Image hosted by Photobucket.com
31.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com

And Now... Assinala o regresso, vindo das brumas do tempo passado, do Revolutionary Ensemble. Levo uma tarde inteirinha de audições sequenciais em modo de repetição deste que é um dos discos mais estimulantes entre os que ouvi já este ano. As revistas que tratam do jazz que menos entra pelos ouvidos adentro há muito que antecipavam esta edição da americana PI Recordings.
Artigos, comentários, notas e entrevistas sobre a nova gravação do Revolutionary Ensemble, criaram uma razoável expectativa à volta do acontecimento, que acabou por se confirmar em absoluto. O disco é uma grande obra do trio que vem do Loft Jazz dos anos 70: Leroy Jenkins, violino, harmónica; Sirone, contrabaixo, e Jerome Cooper, piano e bateria.
Música de câmara e free jazz numa mistura tão fresca e equilibrada hoje como há 30 anos atrás, no tempo de The Psyche (reedição da
Mutable Music), que beneficia das possibilidades de exposição relativamente mais alargada que lhe concedem (agora) alguns segmentos da imprensa. 27 anos depois da última aventura em disco, The Revolutionary Ensemble sai-se com uma bomba!

Image hosted by Photobucket.com


 
 
Image hosted by Photobucket.com

Em 2005 comemoram-se os 40 anos da fundação da AACM (Association for the Advancement of Creative Musicians), o mais antigo dos colectivos de artistas da música afro-americana, criado por iniciativa de um grupo de músicos de Chicago, à cabeça dos quais o pianista e compositor Muhal Richard Abrams. Foi o advento da expressão «Great Black Music» e da sua afirmação enquanto bandeira musical e política (Malcolm X morreu em 1965), com fortes ligações às raízes afro-americanas do jazz (jazz radical, nesse sentido).
Ao longo das quatro décadas de existência, a AACM afirmou-se na cena internacional como um importante catalizador das formas de expressão musical mais vanguardistas e experimentais, que, a partir da «Windy City», se disseminaram por todo o mundo do jazz, estendendo o seu exemplo a outros pontos da América do Norte e à Europa, a partir do final dos anos 60.
40 anos de existência activa da associação comemoram-se condignamente com festividades alusivas, concertos e outras manifestações culturais com especial ênfase nos dias 7 e 8 de Maio, e epicentro no Chicago Cultural Center e no Museum of Contemporary Art, de Chicago.
Os concertos programados envolvem uma série de membros activos da AACM, em conjunto com músicos de Nova Iorque. O AACM Fire Trio, do pianista Jodie Christian, com o co-fundador do AACM residente em Nova Iorque, Reggie Nicholson, e Ari Brown. Participam também George Lewis e Ann Ward; Edward Wilkerson e o fenomenal 8 Bold Souls; e, claro, o papa do free jazz de Chicago, Fred Anderson.
Da terceira geração da AACM, participam a flautista Nicole Mitchell e o Black Earth Ensemble, que acolhe outro grande flautista de Chicago, James Newton. Convidados especiais são Douglas Ewart, Mwata Bowden, Edward Wilkerson, Rita Warford.
O fundador do BAG (Black Artists Group), a congénere da AACM em St. Louis, Oliver Lake, terá um destaque especial. Seguir-se-á o quarteto do trombonista Isaiah Jackson, com Corey Wilkes, trompete, o baterista Vincent Davis, e o percussionista Art "Turk" Burton.
A apoteose chegará depois, com a actuação do Great Black Music Ensemble, formação herdeira da original Experimental Band, fundada por Muhal Richard Abrams em 1965 - uma grande orquestra composta de membros da AACM de todas as gerações, que interpretará composições de alguns dos mais distintos entre eles, com Joseph Jarman à cabeça.

 
30.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com

Amanhã, quinta-feira, 31 de Março, Ernesto Rodrigues (violino e electrónica), Manuel Mota (guitarra) e José Oliveira (percussão e electrónica), em concerto na Trem Azul, em Lisboa.
Três dos melhores improvisadores nacionais reencontram-se para abordar um programa de música composta no momento em que é executada. Micro-climas sonoros criados em tempo real, que permitem investigar novas formas de combinação e organização sonora. Às 19h30.


 
 
Image hosted by Photobucket.com

Deve ter sido uma canseira, os habituais contratempos, o diabo a sete e os imponderáveis do costume. Mais coisa menos coisa, a exposição toma forma e as fotografias sobem pelas paredes acima. E lá estará ela, visível e vistosa, na Trem Azul, de 1 a 30 de Abril próximo futuro.
PRETO NO BRANCO - 25 fotografias de Nuno Martins sobre músicos de jazz.
"Com ênfase nas expressões, um paralelo entre o Jazz e a fotografia enquanto linguagens distintas, mas que permitem a expressão, o sentir emocional".
Antecipo que o Nuno vai expor alguns dos melhores trabalhos fotográficos realizados nos anos mais recentes, que merecem ser vistos.
De 1 a 30 de Abril, na Galeria da Trem Azul, à Rua do Alecrim, em Lisboa.

[ P R E T O n o B R A N C O ]

Expressões no jazz, fixações de um olhar. Emoções. Assim como o jazz é uma linguagem musical própria, com os seus signos e códigos, a fotografia é uma outra linguagem, semântica de luz, que expressa e expõe um determinado olhar, pelo qual, uma percepção particular do meio é estabelecida.
Mais que fotogramas de espectáculos, estas fotografias encerram o testemunho de um duplo sentir. O sentir do autor, numa dinâmica que transporta para um suporte a singularidade de um momento, e o sentir do músico, pleno de emoção na sua expressão corporal, numa relação intrínseca, una, com o som, notas que transforma em música, a sua música, produto de uma interpretação pessoal na sua relação com o mundo.
Fotografia e música. Fotografia e jazz. Emoções e sentires. Paralelos.
Preto no Branco é o reflexo do encontro ontológico de duas formas de sentir, singulares, que perspectivam formas de comunicação, produto do entendimento do mundo que nos rodeia.

Nuno Martins
Abril de 2005



 
29.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com Paul Dunmall (saxofones) só mandou fazer a fartura de 85 cópias de um disco quádruplo que gravou com Paul Rogers (contrabaixo de 7 cordas) e Philip Gibbs (guitarra acústica e banjo). O opus enormus chama-se NIMES (DLE 036) e foi editado por Dunmall na própria Duns Limited Edition. A aquilatar pelos anteriores trabalhos deste laborioso trio (Live At The Quaker Center é um bom exemplo) o CD quádruplo deve ser de ir às lágrimas de satisfação. Fui-me a ele antes que esgote. Afinal, 85 exemplares sempre é um exagero... .
Está anunciada, mas ainda não disponível na página da Mind Your Own Music (ainda vai no DLE 038), outra colossal obra quádrupla de Tony Levin, Paul Dunmall e Paul Rogers: DEEP JOY (DLE 041), também na Duns Limited Edition. Três dos quatro MUJICIAN, o melhor quarteto de free jazz britânico que conheço. Para a pandilha estar completa só lá faltam as suíças do homem do Atum Tenório (esta é do Fernando Grilo), Keith Tippett. Este Deep Joy insere três sets em trio e um em duo de sax tenor e bateria... .
Paul Dunmall em duplo formato quádruplo. Vendo bem, é o tamanho que vai melhor com a sua estatura física e musical. Dunmall é imenso, o maior... .
> Paul Dunmall (foto: Nuno Martins)

 
 


Deambulando pelas edições de noise rock, subgénero que muito aprecio, com relativa surpresa fui encontrar Frode Gjerstad integrado no quarteto ULTRALYD (Frode Gjerstad, sax alto e clarinete, Anders Hana, guitarra eléctrica; Kjetil Brandsdal, baixo; e Morten J. Olsen, bateria), e editado pela americana Load Records.
Noise/rock/jazz/improv, e o mais que os noruegueses quiseram pôr dentro da música desta jam band. Fiquei a saber que Chromosome Gun é o segundo disco do bravo quarteto nórdico, tendo o primeiro, homónimo, sido publicado por Trevor Taylor na Future Music Records (FMR).
Bruce Lee Gallanter, da Downtown Music Gallery (DMG), de Nova Iorque, ouviu o disco e dele disse assim: "Muito concentrado, criativo e furioso. É interessante que Frode, a rondar os 60, consiga realmente acompanhar estes jovens pesos-plumas (...). Estarei já velho para estas aventuras?! Não, e aprova disso é que vou assistir a alguns concertos deste tipo de barulho no Victo deste ano. Suponho que ainda não cheguei ao topo da montanha".
Pessoalmente, como ainda agora comecei a subi-la (que digo eu?!), sobra-me pedalada para ouvir esta desbunda Ultralyd. Vai daí, fui-me à página da Load, editora de Providence, Rhode Island, e já está no papo, juntamente com o novo dos Sightings, Arrived in Gold. Fora dali, Ultralyd só a 26 de Abril, data do lançamento no mercado internacional.

Ultralyd - Chromosome Gun (Load, 2005)


 
28.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com

Depois da "bomba" de 2002, que foi O'Neal's Porch (Centering Records/AUM Fidelity), seguramente, um dos melhores discos daquele ano, eis que William Parker e o quarteto com Rob Brown, Lewis Barnes e Hamid Drake voltam à carga no próximo mês de Maio com Sound Unity (AUM Fidelity). Seis composições gravadas no Canadá (Montreal e Vancouver), no decurso da digressão que o quarteto empreendeu em 2004. Musicalmente, anuncia-se e espera-se algo próximo de O'Neal's Porch, no espírito, forma e substância.
"All people in the world need the beauty of truth to survive. ... Over the last 600 years we have acquired tons of knowledge and information about everything under the sun, yet we are a stone’s throw away from destroying the world in which we live. All information that is acquired in life must transform into wisdom; then into compassion. Without compassion science will never succeed". - William Parker


 
 
Image hosted by Photobucket.com

Ainda a propósito de Eric Dolphy, permito-me sugerir a leitura de dois ou três interessantes subsídios para o melhor conhecimento de Eric Dolphy. São gratuitos e estão disponíveis na net. Realço o trabalho de Alan Adale sobre Eric Dolphy, que compila a discografia completa do saxofonista, flautista e clarinetista em 6 partes, cronológica e detalhamente organizada (de 1949 a 1964).
Na mesma área de trabalho há a ter em conta o esforço compilatório de Peter M. Roberts. Noutro aspecto, qual seja o de considerar as referências de outros músicos a Eric Dolphy, avulta o estudo do japonês Kenzo Nagai, actualizado a Julho de 2004.
Há a considerar o festival de homenagem a Eric Dolphy («Tender Warrior» - 'a Herança de Eric Dolphy a 40 anos da sua morte'), que teve lugar em Agosto/Setembro passados, na Sardenha, organizado por Francesco Martinelli.
E a generosa lista de links de «A Love Supreme for the love of Music».
Eric Doplhy: injustamente esquecido para uns; bem vivo e presente para outros. Outward Bound!


 
 
Duo // Paulo Curado // Carlos Zíngaro

Paulo Curado – flauta e saxofones alto e soprano
Carlos Zíngaro – violino

Trem Azul, 6 de Abril, às 19:30

Carlos "Zíngaro" e Paulo Curado nunca tocaram em duo, se exceptuarmos uma actuação conjunta no festival de dança Fringe, mas para além de algumas coincidências nos respectivos percursos (compõem ambos para o teatro e têm um semelhante gosto pela improvisação) já se encontraram outras vezes nas mesmas situações musicais: estiveram juntos no grupo de Janita Salomé, por exemplo, e "Zíngaro" foi o instrumentista convidado num disco e num memorável concerto no festival Jazz em Agosto do Shish, o grupo de Curado com José Peixoto. Júlio Pereira contou igualmente com a colaboração dos dois músicos, ainda que em alturas diferentes, e são ambos activistas da Granular, associação cultural sem fins lucrativos que tem como propósito a promoção do experimentalismo na música e na arte sonora portuguesas. É muito, portanto, o que têm de comum, e se o saxofonista e flautista está mais orientado para o jazz, os conceitos improvisacionais do violinista passaram muitas vezes por aí. Carlos "Zíngaro" foi, de resto, um dos pioneiros do free jazz em Portugal, com os Plexus e outras formações que fizeram história. Esse "background", somado à formação "clássica" que tanto um como o outro tiveram, estará na base deste tão esperado encontro a dois em que Ornette Coleman e John Cage serão, inevitavelmente, dois dos "fantasmas" convocados. - Rui Eduardo Paes



 
 
Image hosted by Photobucket.com

Rui Neves, programador do festival anual de Jazz e música improvisada da Fundação Gulbenkian, Jazz em Agosto, DJ de Jazz e radialista infelizmente sem trabalho (que saudades do «Jazzosferas» na finada XFM, e do anterior «Jazzofone»...) diz-me que passou o último fim-de-semana em Amsterdão, convidado do 3º Dutch Jazz Meeting. Visitou o novo e ainda inacabado edifício da Bimhuis. "Assisti a uns vinte e tal concertos 'showcase' (cada um a tocar 20/30 minutos) com toda a cena do jazz da Holanda, um fartote", diz Rui Neves.
Adianta que a Bimhuis ocupa 1/3 do edifício e os restantes 2/3 são ocupados por uma organização similar, The Icebreaker, que promove música clássica e contemporânea. "Chama-se o novo edifício Casa da Música e parece-me ser de dimensões similares à da Casa da Música do Porto".
Manda-me ainda um interessante documento em formato pdf, com informação mais completa sobre o novo ex-libris de Amsterdão, pelo menos no que ao jazz e à música improvisada diz respeito, o qual, lamentavelmente, não consigo colocar aqui. Mas a página oficial da Bimhuis tem informação quanto baste para nos dar uma ideia de como o jazz e a improv são tratados na Holanda. Com foros de casa grande, pelo menos desde 1974.


 
 
Image hosted by Photobucket.com
The Wire de Abril. Vários motivos de interesse, como é hábito. Destaco o trabalho do jornalista e escritor de Nova Iorque, Phil Freeman, sobre Mike Patton (capa), ex-membro do Faith No More, figura importante do rock transgenérico, género híbrido que professa nos projectos Fantômas, Mr. Bungle, Tomahawk, Weird Little Boy, Maldoror, Moonraker, etc, e nas colaborações com John Zorn, a que acresce o trabalho editorial de relevo com a Ipecac.
Outro atractivo especial deste número de Abril é a entrevista de Elliott Sharp, o guitarrista do avant rock e da improv, que discute estes e outros temas com Phil England.
 
27.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com
(Partisans - Foto: Bob Meyrick)

Sobrevivi à estrada! Por entre a guerra civil que se combate diariamente nas estradas portuguesas, com o infindável cortejo de mortos, feridos e estropiados a que não há Código da Estrada que ponha termo (vamos a ver se é desta que a chacina refreia um pouco), foi com grande alívio que cheguei a casa, depois de uma viagem que me levou até perto do mar, onde disfrutei de boa companhia, boa comida, bom vinho e de boa música.
Voltei curioso de saber e a tempo de ouvir o que emissão do Jazz on 3 nos propõe esta semana. Na primeira parte, um concerto bem bom de fusion pós-Miles eléctrico, ou de jazz-rock se se preferir, dos Partisans (não confundir com The Partisans...), em Novembro passado, no Royal Festival Hall, em Londres. Seguidamente, Jez Nelson, aborda Miles Davis em conversa com George Cole, autor de um livro recente sobre o Miles dos anos 80, que ilustra com alguns temas dos álbuns Tutu, Man With A Horn, Decoy, e do póstumo Doo-Bop.
A fechar o programa, Jez Nelson serve-nos Cousin Mary, o original de John Coltrane interpretado pelo saxofonista David Murray, em quarteto com McCoy Tyner, piano, e os desaparecidos Fred Hopkins, em contrabaixo, e Elvin Jones, bateria.
A luta continua!

 
22.3.05
 

Image hosted by Photobucket.com

ORKESTROVA (Foto: Roberto Barahona)

Roberto Barahona, em discurso directo, conta como nasceu a gravação de Electric Ascension, o novo disco da OrkestRova, big band eléctrica que, além dos saxofonistas do ROVA Saxophone Quartet (Bruce Ackley, Steve Adams, Larry Ochs e Jon Raskin) inclui as cordas, a electrónica e a percussão de Fred Frith, Ikue Mori, Nels Cline, Otomo Yoshihide, Chris Brown, Donald Robinson ("rhythm & noise"), Carla Kihlstedt e Jenny Scheinman ("strings"), a mesma formação com que se irá apresentar a 27 de Março deste ano, no 6.º SFJAZZ, a ter lugar em S. Francisco.

Gravada ao vivo em Fevereiro de 2003, no Yerba Buena Center for the Arts, em S. Francisco, Electric Ascension será o próximo lançamento da norte-americana Atavistic. Tenho comigo uma cópia de ante-estreia, que me soa belíssima, insuspeita de ter sido gravada de forma quase artesanal. Uma obra de grande categoria.
O relato que se segue é também exemplo eloquente da mudança de paradigma iniciada há uns anos, no que respeita à produção, gravação e edição sonora na era digital, em que o processo é cada vez mais partilhado pelos artistas e pelo público, com a ajuda da distribuição independente, sem a necessidade de intermediação das grandes casas de discos, processo cujo domínio pelas majors, até há pouco tempo, era total e absoluto.

Rova - 25 Aniversario de John Coltrane, Ascension
Un sábado de febrero por la noche, en 2003, me dirigí a San Francisco a escuchar al cuarteto de saxofones Rova. Era uno de una serie de conciertos que celebró el aniversario de su fundación. Rova es un conjunto que milagrosamente se ha mantenido vigente durante 25 años, con sólo un cambio en su personal. No es un conjunto que conocía bien, pero me lo recomendó Antonio Martín, español residente en Albacete que es el moderador de un foro de jazz en España, cuyo conocimiento del jazz respeto. Él también sugirió que grabara el concierto, lo que obedientemente hice.
El cuarteto Rova se fundó en San Francisco en 1977 por los saxofonistas Andrew Voigt, Jon Raskin, Larry Ochs y Bruce Ackley - Voigt se retiró en 1988 y lo reemplazó Steve Adams.
En 1985 el cuarteto inició Rova:Arts, una organización sin fines de lucro dedicada a difundir música de avanzada, como también otras disciplinas artísticas similares. Rova:Arts administra las actividades del cuarteto, presenta obras de compositores emergentes del género, y un programa educativo. Además, Rova:Arts ha encargado más de 30 obras para saxofón de artistas estéticamente tan diversos como los compositores minimalistas Terry Riley y Pauline Oliveros, los compositores del avant-garde Fred Frith y Anthony Braxton, de Lindsay Cooper, músico del rock experimental y luminarias del jazz como Jack DeJohnette y John Carter.
El concierto se dividió en dos partes. Primero se presentó el cuarteto e interpretó dos de sus obras: "Testimony", de Steve Adams y luego "The Unquestioned Answer", de Jon Raskin y Larry Ochs. En la segunda parte se unieron al cuarteto 8 músicos e interpretaron una versión de "Ascension" de John Coltrane. Unas trescientas personas coparon el Yerba Buena Cultural Center, un lugar excelente para escuchar música por su acústica y por la proximidad del público a los artistas.
“Ascension”, composición de John Coltrane, se grabó originalmente en junio de 1965. Esta composición forma parte de una trilogía religiosa-free: "A Love Supreme" de diciembre de 1964 y "Meditations" de noviembre del mismo año. "Ascension" tiene un enfoque semejante al de "A Love Supreme". Es un tema de cinco notas que se repite en varias partes de la obra. Desde su inicio el auditor tiene que prestar atención. Esta es una obra seria y pesada que no permite ser tratada levemente. Requiere atención y desde su inicio Coltrane lo advierte. Aquí no hay engaños.
Coltrane usó, además de su cuarteto, un ensamble de cuatro saxofones, dos trompetas, y un segundo contrabajista. El enfoque del Rova es similar pero con una instrumentación totalmente distinta. Al cuarteto se le unen algunas de las figuras importantes del avant-garde actual: Otomo Yoshihide, guitarrista y "tornamesista" de la escena avant-jazz del Japón, ex miembro del grupo Ground Zero; Ikue Mori, también japonesa, artista de la electrónica que ha hecho fama en el East Village tocando junto a gente del calibre de John Zorn y Arto Lindsay; el guitarrista Nels Cline y en contrabajo Fred Frith. Chris Brown en teclados, Jenny Scheinman y Carla Kihlsted (esta última del Tin Hat Trio), en violín eléctrico y Don Robinson en batería.
Después del concierto escribí una nota para el sitio www.tomajazz.com , lugar donde también escribe y colabora mi amigo albacetense, acerca de mis impresiones del concierto; además compartí la cinta grabada a través de PuroJazz, el programa radial que conduzco los fines de semana que transmite Radio Beethoven en Chile.
Algunas semanas después recibo un email de Larry Ochs, del cuarteto Rova comentando mi nota. Le sorprendía que yo había viajado desde Chile a escuchar el concierto y aún más que lo había grabado sin que se dieran cuenta, algo que no le molestaba. Le expliqué que vivo a sólo 150 kms. de San Francisco, y que el programa donde se transmitió el concierto se emite desde Chile. Le interesaba escuchar mi cinta para determinar cómo oyó la música el público. Mi cinta, más lo que se grabó de la mesa de control en el concierto, lo convencieron que la música merecía ser editada.
Meses pasaron y Larry me escribió nuevamente para invitarme a otro concierto del cuarteto. Conversamos acerca de las posibilidades de editar Ascension, pero carecían de fondos para poder mezclar la cinta, un paso escencial para después conseguir distribución. Como la organización Rova: Arts es sin fines de lucro, una contribución financiera para sus objetivos puede descontarse de las obligaciones tributarias del que desee contribuir. Y es lo que yo hice. Con mi colaboración se mezcló la cinta y, después de bastantes meses, se ha conseguido un distribuidor, Atavistic Records. En marzo de 2005 Rova celebrará el aniversario de la edición original de Ascension de John Coltrane con un concierto de la obra en San Francisco, con esencialmente los mismos músicos de su actuación en primer concierto. Aprovecharán para también lanzar la edición de Ascension grabada ese sábado de febrero en 2003. Aunque un disco con tantos participantes rara vez arroja ganancias, si las hay se canalizarán a los fondos para programas educativos de la Rova:Arts.
Roberto Barahona
Monterey, California
Estados Unidos



 
 
Image hosted by Photobucket.com

O novo Bimhuis de Amsterdão, obra do gabinete de arquitectura dinamarquês 3xNielsen, que estreou o mês passado, apresenta um luxuoso Programa para Abril de 2005:

1 de Abril
WADADA LEO SMITH GOLDEN QUARTET
Wadada Leo Smith - trompete, Vijay Iyer - piano, John Lindbergh -contrabaixo, Ronald Shannon Jackson - bateria
2 de Abril
Molla Sylla- voz, Phil Minton - voz, Maggie Nichols - voz, Sean
Bergin – saxes alto e tenor, Tobias Delius – sax tenor, Frankie Douglas - guitarra, Mary Oliver- viola, Alex Maguire - piano, Ernst Glerum - contrabaixo, Han Bennink – bateria.
3 de Abril
JAZZ ORCHESTRA OF THE CONCERTGEBOUW & MAARTEN ORNSTEIN, ROB PRONK
o.l.v. Henk Meutgeert
4 de Abril
THE MEETING POINT
MUSIC AND DANCE IMPROVISATION LAB
5 de Abril
WORKSHOP o.l.v. Arnold Dooyeweerd
SESSION - Conservatório de Amsterdão
6 de Abril
ANTHONY BRAXTON SEXTET
Anthony Braxton – sax alto, Taylor Ho Bynum - trompete, Jessica Pavone - viola, Jay Rozen - tuba, Chris Dahlgren-contrabaixo, Aaron Siegal - bateria
7 de Abril
GRAEWE/REIJSEGER/HEMINGWAY
Georg Graewe - piano, Ernst Reijseger - violoncelo, Gerry Hemingway - bateria
8 de Abril
MARK DRESSER TRIO
CABINET OF DR. CALIGARI, PLUS
Denman Maroney - piano, hyperpiano, Herb Robertson -trompete, Mark Dresser - contrabaixo
9 de Abril
i.s.m. VPRO Radio
JASON MORAN & THE BANDWAGON
Jason Moran - piano, Tarus Mateen - contrabaixo, Nasheed Waits - bateria, Marvin Sewell - guitarra
10 de Abril
FINALE DELOITTE JAZZ AWARD
Jazz Orchestra of the Concertgebouw
12 de Abril
WORKSHOP o.l.v. Arnold Dooyeweerd
i.s.m. Conservatório de Amsterdam
13 de Abril
DAVID BINNEY QUARTET
David Binney - sax, Thomas Morgan - contrabaixo, Jacob Sacks - piano, Dan Weiss - bateria
14 de Abril
TINEKE POSTMA QUINTET
Tineke Postma – saxofones alto e soprano, Martijn van Itterson - gitarra, Rob van Bavel - piano, Jeroen Vierdag -contrabaixo, Marcel Serierse – bateria
15 de Abril
URI CAINE TRIO
Uri Caine - piano, Drew Gress - contrabaixo, Ben Perowsky -bateria
16 de Abril
DAVID LIEBMAN TRIO
David Liebman – saxofones tenor e soprano, Marius Beets - contrabaixo, Eric Ineke - bateria
17 de Abril
GUUS JANSSEN & HAN BENNINK
Guus Janssen - piano, Han Bennink - bateria
18 de Abril
SPRITUAL UNITY FEAT. HENRY GRIMES
Roy Campbell - trompete, Marc Ribot - guitarra, Henry Grimes - contrabaixo, Chad Taylor - bateria
19 de Abril
WORKSHOP o.l.v. Arnold Dooyeweerd
i.s.m. Conservatório de Amsterdão
20 de Abril
BOOKLET
Tobias Delius – sax tenor, clarinete, Joe Williamson - contrabaixo, Steve Heather - bateria
21 de Abril
BADI ASSAD
Badi Assad - voz, guitarra, Zeli – baixo eléctrico, Guilherme Kastrup - percussão, bateria
22 de Abril
IKKI & SEAN BERGIN, MARTIN FONDSE, EDDY VELDMAN
Bryan Davies, Philipp Staudt, Diederik Rijpstra –trompetes, Jonas Ganzemuller – sax alto, Reza Mohajer – sax tenor, Koen Schouten – sax barítono, Kobi Arditi - trombone, Matsumoto 'Santi' Kazushi – trombone baixo, Thomas Bekhuis - guitarra, Avishai Roet - baixo, Mark Coehoorn -bateria
23 de Abril
JUNGLE WARRIORS XL PRESENT
WORLD GROOVE PROJECT
Purbayan Chatterjee - sítara, Niti Ranjan Biswas - tabla, Mousse Pathe M'Baye - sabar, djembe, tama, Jan Klug - saxofones, patafoon, Jan Kuiper-gitaar,
Oeds Bouwsma-bas, Raoul Roosenstein-drums
24 de Abril
KURT ROSENWINKEL GROUP
Kurt Rosenwinkel - guitarra, Mark Turner – sax tenor, Aaron Goldberg - piano, Joe Martin - contrabaixo, Ari Hoenig - bateria
25 de Abril
1000 YEARS OF JAZZ
LAPTOP/TURNTABLE SESSION
26 de Abril
WORKSHOP o.l.v. Arnold Dooyeweerd
i.s.m. Conservatório de Amsterdão
27 de Abril
TilNo BeAm
PALINCKX ONTMOET SERVISCHE MUSICI
Han Buhrs-zang, Jacq Palinckx - guitarras, Bert Palinckx - contrabaixo, Alan Purves – bateria, Boris Kovac - saxofones, Svetlana Spajic Latinovic - canto, Bogdan Rankovic - clarinete, clarinete baixo, Bogdan Bijelic-acordeão, Vlada Cukovic - viola
28 de Abril
CALEFAX
FAR EAST, WILD WEST
Ivar Berix - clarinete, Raaf Hekkema - saxofone, Jelte Althuis – clarinete baixo, Alban Wesly – fagote, Maarten Ornstein - sopros, Tony Overwater - contrabaixo, Wim Kegel - percussão
29 de Abril
HOWARD LEVY & ANTHONY MOLINARO
Howard Levy - harmónica, Anthony Molinaro - piano
---------------------------------------------
Enquanto não chegamos a Abril, hoje à noite há Diane Reeves no CCB. Recomendável a corações mais sensíveis.




 
 
Image hosted by Photobucket.com

Gosto muito de ouvir o pianista Joel Futterman. E mais ainda em trio com o primo Ike Levin, saxofonista tenor e clarinetista, e com o baterista Alvin Fielder, que com Futterman e o saxofonista de New Orleans, Edward "Kidd" Jordan, gravou o fenomenal Southern Extreme, publicado em 1998 pela Drimala Records. A mesma formação gravou ainda o Live at Tampere Jazz Happening (2000), na Finlândia.
Futterman, que também toca saxofone soprano, lembra por vezes um Cecil Taylor menos turbulento, espacialmente mais concentrado e poupado nas notas, características que partilha com os colegas neste especioso Resolving Doors. São elas que ajudam a fluidificar discurso, carregado de fisicalidade, emoção e enlevo espiritual. O veterano Joel Futterman, que tocou com Jimmy Lyons, Rahsaan Roland Kirk e Joseph Jarman, depois de décadas de carreira, apresenta renovada mátéria-prima com que constrói pontes para o diálogo com Ike Levin, ímpar na combinação de expressionismo e melodia. Outro ponto alto do disco é o vigoroso trabalho de bateria de Alvin Fielder. Mas há muito mais para explorar nas seis composições espontâneas de Resolving Doors.
Joel Futterman/Alvin Fielder/Ike Levin – Resolving Doors (Charles Lester Music, 2004)


 
 
Image hosted by Photobucket.com

Prossegue alegremente a discussão à volta de Eric Dolphy e de Lennie Tristano, dois importantes modernistas do jazz. Esquecidos ou não? Se sim, injustamente ou não? Eis a questão. Por ordem de entrada, há comentários de Manuel Jorge Veloso, Eduardo Chagas, R F Barahona, Nuno Catarino e ... - perdoai molhar a sopa novamente, mas é irresistível - ... de mim próprio, e do Luis Farrolas. Quem quiser pode dar a sua opinião, elucidar alguns aspectos, comentar o que foi dito, enfim, participar. Basta accionar o botão e colocar o escrito no espaço próprio para o efeito. São bem-vindos todos os contributos.

"As for Lennie Tristano, I'd like to go on record as saying I endorse his work in every particular.They say he's cold. They're wrong. He has a big heart and it's in his music. Obviously, he also has tremendous technical ability, and, you know, he can play anywhere with anybody. He's a tremendous musician. I call him the great acclimatizor" - Charlie Parker, 1953.

Image hosted by Photobucket.com


 
21.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com
Fred Anderson e Robert Barry

Em 1996 realizou-se o primeiro Vision Festival. Na estreia, 39 concertos e 6 exposições de artistas plásticos. Em 1997, o número de concertos voltou a ultrapassar a trintena. Em 1998, o Vision mudou de figurino. Além de prosseguir a apresentação ao vivo dos artistas mais representativos do melhor que se faz no jazz actual, foi decidido passar a homenagear uma ou mais figuras por edição. Jimmy Lyons iniciou este novo ciclo do Vision. Em 1999, foi a vez de Denis Charles. Em 2000, evocou-se a vida e obra de Julius Hemphill. Em 2001, Frank Wright. Em 2002, Don Cherry. Em 2003, Jeanne Lee. A edição do ano passado homenageou dois grandes contrabaixistas do jazz de vanguarda, Wilber Morris e Peter Kowald. Este ano, a figura tutelar da décima edição do Vision Festival é Fred Anderson, o papa do free jazz de Chicago.
O programa completo da X Edição, com o calendário e horário das sessões de música e artes plásticas está já disponível na página oficial do Vision Festival.
X Vision Festival – 14-19/06/2005 - Centro Cultural Clemente Soto Vélez (107 Suffolk Street, NYC)
Image hosted by Photobucket.com


 
20.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com

Anthony Braxton, piano; Dave Douglas, trompete; Mark Whitecage, saxofones alto e soprano; Mario Pavone, contrabaixo; e Warren Smith, bateria, gravaram Six Standards (Quintet) 1996, que a italiana Splasc(h) editou o ano passado - Splasc(h) World (H863)


 
 
Palavras Desencarnadas II Ciclo Granular na Abril em Maio De 18 a 20 de Março

Que relações podem existir entre a linguagem e o som? Que conjunções, intersecções e contrastes podemos formar entre as palavras e os sons, independentemente dos contextos? Que performatividade pode ter a palavra? A que corpo aspira? Poderá existir uma linguagem desencarnada? Todo o jogo da linguagem nos remete irremediavelmente para um corpo? Para uma antropologia que precede o acto comunicacional? E o que é um texto? O que define um texto e como este se constrói? Pode um texto ser performativo, polissémico, e não especificamente literário? É a todas estas perguntas que uma série de eventos organizados pela Granular, em parceria com a Abril em Maio, vai procurar responder, de forma transdisciplinar.
Carlos Santos: Found Words- Luís Miguel Girão / Paulo Maria Rodrigues: Cyber Song / Com Palavras Amo- DJ Olive / Nuno Rebelo- Américo Rodrigues / Genoveva Faísca / Ulrich Mitzlaff- Pedro Almeida: Acur- Rui Costa / Iñaki Rios / Natividad Plasencia: O Nosso Quixote- Adriana Sá / Margarida Mestre / Ricardo Jacinto / Nuno Torres: Retrato de um Amigo Enquanto Falo


 
 
Image hosted by Photobucket.com
Numa onda multidimensional experimentalista, apeteceu-me regressar ao disco com que David Coulter iniciou a sua carreira a solo, depois de ter passado pelos El Stew, Test Department e Pogues. INterVENTION é uma beleza de disco. Composição experimental e improvisação que sugerem diversas formas da música asiática (ragas) e africana (cânticos tribais) e europeia (folk), sem perder a coerência interna e natureza orgânica do produto. Coulter toca quase tudo, didjeridoo, guitarra, violino, bandolim, acordeão, ukulele, harpa, harmónio, etc, etc, instrumentos que se ligam no fio da progressão musical, entrecortando arranjos vocais, spoken word e field recordings. Música moderna, experimental e globalizada, altamente sedutora. Inclui colaborações de Marc Ribot, JJ Palix, Steve Nieve, Chris Long, Terry Edwards, Ghedalia Tazartes, Phil Minton e Paul Buck, entre outros.
David Coulter - INterVENTION (Young God Records, 1999)

 
 
Image hosted by Photobucket.com

No Jazz on 3, esta semana há John Surman ao vivo em recital solo, motivo suficientemente forte para rejubilarmos, pois mestre Surman está de novo em digressão pelos palcos europeus e americanos. Depois de uma prolongada licença sabática, Surman deixou os admiradores a pensar que o saxofonista poderia ter ter arrumado as palhetas juntamente com as botas e os instrumentos. Parece que assim não aconteceu. John Surman tem uma estatura musical impressionante e o entusiástico regresso às lides está a empolgar admiradores e críticos por esse mundo fora.
No recital do Gateshead Jazz Festival, oferecido pela BBC Radio 3, John Surman toca sintetizadores e saxofones.

Image hosted by Photobucket.com
Na segunda parte do programa, John Fordham apresenta McCoy Tyner em trio, com Charnet Moffett, contrabaixo, e Eric Gravatt, bateria.
McCoy é um dos pianistas mais importantes e influentes dos últimos 50 anos de jazz, antes, durante e depois da sua cumplicidade com John Coltrane, no quarteto com Jimmy Garrison e Elvin Jones.
John Surman e McCoy Tyner Trio: dois em um no Jazz on 3, com a qualidade do costume.


 
  Ainda os "Injustos Esquecidos"
Por dever e por gosto, publico o texto que Manuel Jorge Veloso me enviou por mail, ontem, sábado 19 de Março (Dia do Pai), em resposta a um comentário meu, aqui publicado em 16.02.2004.
Vamos ao texto de MJV, que comentarei no final:

Caro Eduardo Chagas,

Tanto quanto me parece, julgo que não nos conhecemos pessoalmente e apenas mantivemos contactos muito esparsos via email em tempos algo recuados (e agora mais recentes), embora seguramente tenhamos estado próximos em acontecimentos ligados a esta(s) área(s). Mas, pelo menos no que me diz respeito, não me parece que tenha tido a oportunidade de ligar (ou de me ligarem) a sua cara ao seu nome. Desculpe-me se acaso estou enganado. Pode ser da idade.
Vem isto a propósito da liberdade que tomo em lhe enviar estas linhas, agora que passaram alguns dias depois de encerrado o ciclo de cinco conferências semanais (prefiro, aliás, o termo «sessões fonográficas») que realizei na Culturgest a propósito de Lennie Tristano e Eric Dolphy. Liberdade, no fundo, proporcional ao folgado espaço que esta nova forma de comunicação (os blogs) felizmente permite a quem comunica e a quem comenta aquilo que se comunica.
Ora... as razões próximas deste meu comentário radicam no texto através do qual, em iniciativa amável, V. se referiu (no seu post de 16.02.05) ao início dessas conferências. Uma amabilidade algo mitigada, é certo, já que após ter sublinhado o interesse de que porventura se revestiriam as conferências («a temática é deveras interessante», começo a citá-lo), logo acrescenta a possibilidade de que o seu título «se preste a alguns equívocos».
Porquê? Porque (pelos vistos, a começar por si), ao depararem com o título genérico das conferências - «Dois Injustos “Esquecidos” do Jazz Moderno» - aqueles que V. alertava para a sua realização seriam levados a pensar que eu estaria a atribuir àqueles dois mestres do jazz moderno, para além de «esquecidos», o absurdo qualificativo de «injustos»!!!
À falta de melhor discernimento, julgo que o seu primeiro e não inocente comentário é logo marcado por uma reprimenda – apimentada por mal disfarçada ironia – castigando a minha preferência de um adjectivo («injustos») em detrimento de um mais adequado advérbio de modo («injustamente»).
Sem dúvida que V. tem toda a razão em censurar o despreocupado uso que fiz do Português ao inventar semelhante título; e de nada serve, agora, eu argumentar com a minha relutância em usar um advérbio de modo num título ou alegar que qualquer pessoa de boa fé logo veria que «injustos» queria significar, de facto, «injustamente». Aqui tem, então, a minha mão estendida para a justiceira palmatoada!
Acontece, porém, que V. não se limitou a argumentar em relação ao adjectivo «injustos», discorrendo a seguir sobre ser «muito discutível que Eric Dolphy ou Lennie Tristano tenham efectivamente sido esquecidos pelo público do jazz.». Isto, ao mesmo tempo que lhe ocorria transformar ou omitir quer o itálico quer as aspas que, em todos os materiais de promoção da Culturgest à sua disposição para redigir o post, vinham associados à palavra «esquecidos» no título das conferências, bem como o texto introdutório através do qual eu dava a entender o sentido provocatório e o propositado exagero desse qualificativo. Texto por completo esclarecedor (a quem tivesse algumas dúvidas) e que foi, não apenas publicado na página da Internet da Culturgest como enviado para a imprensa e cinco vezes incluído nas folhas de sala distribuídas à entrada do auditório, pelo que me dispenso de aqui repetir o seu real contexto e significado.
Problema bem maior é que, depois, V. começa a alinhar alguns «argumentos» para justificar a sua alegação de que Tristano e Dolphy são tudo menos «injustamente esquecidos», chegando ao ponto de afirmar (e passo a citar): «Tenho como muito provável que o comum ouvinte de jazz – falo do iniciado, nem sequer seria necessário considerar o connaiseur [a grafia é sua!] – se não tem os discos mais representativos dos artistas, para lá caminha, ou sabe, pelo menos, quem foram Eric Dolphy e Lennie Tristano, e que instrumento ou instrumentos tocaram.»
Uma afirmação ao mesmo tempo estentórica e espantosa de quem parece não viver neste Mundo, bastando apenas cotejá-la com qualquer texto de referência de qualquer autor que se tenha debruçado sobre Dolphy ou Tristano para se concluir da sua completa presunção e fantasiosa arbitrariedade! Mais grave ainda: em abono dessa afirmação, V. acrescenta, como suporte da mesma, «uma simples pesquisa no popular motor de busca google» (!) adiantando, eufórico, números como 137.000 referências a Dolphy e logo se congratulando (sem qualquer estremeço ou assomo de dúvida) com a existência de «mais de uma centena de milhar de páginas em que se fala, anuncia, discute e comenta a música e a obra gravada de Eric Dolphy.» (sic!)
Ou seja, sem sequer pestanejar, V. dá de barato a superioridade da chamada «inteligência artificial» de um programa de software face à inteligência do hardware que são as nossas celulazinhas cinzentas! E acrescenta números, tão «credíveis» como aquele, relativos às buscas que fez sobre Tristano, Mingus ou Konitz!
Bom... seguindo o seu exemplo, resolvi fazer há dias idêntica experiência em relação a outros nomes ou matérias. E tive, tal como V., resultados verdadeiramente surpreendentes. Por exemplo, em relação a Booker Little, o google devolveu-me 908.000 entradas (!!!), ou seja, quase um milhão, pelo que a conclusão óbvia seria a de que Little é muito mais conhecido do que Dolphy (133.000) ou Tristano (32.600) ou mesmo Ornette (177.000) e até Coltrane (610.000). Que tal?
E como sou um pouco egocêntrico, cliquei no google para buscar «Manuel Jorge Veloso» e eis que o resultado deu 34.100, donde eu sou sem contestação «o maior» em comparação (por exemplo) com o desgraçado do Tristano!!! E, depois, busquei «Um Toque de Jazz» e o resultado foi 191.000 por comparação com uns míseros 49.200 para «Cinco Minutos de Jazz»!!! Mas então, seguindo este tipo de raciocínio, não se está mesmo a ver que eu sou incomparavelmente mais mediático do que o autor de tão históricos minutos!!!
Meu caro Eduardo Chagas: é, sem dúvida, do seu inteiro e livre arbítrio acreditar cegamente em motores de busca que nos dão meros (e quantas vezes enganosos) resultados «quantitativos», em detrimento de outras formas de investigação susceptíveis de nos darem informação «qualitativa» e qualificada. O que me parece menos honesto – e já não, apenas, sorrateiramente sarcástico – é que V. conclua o seu post de 16.02.05 afirmando, também sem estremecer: «Há assim bons motivos para ouvir [nem sequer lhe ocorreu o termo «confirmar»], a partir de hoje e de viva voz, as razões pelas quais MJV [agora, pasme-se!] se esqueceu de considerar a perenidade, a actualidade e a presença influente daqueles dois mestres no jazz de hoje.»
Entre outras coisas importantes que tive com que me preocupar, esperei por si cinco semanas a fio para o ouvir (e ver), «de viva voz», avançar este tipo de argumentos; ou para que V. pudesse cotejá-los com o conteúdo real (e não imaginado) das «sessões fonográficas» que tive o prazer de realizar na Culturgest.
Esperei afinal em vão, pelo que só me resta este meio para poder contestar, face aos seus leitores, a bondade do seu texto de apresentação das mesmas.
As minhas saudações e os desejos da continuação do seu contributo para a divulgação do jazz e da música improvisada.

Manuel Jorge Veloso

PS – Já me esquecia! Será que V. acredita que o «Bacalhau à Brás» é menos conhecido (ou preferido) do que as «Ameijoas à Bolhão Pato»? É que o primeiro tem 6.150 entradas no google - enfim, 6.988, se também procurar Brás com «z» - por comparação com as segundas, que têm apenas 131 - a bem dizer, 553, se procurar Bolhão também com «u». E esta, hein???!!!
------------------------------------------------------------------------
Agradecendo ao MJV o seu texto supra, gostaria de acrescentar que a publicitação das iniciativas na Culturgest não relevou de qualquer "amabilidade mitigada" ou "mal disfarçada ironia", segundo presume o seu autor. Tratou-se tão só de divulgar as conferências e de comentar, sem as obscuras e malévolas intenções que me são atribuídas, aquilo que me pareceu uma equívoca e desadequada escolha de título. Injustos esquecidos, Dolphy e Tristano?! A coisa, segundo MJV, pretendeu ser provocatória. Confesso que, míope, não reparei na alegada provocação.
Esclarece o texto da Culturgest que acompanha o anúncio das ditas "sessões fonográficas": «Sendo certo que este hábito e esta preguiça têm contribuído para aprofundar o injusto esquecimento de toda uma legião de músicos de segundo plano — cuja musicalidade é impossível desprezar — tudo se torna mais grave quando as vítimas conjunturais desse arbítrio são músicos de elevado gabarito».
Onde está a provocação de que fala, MJV? O que vejo afirmado de forma chã é apenas aquilo que MJV pretende que tenha um putativo sentido provocatório, de alcance insuspeito. Que intencional "sentido provocatório e propositado exagero" pode haver em dizer que Dolphy e Tristano são dois "injustos esquecidos"? Efectivamente, trata-se de um exagero, mas não no sentido em que MJV pretende que seja. Mas sosseguemos, porque, como diz a Culturgest, MJV procurou reparar o tal agravo do esquecimento, «debruçando-se sobre a obra e o legado desses dois mestres e investigando as conjunturas que terão, porventura, concorrido para uma tão recorrente omissão». Nada pretensioso, portanto. «Try to right this wrong», diz-se no texto traduzido em Inglês.
O autor das sessões pensa que as «vítimas conjunturais desse arbítrio» estão ou foram esquecidas, e que isso, além do mais, é injusto. Muito bem, está no seu direito. Eu não concordo e mantenho ser «muito discutível que Eric Dolphy ou Lennie Tristano tenham efectivamente sido esquecidos pelo público do jazz»; bem pelo contrário, mesmo não "acreditando cegamente" em motores de busca nem no primado da inteligência artificial (homessa, do que MJV se haveria de lembrar!!!), e tenha apresentado o exemplo como uma simples curiosidade, a tal que MJV considerou tratar-se de «um problema bem maior». Aí é que estava a ironia e MJV passou ao lado. Também está no seu direito.
Opiniões e ironias à parte, só tenho a lamentar o tom de ressentimento e de remoque azedo em que MJV embrulhou o seu escrito. Não era caso para tanto e deixa transparecer que não gosta mesmo nada de ser criticado nas suas afirmações, ainda que fundamentadamente e em tom cordato como o que usei. Continua no seu direito, mas é um despautério.
Cumprimentos.
Eduardo Chagas


 
19.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com
Do inesgotável mundo das netlabels de que o Mr. Cool é especialista, chega uma edição de se lhe tirar o chapéu: ICELU - Live at Riverview Lounge (luv sound), que gravita algures nas zonas de contacto entre a livre-improvisação, a colagem, o noise e o paisagismo ambiental de carácter marcadamente experimental. Quatro músicos compõem o colectivo ICELU: Ben Klein, tuba amplificada, microfones de contacto, guitarra eléctrica e acordeão; Bryan Teoh, guitarra eléctrica, laptop e guitarra-sintetizador; Reid Stratton, sax baríotono amplificado, laptop; e Jonathan Roberts, vox. Vale a pena dar uma espreitadela à música destes marados do Wisconsin, que se (nos) divertem à brava.

 
 
Image hosted by Photobucket.com

Os compositores russos Eugeny Voronovsky e A. Tzarev, sob o nome de Cisfinitum e na linha de anteriores trabalhos com drones e objectos sonoros em actividade reverberativa, colocaram o álbum Landschaft à disposição do público para descarregamento gratuito, através da netlabel Entity.
Explorando as tonalidades mais escuras e soturnas dos drones, Landschaft (paisagem), obra de 2000, originalmente publicada pela Insofar Vapour Bulk, desdobra-se em quatro temas: Inland, Landschaft I, Landschaft II e District Delta, entre os 9 e os 21 minutos de duração.
À medida que se avança pelas profundezas destas paisagens surreais e fantasmagóricas, vão-se descobrindo sons distantes de vozes e ruídos de maquinaria pesada em movimento, cujos ecos chegam ao primeiro plano filtrados por uma camada de névoa. Este efeito confere ao conjunto uma acentuada tonalidade melancólica, que aprofunda o carácter contemplativo da música electro-acústica/industrial ambient do Cisfinitum. A imagem que capeia a edição, acima reproduzida, capta bem o espírito e o sentido da obra.
 
18.3.05
 

De vez em quando, muito de vez em quando, surge na rádio uma canção pop perfeita. Há dias, alternando entre as duas estações audíveis na região da grande Lisboa, fiquei enganchado na antiga frequência da malograda XFM, 91.6 FM, a ouvir uma dessas raras canções pop, que depois reouvi várias vezes, à força da inclusão do tema nas malfadadas playlistas, as tais que sem misericórdia nos picam o crânio com tanta repetição. Falo de Black and White Town, dos britânicos Doves. Que canção! Perfeita na estrutura, melodia, refrão, voz, guitarras, bateria, um piano de parede sublime, soberbos arranjos vocais de fundo, tudo em concomitante euforia e espírito positivo.
Apesar do massacre das playlists, vale a pena ouvir Black and White Town dezenas de vezes, mesmo que a história contada tenha a ver com a vida nos subúrbios das cidades. Sem dúvida, uma das melhores canções pop que ouvi nos últimos anos. Some Cities, o ábum donde foi sacado o hit single, que ouvi na íntegra uns dias depois, não está globalmente ao mesmo nível, mas ainda assim, pese embora uma ou outra faixa menos conseguida, deve estar a caminho de ser ovacionado pela crítica da especialidade e seguramente bem posicionado nas tabelas de vendas.
Black and White Town, do álbum Some Cities, editado este mês pela Capitol Records.

Here comes the action / Here it comes at last /Lord give me a reaction /Lord give me a chance /You should follow me down/ In satellite town/ There's no colour and no sound/ I'll be ten feet under ground/ Gotta get out this black and white town/ Here comes some action/ Put sound in my life/ Gotta get out to get compensation/ Gotta get out to get this to play/ Well, leave me alone/ Boy, you try to find your way in this world/ You better make sure you don't/ Crack your head on that pavement now /My god this is sickIt's been plaguing me now/ This is a dangerous place now/ This is a dangerous place/ You should follow me down/ In satellite town/ There's no colour and no sound/ I'll be ten feet under ground/ This black and white town/ You should follow me down/ There's no colour and no sound/ In black and white town/ Be ten feet under ground/ In black and white town
 
 
Image hosted by Photobucket.com

A fama do CCMC, como a do Constantino, já vem de longe, dos recuados 60. Para nos situarmos, convém lembrar que em 1964, Michael Snow, pianista, realizou o filme New York Eye and Ear Control, uma pérola de 34 minutos, cuja música, de Albert Ayler, Don Cherry, Roswell Rudd, Gary Peacock e Sunny Murray, foi gravada por Bernard Stolman e editada pela ESP-Disk.
Mas aqui a música é outra: CCMC, ou, talvez, Canadian Creative Music Company. O famoso trio canadiano de livre-improvisação arranjou a bonita nestes concertos em três locais diferentes do Canadá, Jonquière, Victoriaville e Toronto... . Em Abril, Maio e Junho de 1996, Paul Dutton, John Oswald e Michael Snow, verdadeiras lendas da música improvisada canadiana, arrasaram literalmente as audiências dos concertos. Porque, segundo se sabe, a música foi tocada no meio do público, para uma fruição mais directa e imediata.
aCCoMpliCes é uma peça cheia de bizarria e excentricidade sonora que vem mesmo a calhar para quem realmente gosta de free improv. Quem não verificar esta condição, ou aproveita para experimentar os ares e o ambiente, ou melhor fará dar meia volta, porque a música não dá para bater o pézinho nem para trautear no chuveiro.
Os veteranos CCMC pensam em grande e executam da mesma forma: Michael Snow, realizador, produtor, argumentista, artista plástico, toca piano e sintetizador da maneira mais heterodoxa. Paul Dutton toca harmónica enlouquecida e vocaliza sons filiados na mesma escola experimental de Phil Minton ou do japonês Makigami Koichi. John Oswald, que tocou com Eugene Chadbourne e Henry Kaiser, desenha esquissos e faz um estrilho considerável com o saxofone alto, na linha de alguns episódios mais agrestes de John Zorn. Mas nem só de explosão vive aCCoMpliCes. Tempo há para deixar a música desenvolver tranquilamente, criar espaços, silêncios, e preparar-se para cada nova descarga energética que só atemoriza os incautos ou quem tem faltado aos treinos. Luz, penumbra, sombra, trevas, luz... .
CCMC – aCCoMpliCes (Victo, 1998)



 
 
Image hosted by Photobucket.com
Com sólida formação de flamenco, Chano Domínguez aprendeu a tocar guitarra de ouvido. Atreveu-se entretanto por diversas áreas do rock, antes de se dedicar por inteiro ao flamenco com o Chano Domínguez Trio, e de passar pelas formações de Pepe de Lucía, Potito e Juan Manuel Cañizares.
Chano Domínguez nasceu em Cádiz em 29 de Março de 1960. Aos oito anos o pai ofereceu-lhe o seu primeiro instrumento, uma guitarra flamenca com a qual começou a tocar. Aos 18 formou um grupo de rock andaluz, onde tocava teclados. Gravou três discos para a editora CBS. Atraído pelo jazz, em 1981 integrou, como teclista, a banda Hiscadix, onde ganhou sólida reputação como músico, prémios e presenças em festivais.
Ao longo dos anos Domínguez apurou a fusão de ritmos e linguagens do jazz e do flamenco, manifestada na abordagem do swing e da improvisação, cruzados com a energia e a espontaneidade do flamenco. "Cádiz in the soul and Monk in the fingers", como alguém sintetizou.
Depois de um concerto ontem à noite no Teatro Aveirense, na cidade de Aveiro, Chano Domínguez actua hoje em Lisboa, no Grande Auditório da Culturgest, com o quinteto base do CD de 2000, Oye cómo viene, disco acalamado pela crítica e nomeado para os Grammy na categoria de Jazz Latino. Com Chano Domínguez em piano, tocam Mario Rossy, contrabaixo; Marc Miralta, bateria; Blas Cordoba "Keíjo", cante e palmas; e Tomás Moreno "Tomasito", baile e palmas.
Chano Domínguez Quinteto – Grande Auditório da Culturgest, em Lisboa. 18 de Março, 21h30.


 
17.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com

"The album you hold in your hands [Captain of the Deep, Eremite] is a remarkable document. It is notable as one of only two recordings released under the leadership of the legendary Denis Charles. It is equally notable as the sole remaining evidence of a superb quartet, one whose existence was as brief as it was ecstatic. The opening piece, 'We Don't,' is my favorite selection. Mr. Moondoc and Mr. Breedlove achieve the rough, sanctified sax/trumpet interplay that was the Ayler Brothers stock in trade. Mr. Charles takes a solo so evocative of West Africa's talking drum tradition as to lend the piece an ancient character. All the material on this album has a sweet congruence. This band never fails to fill you with the magnificent sense of individuals working towards a greater whole. Nobody steps on anyone else's notes, nobody shoves anyone aside, and it is obvious throughout that the interpersonal communication is happening at a very high level." - Byron Coley
-------------------------------------------
Este álbum é realmente fora do comum. De 1998 para cá ouvi centenas e centenas de discos e poucos foram os que me deixaram uma impressão tão funda e duradoura. Porquê?! Sei que como eu há muitas outras pessoas que sentem o mesmo em relação a este disco, a obra-prima de Denis Charles, com Jemeel Moondoc, Nathan Breedlove e Wilbert deJoode. Está cá tudo: blues, marcha, batida afro, swing, bop, todos os ritmos e cenários do jazz, fundidos numa peça musical imponente, com tempero especial: a paixão do free jazz.


 
 
Duas saídas na Drimala são boas notícas para animar a malta. Não rima mas é verdade. Philip Egert, o produtor que desde 1998 faz viver um dos projectos editorias mais profícuos e diversificados, lança novas propostas esteticamente arrojadas.
A primeira chama-se BassX3, o novo projecto de Gebhard Ullmann, saxofonista e clarinetista alemão de nomeada, com o novaiorquino Chris Dahlgren e o austríaco Peter Herbert.
O outro lançamento é particularmente caro aqui ao torrão natal, pois que com o saxofonista americano Joe Giardullo, na exploração da arte do duo, toca o violinista português Carlos Zíngaro, ao vivo na Mãe d'Água de Lisboa - Falling Water, Live at Mãe de Água.

Image hosted by Photobucket.com Image hosted by Photobucket.com



 
 
Image hosted by Photobucket.com
Signal to Noise - the journal of improvised and experimental music/Spring 2005

Image hosted by Photobucket.com


>
 
 
Image hosted by Photobucket.com

O britânico George Haslam é credor do apreço do povo do jazz por várias e relevantes razões. Além de um grande saxofonista, grandeza inversamente proporcional ao conhecimento que dele se tem e à divulgação da sua obra gravada, em 1989 Haslam fundou, e desde então mantém activa, a editora SLAM Productions, que conta perto de 100 títulos editados. Elton Dean, Lol Coxhill, John Law, Paul Dunmall, Keith Tippett, Howard Riley, Neil Metcalfe, a nata do free jazz e free improv britânica e americana (Mal Waldron, Steve Lacy, ...) são alguns dos artistas a quem George Haslam abriu as portas da SLAM e concedeu extensa exposição discográfica.
Prosseguindo as actividades editoriais, em Março de 2004, a SLAM Productions publicou The Mahout, um disco em trio de Goerge Haslam (saxofone barítono e tarogato) com o pianista norte-americano Borah Bergman e o baterista britânico Paul Hession. Gravação de estúdio datada de Junho de 2003, The Mahout, mistura livre-improvisações pelo trio homónimo e temas a solo por cada um dos intervenientes. No primeiro tema, The Mahout, George Haslam abre as hostilidades em tarogato, instrumento de madeira com um timbre a meio caminho entre o clarinete e o saxofone soprano, elaborando séries de espirais e erupções descontínuas. Bergman rasga pano secundado por Hession, desafiando-se mutuamente e transformando o tema num aceso despique a três vozes.
Refreando o entusiasmo em que a música já ia lançada ao cabo dos primeiros 10 minutos, entra o segundo tema, M.E.V, sigla que toma as iniciais de Malcom Earl Waldron, mais conhecido por Mal Waldron, o pianista e compositor norte-americano com quem o saxofonista tocou e a cuja memória o tema é dedicado. M.E.W., é um solo elegíaco de Haslam, primeiro em barítono solo, depois no uso simultâneo da big horn e o tarogato.
Segue-se Streams, o solo de piano de Borah Bergman. Segundo as notas da edição, o título refere-se às correntes sonoras de harmonia e ritmo criadas pelas mãos do pianista, que ora tocam independentes uma da outra (esta é uma das características mais marcantes do estilo de Bergman, para quem os termos "mão esquerda" e "mão direita" não se aplicam, visto ter desenvolvido uma técnica muito própria traduzida na total independência de mãos), ora trabalham em interdependência e complementaridade, como é mais comum ouvir-se tocar o instrumento. O tema é bem um repositório das capacidades técnicas do pianista, dos avanços técnicos e do léxico do piano na música improvisada mais energética, veículo de comunicação da intensidade emocional de Bergman.
Com Ancient Stars, regressa a comunhão do trio. George Haslam está no centro das atenções com um impressionante solo de sax barítono, à volta do qual piano e bateria executam uma dança encantatória. Haslam soa ao mesmo tempo agreste e macio, algo que se situa entre as marcas pessoais de Paul Dunmall e Evan Parker, duas das mais distintas vozes britânicas do saxofone.
O solo de Paul Hession, The Varmint, é dedicado pelo baterista à memória de Jack Elam, o façanhudo mau da fita dos filmes de cowboys (em Once Upon a Time in The West, ficou famosa a cena em que Elam apanha uma mosca com o cano do Colt), ídolo da adolescência de Hession, falecido por alturas da gravação do disco. Um solo cinematográfico perigoso e com a barba por fazer, à imagem do homenageado.
Dusk é a reprise de Borah Bergman, agora introspectivo e inspirado nas emoções sugeridas pelas horas crepusculares. Serve de introdução ao tema final, Zircon, o terceiro encontro do trio, mais explosivo que os outros dois, como que a encerrar a festa com fogo de artifício. Borah Bergman está como peixe na água, assim como George Haslam e Paul Hession, que ateiam fogo ao rastilho, com mais que provável satisfação pelo resultado obtido.
Fantástico trabalho, este The Mahout. Volto ao princípio e é já.
George Haslam / Borah Bergman / Paul Hession - The Mahout (Slam Productions, 2004)



 
16.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com

A Silkheart prevalece-se de ter vindo a dar um lugar de destaque nas suas edições a bateristas das vanguardas do jazz e da música improvisada afim. São de facto muitos os projectos de e com grandes bateristas acarinhados pela editora sueca, de entre os quais se destacam Alvin Fielder, Andrew Cyrille, Denis Charles, Reggie Nicholson, Marc Edwards, Avreeayl Ra, Michael Wimberly, Susie Ibarra, Kahil El Zabar e por aí adiante. Prosseguindo esse olhar especial sobre a actividade dos homens das peles e dos pratos, a mais recente edição da Silkheart, ainda que liderada por dois dos mais influentes veteranos desta tipologia musical, o contrabaixista Sirone e o violinista Billy Bang, acrescentados de Charles Gayle, apresenta a estreia de um jovem baterista de New Jersey, que aos 22 anos está a dar que falar num meio musical em que o nível de exigência técnica e estética é muito elevado. É o caso de Tayshawn Sorey, o gordinho que tocou dia 12 de Março passado no CCB, integrado no Nomad de Dave Douglas, em substituição do canadiano Dylan van der Schyff.
Vem esta referência a propósito da participação notável que o rapaz tem no novo quarteto de Sirone e Billy Bang, o Sirone Bang Ensemble. Papel que se manifesta na actividade de estimular a criatividade dos velhotes, insuflando a música (e contagiando os músicos) com uma frescura e uma vitalidade impressionantes.
Configuration foi gravado ao vivo no clube CBGB, na noite de 24 de Novembro de 2004. Os créditos há muito firmados por cada um dos intervenientes poderiam fazer supor tratar-se de uma sessão free, de estilo tórrido e selvagem. Nada de mais errado, porém. Configuration é a fotografia sonora de um concerto musicalmente sóbrio e relativamente tranquilo, em tempo médio-lento. Quer dizer, tão plácidao quanto pode ser um evento musical em que intervém Charles Gayle, que, no caso concreto, se estreia em disco a tocar saxofone alto!
Para a toada dominante puxar para o lado mais suave do free jazz, em parte concorre o facto de o quarteto trabalhar eminentemente sobre composições escritas, três de Sirone, três de Billy Bang, e de os músicos se concentrarem na improvisação dentro dos limites da exposição temática, que procuram cumprir com rigor. Por exemplo, no tema de abertura, Jupiter´s Future, após a breve enunciação da linha melódica composta por Billy Bang, os músicos fazem a sua apresentação musical, executando solos à vez. Quem começa é Tayshawn Sorey, que durante os minutos iniciais mostra ao que vem, dando o mote para o que se há-de seguir. Repete-se o tema, uma sequência de 8 notas e variações. Segue-se o sax tenor de Charles Gayle no mesmo tom relaxado e não abrasivo; Billy Bang sublinha algumas passagens e deixa Gayle novamente à vontade até chegar a vez de Bang e de Sirone se travarem de razões. É este último quem fecha a sequência, posto o que o Ensemble retoma o fio à meada, para concluir com a melodia inicial.
Surpreendentemente, quando já se esperava que o disco prosseguisse de acordo com este tipo de formato, eis que o Ensemble ataca o segundo tema da sequência, Freedom Flexibility, em estilo hard bop evocativo dos Jazz Messengers de Art Blakey. Seia um hard bop típico, não fora a capacidade dos músicos de entrarem, permanecerem e sairem dos acordes escritos por Billy Bang.
We Are Not Alone, But We Are a Few, escrito por Sirone, é o tema mais contemplativo da série, em andamento lento e espaço amplo para o quarteto se espraiar. As cordas fazem as principais despesas do som. Depois da introdução, em que Charles Gayle fica a observar a evolução dos acontecimentos, o saxofonista entra no jogo, acentuando o lado mais vincadamente emocional, no que evoca o trabalho do Revolutionary Ensemble, o trio de Leroy Jenkins, Sirone e Jerome Cooper.
I Remember Albert, além das óbvias conexões espirituais e formais à música de Albert Ayler, recupera o tempo médio inicial e, naturalmente, é o momento de esplendor de Charles Gayle, que enche a casa com o seu som rude e áspero, embora contido dentro dos limites a que o confinou a escrita de Sirone. O contrabaixista oferece o segundo momento do tema ao violino de Bang.
Notre Dame de La Garde, relembra as aventuras do Revolutionary Ensemble, de Psyché, por exemplo, patente nos aspectos de maior melancolia e introspecção, onde a criatividade de Billy Bang se mostra mais evidente, com destaque para um bem esgalhado dueto com Charles Gayle.
A fechar a hora de concerto, Configuration, o tema-título em jeito de funk marcdo bela batida forte de Tayshawn Sorey. O baterista volta a tomar conta das operações e a catapultar o trio veterano para as alturas, de onde desce calmamente, até a música se desvanecer no meio dos aplausos.
Grande noite, grande disco. Passei ontem na Trem Azul e comprei um exemplar. Ficaram lá outros dois à espera de alguém que goste de Jazz.
Sirone Bang Ensemble - Configuration (Silkheart, 2005)


 
 
Image hosted by Photobucket.com

O contrabaixista norte-americano Mario Pavone iniciou a sua carreira nos anos 60. Estudou e tocou com grandes mestres, como Bertram Turetzky e Paul Bley. Influenciado por Charles Mingus, anos mais tarde Pavone fez parte do movimento Loft de Nova Iorque, período durante o qual tocou intensamente com Archie Shepp, Bill Dixon, Anthony Braxton e outros grandes criadores de som. Nos anos 80, Mario Pavone mudou-se para o Connecticut, estudou em Yale e na Wesleyan, período em que colaborou com Jane Ira Bloom, Ray Anderson, Anthony Davis, Gerry Hemingway, Mark Helias, Pheroan ak Laff, Leo Smith e muitos outros músicos. De volta à Downtown de Nova Iorque, nos anos 90 iniciou uma frutuosa colaboração com o Thomas Chapin Trio, formação com a qual gravou sete álbums. Data dessa época o aprofundamento do seu percurso enquanto líder de vários combos, corolário de uma carreira que este ano comemora o 40.º ano de actividade.
Assinalando a efeméride, Nova Iorque será palco de uma série de concertos no decurso de duas aventurosas semanas, entre 27 de Abril e 11 de Maio.
Na Quarta-feira, 27 de Abril, Pavone toca com o Totem Quartet (Mario Pavone, contrabaixo; Tony Malaby, saxofone tenor; Angelica Sanchez, piano e órgão; Kevin Norton, bateria e vibrafone) no novo espaço de John Zorn, The Stone. Convidado especial, Marty Ehrlich, saxofones e clarinete.
No Dia do Trabalhador, 1.º de Maio, haverá dois concertos no CBGBs’ Lounge: novamente o Mario Pavone Totem Quartet, com o trompetista Steven Bernstein como convidado especial.
Quarta-feira, 4 de Maio, a grande festa de aniversário, a Official 40th Anniversary Party, com o Mario Pavone Nu Trio/Sextet. Em palco estarão Mario Pavone, contrabaixo; Charles Burnham, violino; Steven Bernstein, trompete; Howard Johnson, saxofone barítono e tuba; Peter Madsen, teclados; Michael Sarin, bateria. Local: 55 Bar.
Finalmente, na Quarta-feira seguinte, 11 de Maio, no Barbès, clube de Brooklyn, volta a tocar o Mario Pavone Totem Quartet. O convidado desta vez será o saxofonista alto, John Beaty.
Grande festança! Parabéns a Mario Pavone!



 
15.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com
Ted Curson - Plenty Of Horn (Old Town, 1961)

Ted Curson - trompete
Jimmy Garrison - contrabaixo
Kenny Drew - piano
Bill Barron - bateria
Eric Dolphy - flauta
Danny Richmond - bateria
Pete La Rocca - bateria


 
14.3.05
 
Image hosted by Photobucket.com

Mr. Cool recomendou-me a audição de dois projectos de electrónica meets free jazz que a netlabel eDogm disponibiliza gratuitamente online. Ouvi ambos e fiquei muito bem impressionado. Destaco The Fissback Voyage, o projecto de Tlön 5, dois músicos franceses de Toulouse, Eric Pailhé, saxofone tenor, gira-discos e efeitos electrónicos; e Johann Bourquenez, piano, sintetizador e efeitos digitais, a que se somou Roger Cazenave, baixo e sintetizador. O EP The Fissback Voyage compreende cinco temas, num total de 27 minutos. Vou na segunda audição e parece-me que não escapa uma terceira. Por hoje.

 
 
Image hosted by Photobucket.com


O Nuno Ferros, da associação Rock'n'Cave, meteu a mão na massa e tem prontinho a arrancar o fenomenal
_____ Space 2005.parte 1
festival de música experimental e improvisada


· Festival de MÚSICA onde se abordam os novos rumos da música contemporânea, possibilitados quer pela via da experimentação/improvisação quer pelas novas tecnologias digitais.

· Ao longo dos últimos anos têm surgido no panorama nacional diversos projectos que têm aproveitado da melhor forma estas novas possibilidades. Atendendo à sua importância e carácter inovador é nosso objectivo contribuir para a sua melhor divulgação.

· Pretendemos criar uma plataforma de ensaio de formas e formações musicais. Temos consciência das dificuldades encontrados pelos músicos portugueses para levar até ao palco as suas iniciativas mais originais. O Space é um espaço para eles.

______ Programa: 17 de Março -> 2 Abril

____17 Março, 22h: quinta-feira, Rivoli Café-Concerto (entrada livre)

1. Cheese Cake Project: projecto de Jorge Queijo, no qual a percussão exerce um papel principal, a qual explora recorrendo a vários componentes electrónicos. Neste concerto vai apresentar-se em duo com Marco Figueiredo (piano)

2. Quad Quartet +: quarteto de saxofones criado recentemente em Aveiro, composto por João Figueiredo (sax soprano), Fernando Ramos (sax alto), Henrique Portovedo (sax tenor), Romeu Costa (sax barítono). Neste concerto vão apresentar-se com os convidados João Martins (sax alto) e Jorge Queijo (percussão)

____18 Março, 22h: sexta-feira, Rivoli Café-Concerto (entrada livre)

1. Projecto Arzach: projecto liderado por Henrique Fernandes. Consiste na criação, em tempo real e ao vivo, duma banda sonora para projecções de BDs de culto: Flood, de Eric Drooker e Mondwasser, de Micha Hirst. Foi apresentado recentemente no Festival Internacional de BD da Amadora 2004, e nas XVI Xornadas de Banda Deseñada de Ourense. Os músicos participantes são: Henrique Fernandes (contrabaixo), Bitocas (chocalhos), Fred (Brasil)(bongos). A edição de imagem e animação são de Augusto Lado

____19 Março, 22h: sábado, Rivoli Café-Concerto (entrada livre)

1. Lady Cleaners: duo de laptops de Lucho Henriquez (Equador) e Bjorn Erlach (Alemanha)

Lucho Enriquez (Ecuador 1978)
Guitar player, Composer and Sonologist. His musical background involves classic & contemporary music, electronic music, jazz and rock. He studied composition with Jose Angel Perez Puentes (Cuba, Ecuador in Conservatory “Gershwin”) and Klarence Barlow(Germany, Holland in Royal Conservatory). His music and He(as performer) has been performed around Ecuador, Cuba, The Netherlands, England and Portugal. Since 2001 he dessigns his own microtonal guitar models. In 2002 he published his book “The system of 18 sounds” which was published in Ecuador and Cuba. Since 2003 is programming and researching at the Sonology Institute in Den Haag. At the moment is developing his own virtual synth programming enviroment for guitar called “guitar collision” .

Björn Erlach (Germany)
Music & audio software developer, UNIX hacker and sonologist. Visited the School of Audio Engineering in Cologne from 1996-1997. Studied computer music with Clarence Barlow in Cologne 1998-2003. Since 2003 he is busy with the maintenance of the only Linux machine at the institute of sonology in Den Haag and explores improvised computer
music with the Ladycleaners.
He has programming experience with C/C++, lisp, scheme, tcl/tk and is a strong supporter of opensource software like Puredata, csound,common lisp music and Supercollider.

2. Artesão: quarteto de improvisação desenhado por José Miguel Pinto (guitarra) e Rodrigo Pinheiro (piano)

____2 Abril, 23h30: quinta-feira, Passos Manuel (7,5 euros)

1. Spy Quintet: quinteto criado propositadamente para a edição de Space 2005 inspirado no album Spy Vs Spy (Elektra,1989) no qual John Zorn, Tim Berne, Mark Dresser, Michael Vatcher e Joey Baron interpretam temas de Ornette Coleman (que completou 75 anos a 9 de Março), seguindo algumas regras e estruturas musicais por este criadas e apresentadas em albuns como "Free Jazz (A Collective Improvisation) by Ornette Coleman Double Quartet".
O quinteto vai ser composto por Gustavo Costa (bateria), João Tiago (bateria), João Martins (sax), João Guimarães (sax), Henrique Fernandes (contra-baixo), e, neste concerto, vão contar também com a participação de José Miguel Pinto (guitarra) e Gil (voz).

2. Giga Tera Pia dj set: Colectivo de DJs que se dedica à animação de espaços recorrendo a diferentes formas de arte: música, vídeo, performance, pintura, etc.
________________________________________________________

Mais informação
sobre o festival Space, assim como fotos e textos descritivos.

A segunda parte de Space 2005, vai decorrer entre os meses de Novembro e Dezembro em várias cidades.

Image hosted by Photobucket.com

 
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  •  Na edição de 2012 do Festival Música Viva, esta q...
  • Fabula (CS 220) dá título à peça única improvisaç...
  • Jazz em Agosto 2012
  • jonas kocher ~ solo Alors que son précédent di...
  • lefolk – weather to shore lefolk is audio/video a...
  • Cecil Taylor, Wadada Leo Smith, Peter Brötzmann,...
  • Sun Ra: Space Is the Place[UbuWeb] Avant-garde jaz...
  • Tem saída prevista para Março próximo, na norte-am...
  • RELENTLESS (Sébastien Branche & Artur Vidal) Met...
  • derrick hart – fall asleep to this [RB078] [http:/...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger