. Brötzmann é verdadeiramente abrasador. Para amenizar as altas temperaturas, nada melhor do que ter a funcionar os dispositivos acústicos comandados por Wilber Morris e Denis Charles. O quadro é imponente e majestoso. Quem vê o bucolismo naive da capa não sonha o que lá vai dentro.


 
  Três propostas de audição

O Francisco Girão, amigo e cúmplice no gosto musical, é um genuíno gourmet quando o assunto é jazz/música improvisada. O que é fácil de comprovar através das três sugestões discográficas que nos deixou para o fim-de-semana:

- BARRY GUY/MARILYN CRISPELL/PAUL LYTTON, "ITHACA" (Intakt);
- TERRITORY BAND - 3, "MAP THEORY" (Okka Disk);
- TRIAGE, "AMERICAN MYTHOLOGY" (Okka Disk).


Girão, assim também eu.
 
  Tom Bancroft's Orchestro Interrupto

Hoje é dia de "Jazz on 3" na BBC Radio 3.
Para a emissão desta sexta-feira, Jez Nelson escolheu Tom Bancroft's Orchestro Interrupto, the cream of the buzzing Scottish jazz scene, com a pianista noerte-americana Geri Allen como convidada especial, que também toca a solo e abre o concerto gravado em 11 de Outubro passado, no Queen's Hall de Edimburgo.
Vale a pena dar um pulo à BBC.
 
  ZornOchs

Pela primeira vez John Zorn e o What We Live, de Larry Ochs, vão encontrar-se para improvisar ao vivo. No Tonic.
Larry leva consigo Lisle Ellis (contrabaixo) e Donald Robinson (bateria), os rapazes do What We Live. No cardápio, improvisação free e estruturada. A West Coast vai a Nova Iorque. Quem lá estiver no próximo 20 de Outubro (quarta-feira), já tem que fazer à noite.
Quem me dera. Que saudades do TONIC.

 
 


A Future Reference Recordings é uma micro-editora dedicada à música improvisada e à música electrónica, em particular da trepidante cena de Chicago. Ou seja, Ken Vandermark e pessoal da sua órbita, Brian Dibblee, Kevin Davis, Dave Rempis e outros artistas.
A partir da página online, além de se poder comprar CD´s, também é possível descarregar ficheiros de alta qualidade em formato mp3, incluindo álbuns completos.
A esmola é grande, mas não há razões para o pobre desconfiar.
 
  Marsh'n'Konitz

Lee Konitz fez anos no dia 13 de Outubro passado.
Parabéns atrasados, Mr. Konitz!
Nasceu em Chicago, em 1927. Durante décadas dirigiu os seus próprios combos. Tocou e aprendeu muito com mestre Lennie Tristano, por quem foi influenciado, a meias com Charlie Parker. Konitz, um dos grandes jazzmen ‘clássicos’ ainda em actividade, é um saxofonista da maior relevância na história do Jazz, entre outras razões, porque aprofundou a influência da escola do cool jazz dos anos 50, com camaradas de armas da laia de Stan Getz, Zoot Sims, Chet Baker, Gerry Mulligan, Jimmy Giuffre e Warne Marsh. Com este último, parkeriano na forma e na substância que também o é, sem no entanto renegar a marcante impressão que o tenor de Lester Young lhe deixou, Konitz tocou em quarteto e quinteto durante um bom par de anos.
E foi com um dos mais versáteis desses quintetos que W. Marsh e L. Konitz se entregaram ao público dinamarquês durante três noites de Dezembro de 1975, no Clube Montmartre, de Copenhaga. As sessões foram gravadas para a
Storyville Records e por ela publicadas separadamente em três volumes. O terceiro deles, a que agora dedico atenção em revista, embora apenas inclua duas composições de Charlie Parker (Au Privave e Chi-Chi) num total de 8, é todo ele celebratório da música de Bird, uma matriz fundamental comum aos dois artistas.
E cá estão eles, Marsh’n’Konitz ao vivo, contrariando a famosa tirada de Shakespeare - algo de muito fresco «no reino da Dinamarca».

 
14.10.04
  Meia-dúzia da Blue Note

Este mês há cinco importantes novidades editoriais da Blue Note Connoisseur Series:

Andrew Hill – Dance with Death - com Joe Farrell, Victor Sproles, Billy Higgins e Charles Tolliver. Gravação de 1968. Primeira edição em CD.

Bobby Hutcherson – Now! - com Harold Land e Joe Chambers. Gravação de1969. Primeira edição em CD.

Horace Silver – The United States of Mind - CD duplo, com Andy Bey, Salome, George Coleman, Harold Vick, Houston Person, Randy Brecker e Cecil Bridgewater. Agrupa 3 LP´s em dois CD´s: That Healin' Feeling, Total Response e All (1970-72). Primeira edição em CD.

Sam Rivers - Contours - com Freddie Hubbard, Herbie Hancock, Joe Chambers e Ron Carter. Gravação de 1965.

Larry Young – Of Love and Peace - com Larry Young, James Spaulding, Herbert Morgan, Eddie Gale, Jerry Thomas e Wilson Moorman III. Gravação de 1966.

Jack Wilson – Easterly Winds - com Jack Wilson, Jackie McLean, Lee Morgan, Garnett Brown, Bob Cranshaw e Billy Higgins. Gravação de 1967. Pela primeira vez editado em CD.

 
13.10.04
  ZDB - 10 anos de actividade

A Galeria Zé dos Bois (ZDB), ao Bairro Alto, em Lisboa, comemora 10 anos (!!) de actividades audio-visuais, década que incluiu no rol uma fatia apreciável de música improvisada. Para assinalar a efeméride, vai ter lugar uma série de iniciativas estimulantes.
Os detalhes da programação comemorativa dos dez anos estão
aqui.
 
  "Loja de Jazz"

É amanhã, dia 14 de Outubro, que é inaugurada, na Rua do Alecrim, em Lisboa, a discoteca da Trem Azul, especializada em Jazz - a "Loja de Jazz". O boneco publicitário diz que é uma data histórica. É realmente um acontecimento.
 
12.10.04
  Holy Ghost


Creio que não é nada arriscado, nesta altura do ano, afirmar que estamos perante a mais importante edição de 2004: Albert Ayler: Holy Ghost.
São 9 (nove!) CD's de material inédito; um livro de 208 páginas; ensaios de artistas e académicos sobre o artista falecido em 1970; e, para estudiosos, mas também para os mais exigentes info-maníacos, uma detalhada e exaustiva cronologia das aparições ao vivo de Albert Ayler. Tudo dentro da respectiva caixinha, colocada à venda no mercado mundial no passado dia 5 de Outubro. Também por isso faz sentido ser feriado nacional, digo eu a brincar.
«Trane was the Father. Pharoah was the Son. I was the Holy Ghost».
Isto é a sério.
Revenant Records



 
  Será verdade ou estou a ter Visões?!

William Parker

Corre por aí um rumor muito simpático: o de o Vision Festival, de NYC, poder "exportar-se", vir até à Europa e nessa volta incluir uma passagem por Portugal e Espanha.
Imagine-se o que é poder assistir em várias cidades portuguesas aos concertos de WILLIAM PARKER e seus amigos... .
Roberto Barahona, o nosso homem em Monterey, California, está a tratar dos preliminares daquele que pode vir a ser o grande acontecimento de 2005: a oportunidade de assistir em Portugal a uma amostra do melhor e mais influente festival de jazz de vanguarda da actualidade.
Aguardemos por mais desenvolvimentos
.
 
  Uma hipótese de abordagem à Música de Cecil Taylor (TPC - Trabalho para Casa)

Sei de quem se tenha escandalizado com esta forma de colocar a questão, mas não é caso para tanto. Na verdade, para entrar na música de Cecil Taylor e poder frui-la na sua grandiosidade iconoclasta, é aconselhável que o ouvinte neófito se disponha a realizar alguma preparação interior prévia. Por outras palavras, é recomendável fazer alguns exercícios. Dão trabalho, implicam algum investimento – sofrimento até - mas no fim compensam largamente o esforço. Pode parecer estranho que, para fruir uma obra de arte, tenhamos que sofrer. Mas isso, afinal, não é assim tão estranho. Pelo contrário, é inerente à relação do sujeito com o objecto artístico.
Sem paternalismos, a partir da minha própria experiência pessoal e com base nas reflexões que alguns especialistas têm feito sobre o assunto, a última das quais me foi dada ouvir na master class que Cecil Taylor deu na Universidade de Nova Iorque, em 11 de Outubro passado, é possível sistematizar e apresentar algumas dicas simples, que podem vir a ser de grande utilidade para os neófitos, os recém-chegados ou os prematuramente afastados do convívio com as obras do mestre. Os convertidos não acharão aqui qualquer benefício. Mas os outros, talvez. Não há como experimentar.
Para evitar entradas de leão e saídas de sendeiro; flic-flacs à retaguarda com piruetas empranchadas, saltos mortais encarpados sem prévio treino e aquecimento, que normalmente dão resultados pouco satisfatórios, arrolei estes tópicos:

1) Libertar a mente dos preconceitos que lhe foram sendo instilados ao longo dos anos, desde o nascimento. Não será possível limpar a memória da música que ouvimos via rádio, televisão, etc, mas será útil consignar um espaço de atenção para a novidade. É um processo difícil, tanto mais que Taylor tira-nos a rede debaixo dos pés.

2) Não desfalecer nem desistir ao primeiro impacto. As sensações iniciais podem ser desconfortáveis ou mesmo penosas. Poderão ocorrer dúvidas sobre se o que se está a ouvir é realmente música. Desde logo, porque as melodias não progridem linearmente, como sempre nos habituámos ouvir, e a estrutura harmónica - a arquitectura da música - é totalmente fora do comum para os padrões tradicionais, tal qual se conhece no mundo ocidental.

3) Esqueçamos também as noções de ritmo, tempo e espaço que possuímos, porque aqui não servem se não para atrapalhar. É preciso insistir para dobrar o Cabo das Tormentas. «Como é que a música viaja através do espaço?» - interroga-nos o artista.

4) Ouvir música como se fosse a primeira vez. Como se tivesse acabado de ser “inventada”. É disso que se trata: Taylor obriga-nos a pôr em causa os nossos hábitos de escuta, as nossas certezas, o nosso gosto, a nossa dieta musical, que poderá ser mais ou menos variada. Quanto mais diversificada, melhor; o espírito já estará mais exercitado e receptivo.

5) Disponibilidade para reconsiderar e reavaliar os conceitos e as formas estéticas que fomos adquirindo. Ter o ouvido um pouco treinado na audição de música clássica, contemporânea, em particular, ajuda imenso na descida às profundezas, tal como conhecer Duke Ellington, Thelonious Monk, e, preferencialmente, toda a tradição do piano jazz. Em Cecil tudo é diferente do que o precedeu, mas conhecer a sintaxe do piano é como uma lanterna na escuridão. Os conceitos pré-definidos e que se associam ao que se comummente designa por Jazz, são postos em causa e redefinidos.

6) Concentração total na performance do artista, seja a assistir a um concerto ou na audição de um disco, para não perder o fio à progressão. Seguir Taylor, particularmente quando se é leigo, não é pêra doce e não se compadece com distracções.

7) Começar por ouvir os discos que Cecil Taylor gravou nos meados dos anos 60, os famosos Blue Note, «Unit Stuctures» e «Conquistador», por exemplo; depois, recuar um pouco até aos anos 50, visitar «Jazz Advance» e «Looking Ahead»; a seguir, dar um grande salto até aos anos 80, a vez dos discos da Soul Note e Leo Records. E daí até ao presente.

Cumpridos alguns destes sete trabalhos, não está garantido que se fique um apaixonado pela música de Cecil Taylor; apenas que se realizou uma experiência que é susceptível de provocar uma alteração nas nossas referências e concepções sobre a música, a arte e a existência humana.

Obrigado, Mr. Taylor.

Nota: Cecil Taylor, vai tocar no dia 13 de Novembro de 2004, pelas 22h00, no Auditório da Universidade do Minho, no âmbito do Guimarães Jazz 2004. Será uma apresentação em trio, com Tony Oxley, bateria e percussão (o duo que esteve no Centro Cultural de Belém, em Fevereiro deste ano), e Bill Dixon, trompete.

 
11.10.04
  Noite "clássica"

Num cenário clássico e nada politicamente correcto (oops...), que incluiu filha na cama e mulher na cozinha (se qualquer delas ler isto, saberão antecipadamente a razão desta tentativa de blog ter sofrido uma súbita suspensão ou erradicação sine die), o serão de ontem cá em casa foi muito bem passado. Coerentemente com aquele pano de fundo, tinha que ser clássico. Pensando nisto, e invejando os nossos pais e avós (neste aspecto, bem entendido) virei a estante à procura de uma caixa de CD´s adquirida há anos, que compila a integral das gravações dos small groups de Art Tatum para a Pablo, The Complete Pablo Group Masterpieces. Uma produção de Norman Grantz, o maior e mais influente produtor dos anos 50, que levou Tatum para estúdio entre 1954 e 1956, e o fez gravar um monumento musical que, felizmente, chegou aos nossos dias, preservado e restaurado.
Dos seis discos que compõem o colar de pérolas de Tatum para a Pablo, com uma média de 70 e picos minutos cada, reouvi os dois primeiros deliciadamente... .
Quem conhece Art Tatum sabe que foi um pianista fantástico, com uma técnica impressionante, o mais rápido sem perder os sentidos harmónico e melódicoo, dono de um drive matador – uma destilaria de blues. E as companhias em que andava?! De Ben Webester a Buddy de Franco, passando por Coleman Hawkins, Roy Elridge, Lionel Hampton, Harry Harrison, Louie Bellson, e uma quantidade de outros dos maiores da época de ouro do Jazz do Séc. XX.
Grande noite clássica de Jazz clássico!
Aqui para nós, tenho que arranjar maneira de repetir a dose. Afinal, sempre são 6 discos… .


 
  John Law´s European Quartet na BBC

A BBC Radio 3 é muito nossa amiga!
Porquê?! Porque nos oferece de bandeja um concerto do pianista britânico John Law com o seu European Quartet, gravado no Bath International Music Festival (The Pavillion) em 29 de Maio de 2004.
Quem é quem, afinal, neste European Quartet? Além de John Law, pianista que desde os meados de 90 tem vindo a firmar uma carreira impressionante, confirmada através da série de discos que gravou para a editora
Future Music Records, e depois para a sua Cornucopia Recordings, entram François Corneloup, saxista baritonão francês, senhor de um som potente e rugoso, que já veio fazer estrago ao Jazz em Agosto de 2001, se me não falha a memória; Tim Wells, contrabaixista americano que se formou junto de Sam Rivers e Dave Friedman, posteriormente emigrado para a Alemanha, onde tocou com Stefan Bauer e a WDR Big Band, tendo depois passado a salto para as Ilhas Britânicas, mais concretamente para Londres, onde abraçou o free caseiro, por via da associação com Jon Lloyd e John Law. Completa a quadratura o baterista francês Eric Échampard, uma preferência habitual comum a Louis Sclavis, Claude Tchamitchian, Xavier Charles, Bruno Chevillon, Marc Ducret, David Linx e a Tim Berne, para não ir mais longe.
O concerto do John Law's European Quartet pode ser ouvido
aqui até à próxima sexta‑feira.
 
  "Até os comemos!"

Este Novembro, em Guimarães, vão estar Kenny Wheeler, Cecil Taylor, Tony Oxley, Bill Dixon e Dewey Redman, separadamente, mas integrantes do mesmo festival.
Depois do Lichtenstein, só esta selecção nos pode trazer alegrias.

 
10.10.04
  Prove um Mars...


Mars Williams, saxofonista de Chicago, é um dos meus artistas preferidos.
Fui encontrá-lo há uns anos a tocar com Hal Russell, no NRG Ensemble. Foi no princípio dos 90, quando me acerquei do NRG e me deixei conquistar pela magnitude e pelo poder arrebatador da música de Hal Russel. Mas havia outro soprador ao lado de Russell que teimava em se afirmar e não se deixar ficar para trás: Mars Williams, ele próprio.
Quem o conhece não me desmente: Mars dá-lhe com gana, com quanta tem. Não procura arredondar arestas nem adocicar a música com produções “atmosféricas” para agradar ao avô e ao neto – o mais que para aí se ouve.
É assim Mars Williams: não o convidem para alindar a paisagem ou encher chouriços com material supérfluo. Diz o que tem a dizer, alto e bom som, estrilha, grita, distorce, mas só quando sente necessidade de acentuar o que tem para dizer. Sublinhados à sua maneira, no fundo. Com ele “é tudo em cru”, da mesma maneira que se faz um bom cozido à portuguesa.
Os melhores dos seus pares convocam-no. No passado recente, Hal Russell; no presente, Ken Vandermark e Peter Brötzmann, quando precisam de tempero forte e muita cor para as suas criações. Os três convivem em grande festa improv no Peter Brötzmann Chicago Tentet.
Mas Mars Williams tem os seus próprios projectos, entre os quais destacaria o XMARSX (o “Mars” entre dois X é o outro X que falta para a classificação porno. Não vai tão longe, convenhamos, mas fica a ideia de transgressão…).
Em XMARSX, Mars dá largas à sua ampla veia rock-noise-improv-funk-jazz-punk, à falta de melhor categorização. Carradas de energia oriunda de múltiplas fontes. Gosto disto, como se supõe gostar quem igualmente se interesse por funk ou rock em geral. Não é jazz, não é funk, não é rock, não é… dirão os puros. Mas é tudo isso - o todo maior que a soma das partes.
Com Mars, debatem-se galhardamente o guitarrista Greg Suran (Goo Goo Dolls, Blue Man Group, Slam), o baterista Dave Suycott (Machines Of Loving Grace, Stabbing Westward, Slam), o contrabaixista Kent Kessler (Vandermark 5, NRG Ensemble, Peter Brötzmann Tentet) e o violoncelista Fred Longberg-Holm (Terminal 4, Witches & Devils, NRG, Peter Brötzmann Tentet). Mais que isto é ouvir o que Mars e Companhia têm para contar.

 
9.10.04
  O disco da barba



Tenho por hábito fazer a barba enquanto ouço música.
É um vício antigo.
Hoje apetece-me escanhoar o frontispício com "O Trio" - Parker/Guy/Lytton.
Escolhi este «Atlanta», da Impetus.
A ver se não me corto nestas curvas angulosas e apertadas.
 
  Toca, Thomas!!

 
  Luther Thomas

O jazz e a música improvisada são pródigos em histórias de surgimentos e desaparecimentos meteóricos de alguns dos seus melhores artistas. O mais recente e badalado caso ocorreu com o contrabaixista Henry Grimes, músico que nos anos da brasa do free, com Albert Ayler e outros guerrilheiros urbanos, deixou uma profunda marca na música da segunda metade do Séc. XX. Subitamente desapareceu e eis que décadas depois de ter mergulhado na total obscuridade, regressou à actividade musical, tendo passado a fazer parte da cena vanguardista de Nova Iorque, posto que havia ocupado in illo tempore.
Outro caso curioso é o do saxofonista alto de St. Louis, Luther Thomas, membro do BAG (Black Artist Group, o correlativo da
AACM - Association for the Advancement of Creative Musicians, de Chicago), fundador do Human Arts Ensemble. Por razões diferentes das de Grimes, Thomas submergiu no início da década de 80, para mais de uma década depois reaparecer fulgurante, a tocar melhor que nunca, como atesta a gravação sequencial de uma série de discos trepidantes para a editora CIMP (Creative Improvised Music Projects) -«Bagin' It», «Saxcrobatic Fanatic», «Realities: Old & New» e «Leave it to Luther».
Numa
entrevista recente, Luther Thomas conta parte da sua própria história, e de como passou a residir na Dinamarca.


 
  «Lost Blues Tapes/More American Folk Blues Festival 1963–65» - O alinhamento
CD 1:

1. Blues Everywhere - Memphis Slim
2. John Henry - Memphis Slim/Willie Dixon
3. Captain Captain - Muddy Waters
4. Catfish Blues - Muddy Waters
5. In The City - Muddy Waters
6. I Feel Like Cryin' - Muddy Waters
7. Your Love For Me Is True - Sonny Boy Williamson
8. Don't Misuse Me - Sonny Boy Williamson
9. I'm Gettin' Tired - Sonny Boy Williamson
10. Going Down Slow - Otis Spann
11. Careless Love - Lonnie Johnson
12. C.C. Rider - Lonnie Johnson
13. T.B. Blues - Victoria Spivey
14. Big Roll Blues - Big Joe Williams
15. Back In The Bottom - Big Joe Williams
16. Baby Please Don't Go - Big Joe Williams

CD 2:

1. Della Mae - John Lee Hooker
2. Hound Dog - Big Mama Thornton
3. Captain Captain - Muddy Waters
4. I Got To Cut Out - Sonny Boy Williamson
5. Blues Harp Shuffle
6. Strong Brain - Willie Dixon
7. Big Leg Women - Willie Dixon
8. You Got Me Running - Sugar Pie DeSanto
9. South Side Jump - Buddy Guy
10. If I Get Lucky - J.B. Lenoir
11. Got A Letter This Morning - Fred McDowell
12. Sail On - Roosevelt Sykes
13. Memphis Boogie - Memphis Slim
14. Your Best Friend's Gone - Sleepy John Estes/Hammie Nixon
15. Farewell Baby - Doctor Ross
16. Della Mae - John Lee Hooker

Como alguém já escreveu, mais que um festival, uma verdadeira master class de Blues.

 
  «Lost Blues Tapes/More American Folk Blues Festival 1963–65»

Saúdo efusivamente o blog-colega Improvisos Ao Sul, já devidamente linkado lá ao fundo da página. Situação que, segundo o broda Catarino, o meu prestável consultor para esta actividade, decorre de eu ter colocado fotografias com uma resolução demasiado elevada e que assim ocupam boa parte do espaço da coluna do lado. Bom, esta é mais uma das muitas dores de parto de um blog que nasceu torto. E quem nasce torto...
Por falar em dor e em sintonia com os Improvisos ao Sul ("Do not fear mistakes. There are none". (Miles Davis) - que epígrafe! Esta é mesmo à Miles, como aquela outra que se conta de um dia lhe terem perguntado o que fazia ele, simples músico de Jazz, numa festa para a qual só havia sido convidada a nata da sociedade, ao que ele teria respondido não saber exactamente a razão, mas que talvez tivesse a ver com o facto de ele ter alterado a História da Música pelo menos umas cinco ou seis vezes...).
Por falar em dor e nos Blues, dizia eu, de cuja matéria-prima é feita o género fundador da música popular norte-americana, permito-me referenciar a reedição de um duplo CD que leva o título Lost Blues Tapes/More American Folk Blues Festival 1963–65. A edição é oportuna porque repõe em circulação material que havia desaparecido dos arquivos da casa editora de Hamburgo, onde ficara guardado após uma breve edição em LP, que publicara apenas parte do tesouro gravado na primeira metade da década de 60, do âmbito do Folk Blues Festival, que tinha por finalidade trazer à Europa os nomes lendários do blues rural americano, de Chicago ao Mississipi.
A iniciativa começara a ser desenhada a partir de finais de 50 e teve a primeira concretização em 1962, desenvolvendo-se depois a par das incursões locais empreendidas pelos Rolling Stones, Animals, Fleetwood Mac, Led Zeppelin e outros bluesmen das Ilhas Britânicas. Chegou agora a oportunidade de ouvir a integral das gravações dos festivais de American Folk Blues de 1963, 1964 e 1965, incluindo outtakes, de artistas como Muddy Waters, Sonny Boy Williamson, Lonnie Johnson, Big Joe Williams, John Lee Hooker, Memphis Slim, Willie Dixon, Buddy Guy, Otis Span e outros, bem como gravações de estúdio que complementam o pacote.
A edição é deste ano e segue naturalmente à boleia de um facto político da maior relevância, que consistiu na declaração de 2003 como o "Ano dos Blues" na América do Norte, e constitui um documento histórico imprescindível para quem tenha um interesse minimamente sério nos Blues.

 
8.10.04
  A Great Day in Harlem


Eram cerca das 10 da manhã de um dia de Verão de 1958. Local: a 126th Street, entre a Fifth e a Madison, no Harlem. 57 músicos de Jazz, representando três gerações, posaram para a câmara de Art Kane, fotógrafo free lance da revista Esquire.
Recordei-me desta fotografia, que faz parte da iconografia do Jazz, a propósito do recente filme de Steven Spielberg, The Terminal.

Hilton Jefferson - Benny Golson - Art Farmer - Wilbur Ware - Art Blakey - Chubby Jackson - Johnny Griffin - Dickie Wells - Buck Clayton - Taft Jordan - Zutty Singleton - Red Allen - Tyree Glenn - Miff Molo - Sonny Greer - Jay C. Higginbotham - Jimmy Jones - Charles Mingus - Jo Jones - Gene Krupa - Max Kaminsky - George Wettling - Bud Freeman - Pee Wee Russell - Ernie Wilkins - Buster Bailey - Osie Johnson - Gigi Gryce - Hank Jones - Eddie Locke - Horace Silver - Luckey Roberts - Maxine Sullivan - Jimmy Rushing - Joe Thomas - Scoville Browne - Stuff Smith - Bill Crump - Coleman Hawkins - Rudy Powell - Oscar Pettiford - Sahib Shihab - Marian McPartland - Sonny Rollins - Lawrence Brown - Mary Lou Williams - Emmett Berry - Thelonius Monk - Vic Dickenson - Milt Hinton - Lester Young - Rex Stewart - J.C. Heard - Gerry Mulligan - Roy Eldgridge - Dizzy Gillespie - Count Basie.

Ao pai de Viktor Navorski só faltava a assinatura de Benny Golson...

 
  «Tribute to Paradise»
A Drimala tem novo disco. Saiu há poucos dias. Já lhe dei uma demão.
Caiu-me bem a combinação da voz de Ellen Christi, fantástica cantora da free form, com o saxofone alto do pintor abstracto Gary Hassay. Dois casos extremos de sub-exposição.

Sobressalto por sabê-los juntos e de volta.
 
  Satchmo

 
  Oh yeah ... these are the -- Dirty Laundry Blues
Retribuí a visita e fui ao Loundry Blues do dermot. Valeu a pena.
Quando desligo do jazz e improv é para ali que me viro.
Se um dia conseguir atinar com a inserção de uma barra de links aqui ao lado direito (o Catarino, da
Forma do Jazz, já tentou ajudar, mas ele há coisas de uma transcendência e dificuldade extremas!) prometo incluir-vos.
Entretanto, não desisto e continuo a aceitar ajudas.
Bem-hajam, pois.

 
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  •  Na edição de 2012 do Festival Música Viva, esta q...
  • Fabula (CS 220) dá título à peça única improvisaç...
  • Jazz em Agosto 2012
  • jonas kocher ~ solo Alors que son précédent di...
  • lefolk – weather to shore lefolk is audio/video a...
  • Cecil Taylor, Wadada Leo Smith, Peter Brötzmann,...
  • Sun Ra: Space Is the Place[UbuWeb] Avant-garde jaz...
  • Tem saída prevista para Março próximo, na norte-am...
  • RELENTLESS (Sébastien Branche & Artur Vidal) Met...
  • derrick hart – fall asleep to this [RB078] [http:/...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger