Image hosted by Photobucket.com
31.8.06
 

A No Man's Land, de Berlim, vende LPs e CDs de editoras europeias e americanas a preços decentes. Encontrar os catálogos Empreintes Digitales, Long Arms, Grob, Matchless, Not Two, Okka Disk, PI Recordings, PSF Records, Victo ou INCUS amplamente disponíveis online na UE, e num só sítio, não é comum. Aceita cartões de crédito e PayPal.

 
 

Durante anos, Lee Santa fotografou Sun Ra, Ornette Coleman, Pharoah Sanders, Cecil Taylor e Jimmy Lyons, Rahsaan Roland Kirk, Albert Ayler, Burton Greene, David Izenzon, Perry Robinson (em trio no Studio We) e outros revolucionários do jazz. Entretanto, organizou o material e juntou-o a outro trabalho fotográfico. Desde Dezembro de 2005 que o está a mostrar a quem quiser ver.

 
30.8.06
 

Taran Singh
entrevistou Gregg Simpson para a All About Jazz


 
 

Há dois discos de John Surman de 1970 que enchem as medidas a qualquer surmanista, sobretudo dos que, como eu, preferem a fase pré-ECM. “How Many Clouds Can You See?” (Deram, 1970), com um conjunto muito variado de músicos organizado em diversas formações, onde figuram Harry Beckett, Malcolm Griffiths, Mike Osborne, Alan Skidmore, Harry Miller, John Warren, John Taylor, Barre Phillips e Tony Oxley – e “The Trio” (Dawn, 1970), com John Surman (saxofones barítono e soprano, clarinete baixo), Barre Phillips (contrabaixo) e Stu Martin (bateria). Vamos por partes. Primeiro, “How Many Clouds Can You See?”, e depois, logo mais, "The Trio", estirada dupla de Surman, Phillips e Martin, uma obra-prima do jazz de todos os tempos. Ou serão duas? Não há calor que resista a tanta frescura.

 
29.8.06
 
Trinta anos medeiam entre “Wende” (Owl, 1976) e “All That Is Tied” (Tompkins Square, 2006), dois dos vários discos de piano solo de Ran Blake. De comum a ambos, além do vocabulário e do lirismo, há a mesma inquietação e o sentido de procura de uma linguagem cada vez mais depurada de tudo o que não é pertinente. Ficam os traços de gospel e os resquícios impressionistas de Debussy. Como em Monk, outra das influências reconhecíveis, as melodias de tons escuros fluem por entre acordes e intervalos, gerindo amplitudes dinâmicas que vão do murmúrio ao estrépito. Assim dispostos, os empolgantes trâmites da improvisação cruzam-se em ocasionais pontos luminosos até se desfazerem na bruma, encerrando o ciclo. Cada disco deste pianista solitário é uma epifania.

 
 

25th INTERNATIONAL TAMPERE JAZZ HAPPENING
Tampere, Finlândia, 2 - 5 de Novembro de 2006

Desde 1982 que o Tampere Jazz Happening se realiza todos os anos por alturas de Outubro/Novembro, na Finlândia. O cartaz habitual concentra-se nas diferentes tendências do jazz e da música improvisada actuais, tanto europeus como norte-americanos. Num ambiente que se pretende informal, Tampere promove a proximidade entre músicos e público em concertos de pequena lotação, que têm lugar durante um único fim-de-semana, entre quinta-feira e domingo. A 25.ª edição decorre entre 2 e 5 de Novembro deste ano.

2 de Novembro
- Opening of the photo exhibition: MAARIT KYTÖHARJU
- Percussion workshop: ADAM RUDOLPH
- Documentary film: “MY NAME IS ALBERT AYLER”
3 de Novembro
- Joona Toivanen - piano, Tapani Toivanen - bass, Olavi Louhivuori - drums;
- Raoul Björkenheim - guitar, Uffe Krokfors - bass, Markku Ounaskari - drums;
- ATOMIC (Fredrik Ljungkvist - saxophone, Magnus Broo - trumpet, Håvard Wiik - piano, Ingebrigt H. Flaten - bass, Paal Nilssen-Love - drums;
- DHAFER YOUSSEF DIVINE SHADOWS 4TET (TUN/NOR)
Dhafer Youssef - oud, vocals, Eivind Aarset - guitar, Rune Arnesen - batterie, Audun Erlien - bass
- MARC RIBOT SPIRITUAL UNITY (USA)
Marc Ribot - guitar, Henry Grimes - bass, Roy Campbel - trumpet, Chad Taylor - drums;
- BALKAN BEAT BOX (IS/USA)
Tomer Yosef - vocals, percussions, Ori Kaplan - saxophone, Eyal Talmudi - saxophone, Uri Kinrot - guitar, Ben Hendler - bass, Tamir Muskat - drums, sampler plus additional singers.
4 de Novembro
-HAARLA / AALTONEN / KROKFORS / CHRISTENSEN (FIN/NOR)
Iro Haarla - piano, harp, Junnu Aaltonen - saxophones, Uffe Krokfors - double-bass, Jon Christensen - drums;
- RAULIN & AVENEL & DRAME (FR/BF)
Adama Dramé - djembé, vocals, Jean-Jacques Avenel - contrabass, kora, François Raulin - piano;
- THE THING (NOR/SWE)
Mats Gustafsson - reeds, Ingebrigt H.Flaten - bass, Paal Nilssen-Love - drums;
- MOVING PICTURES (USA)
Hamid Drake - drum set, tabla, frame drums, congas, vocals, Joseph Bowie - trombone, percussion, electronics, Ralph Jones - tenor and soprano saxophones, flutes, bamboo flutes, Adam Rudolph - handrumset, wood flutes, kalimbas, cajon, udu, talking drum;
- SUSSAN DEYHIM “DESERT TORCH” (IR/USA)
Line-up t.b.a.
- ANDREW HILL NEW QUINTET (USA)
Andrew Hill - piano, Eric McPherson - drums, Greg Trady - saxophone, Ron Horton - trumpet, John Herbert - bass;
- ALEXI TUOMARILA TRIO (FIN)
Alexi Tuomarila - piano, Olavi Louhivuori - drums, Mats Eilertsen - bass;
- DALINDÈO (FIN)
Valtteri Pöyhönen - guitar, Petri Puolitaival - flute, saxophone, Jose Mäenpää - trumpet, vocals, Rasmus Pailos - percussion, Pekka Lehti - bass, Jaska Lukkarinen - drums;
- ISWHAT?! (USA)
Napoleon Maddox - human beat box, Jack Walker - tenor saxophone, Claire Daily - baritone saxophone, Joe Fonda - bass, Hamid Drake - drums.
5 de Novembro
- KORA JAZZ TRIO (SEN, GUI)
Djeli Moussa Diawara - kora, guitar, Abdoulaye Diabaté - piano, Moussa Cissoko - percussion;
- BURNT SUGAR THE ARKESTRA CHAMBER (USA)
- UMO PLAYS IRO HAARLA FEAT. VERNERI POHJOLA (FIN)
- FINAL JAM SESSION HOSTED BY RAOUL BJÖRKENHEIM


 
28.8.06
 

"The Big Misunderstanding Between Hertz and MegaHertz"
John Butcher / Christof Kurzmann
(potlatch)

 
 

Borah Bergman, "Burst of Joy". Piano solo já com algum tempo (Chiaroscuro, 1976). Só existe em LP, mas a transcrição que possuo em cdr está em condições mais que aceitáveis. Há quem diga que este pianista é nada mais que técnica. Duvido seriamente, porque sempre lhe ouvi muito soul e blues. Não tão evidentes como em Cecil, por exemplo, mas dentro do campeonato da riqueza harmónica e do cabedal técnico, Borah está a par com aquele. Certo e seguro é que Borah só com uma mão (esquerda ou direita, tanto faz) toca mais e melhor que muitos com as duas... Bursts of Joy or Circles, Whirl and 8 (18:04); Three for the Left Hand Alone/ River Shadows (5:20); Three for the Left Hand Alone/ Oranges (7:28); Three for the Left Hand Alone/ Horizons (9:21). É Borah sem espinhas. Hipnótico.

 
 

Out Trios Vol. 2 - Parker/Drumm/Zerang

A combinação pessoal e instrumental, antes de se ouvir o resultado, deixa prenunciar uma sessão em grande. E a expectativa não sai minimanente beliscada. Grande malha, esta do trio ad-hoc formado por Jeff Parker, Kevin Drumm e Michael Zerang. Os três cavalheiros de Chicago não fazem por menos: num intervalo dos seus inúmeros afazeres, deram um pulo ao estúdio Planet Sounds e registaram "Out Trios Volume Two” para a Atavistic, série inaugurada tempos antes com "Monsoon", de Lee Ranaldo, Roger Miller e William Hooker. O disco desenvolve-se em quatro longas improvisações – Lacerate (15:52), Electro (06:45), Onslaught (12:38) e Miss Big Meen (10:17) – preenchem um programa pouco recomendável ao ouvinte menos treinado para este tipo de preparações, à base de som electroacústico sem preocupações de enfeite ou arredondamento, de que estão ausentes os sinais identitários de qualquer das múltiplas manifestações do jazz. Noutro registo e num ambiente de abstraccionismo, Parker, Drumm e Zerang fazem soar guitarra, electrónica e percussões como se de uma unidade sonora se tratasse, um 3 em 1 muito bem cerzido e coerente, em que o que conta é encontrar uma boa base de entendimento a partir de estruturas noise reforçadas pela acção da maquinaria de Kevin Drumm, às quais as guitarras e a percussão acrescentam movimento, forma e densidade. É assim que o corpo digital se vai modulando, cabendo a Zerang dar-lhe o acabamento final, ligando-o à terra através de timbres mais reconhecidamente orgânicos. É desta dialéctica que nasce um dos pontos fortes de "Out Trios Volume Two”, além dos que permitem apreender um conjunto de novas pistas e soluções estéticas variadas com que se pintam as cores da música improvisada actual vinda dos lados do jazz mas que com ele poucas afinidades possui. "Out” é o adjectivo que aqui cabe por inteiro, mas não tão em extremo que chegue para a comprometer a coerência e a concisão do projecto.
Jeff Parker / Kevin Drumm / Michael Zerang – "Out Trios Vol.2" (Atavistic)

 
 

Para os fans dos Tortoise é um banquete. Para os que ainda não são, também. “Lazarus Taxon”, recém-editado pela Thrill Jockey, reúne em 3 CDs, mais 1 DVD, um conjunto amplo de raridades do grupo norte-americano, composto por material não editado de há 12 anos para cá, registos ao vivo, singles, EP’s, sobras de discos, e pela reedição do esgotado álbum de originais de 1995, “Rhythms, Resolutions & Clusters”, remisturado e remasterizado. Interessante apanhado de uma parte da actividade do grupo onde ainda residem Jeff Parker, John Herndon, John McEntire, Doug McCombs, Dan Bitney, e por onde passaram Dave Pajo e Bundy K. Brown. A edição, luxuosa, é ilustrada com um livrete de 20 páginas, onde se conta a história em texto e fotografia. Em Portugal a distribuição é da oportuna Dwitza!

 
25.8.06
 

No âmbito do programa artístico do Fórum Gulbenkian Imigração, dia 8 de Setembro, no Anfiteatro ao ar livre da Fundação Gulbenkian, às 21h30, actua CONTRA-BANZO, quinteto de Alípio C Neto (saxofones e flautas), Jean-Marc Charmier (trompete e acordeão), Felix de Barros (piano), Ben Stapp (tuba) e Rui Gonçalves (bateria).

«Banzo: (Do kimbundu ku banza, pensar, raciocinar) – Admirado, aparvalhado, pensativo. Termo usado para denominar o estado de depressão profunda com que os escravos desembarcavam dos navios negreiros no Brasil. Alípio C. Neto, saxofonista brasileiro (Floresta, Pernambuco) radicado em Portugal há uma década. É, hoje, uma das referências incontornáveis da linguagem do jazz feito em território português. Este quinteto multinacional é um espelho das relações sociais e multi-étnicas presentes em Lisboa».

 
24.8.06
 


Jean D.L. - To Look Out Of The Window (eDogm 014)

 
 

Típica sessão de free blowing do Exuberance, quarteto cooperativo do saxofonista tenor Louie Belogenis, com o trompetista Roy Campbell, o contrabaixista Hilliard Greene e o baterista Michael Wimberly. “Live at Vision Festival” (Ayler Records) capta a tórrida actuação do quarteto na oitava edição (2003) do festival nova-iorquino, concerto que se seguiu ao do duo de Peter Brötzmann e Milford Graves. Imagine-se a temperatura a que o forno já se deveria encontrar... . O conjunto das quatro peças de composição instantânea – Invocation (15'25), Procession (21'12), Evocation (4'55) e Incandescence (5'41) – espelham a bravura e a actividade electrizante de um grupo solidamente ancorado na energy music dos anos sessenta, ávido por praticar um neo-free que, sumariando todo o léxico do passado, actualiza os propósitos à luz das novas movimentação que, de Los Angeles a Nova Iorque, passando por Chicago, têm vindo a recolocar a improvisação livre de matriz norte-americana no centro das atenções do público e da crítica, por obra e graça da sua transformação e reconfiguração formal e substancial. Vinho velho em vasilha nova ou vinho novo em garrafa antiga, o que conta aqui é a qualidade do nectar. Por isso, ergo o copo e bebo com gosto à saúde destes paladinos do expressionismo no jazz de ontem, hoje e de amanhã. Extremismo radical? Nem por isso. Basta ouvir "Live at Vision Festival" para se perceber que a matéria-prima com que o quarteto trabalha são as emoções, ora suaves e dolentes, ora intensas e ao rubro.
Uma chapelada especial merece Jan Ström, pela oportunidade de dar a conhecer esta música, que, sem a sua militante actividade, provavelmente nunca teria passado para cá das portas do Vision Festival.
Exuberance - Live at Vision Festival (Ayler Records)

 
 

Pauline Oliveros, 50 anos dedicados à inovação nas artes da improvisação, música electrónica, ensino, investigação, meditação e prática das artes de ouvir, reagir e interagir musicalmente. Entre tantas outras obras, conta-se a interessante peça "Six for New Time (for Sonic Youth)", de 1999, incluída em "Goodbye 20th Century" (SYR), que é bem o exemplo da cartilha que alia a prática à teoria: Deep Listening. O disco alberga interpretações dos Sonic Youth de peças compostas por Christian Wolf, John Cage, Takehisa Kosugi, Yoko Ono, Steve Reich, James Tenney, George Maciunas, Nicolas Enfantine e Cornelius Cardew.

 
23.8.06
 
027-2006
O sonho antes de acordar, quando as formas começam a ganhar contornos e a consciência começa a organizar os últimos fiapos de matéria irreal. Em “Hidden Name”, Stephan Mathieu e Janek Schaefer, cúmplices de anteriores apresentações públicas, como os festivais MUTEK/2002 (Canadá) e Musica Genera/2005 (Polónia), tornam perceptível essa passagem de forma plasticamente sedutora, oscilante e circular no movimento cíclico de ampla e planante espacialização. A acção passa-se no meio das paisagens naturais e ambiente bucólico de que beneficiaram os artistas aquando da estadia conjunta no Verão de 2005 na Manor Farm House, uma cottage propriedade de um compositor de música clássica, situada algures no Sul de Inglaterra.
No local, Stephan Mathieu e Janek Schaefer usaram instrumentos acústicos e electrónicos, e gravações de campo. O som foi posteriormente tratado no York Music Research Center, estúdio em Inglaterra tecnologicamente apetrechado para o efeito. Do trabalho de composição, montagem e edição resultou uma música carregada de sugestões pastorais envoltas em finas camadas de neblina, que ora ameaça chuva eminente, ora anseia pelo sol que a há-de dissipar.
Na mistura é possível identificar estática e estalidos de discos vinyl, vozes humanas, canto de pássaros e uma infinidade de camadas sobrepostas de sons instrumentais (piano, violino, clarinete, violoncelo, flauta, acordeão, cítara, sinos…), transformados, processados e harmonizados em estúdio, via computador. Há aqui uma interessante dimensão conceptual de corpos em suspensão, que se vão transformando lentamente, texturas unidimensionais que se tornam progressivamente mais complexas ao sabor de movimentos lentos e formalmente despojados, em que o que conta sobretudo é a tensão que prenuncia algo que está para acontecer. O mistério adensa-se e permanece por desvendar, por muito que se ouça “Hidden Name”, um disco especial. Edição recente da portuguesa Crónica Electrónica, distribuída por Matéria Prima. Design de M. Carvalhais.

 
22.8.06
 

As ondas agitam-se na West Coast: há novo disco (quinto e duplo) do excelente Empty Cage Quartet, gravado ao vivo no Café Metropol de Los Angeles, em 30 de Dezembro de 2005. Jeff Kaiser (pfMENTUM) edita "Hello the Damage!". Um dos grandes deste ano, aposta minha.

Jason Mears, Kris Tiner, Paul Kikuchi e Ivan Jonson, membros do ex-MTKJ Quartet, actual Empty Cage Quartet, parecem surgir do nada; porém, a fervura que levantam e a segurança com que evoluem denotam duas coisas importantes: primo, o facto de tocarem juntos há um bom bocado, o que faz com que os procedimentos internos fluam naturalmente. Qualquer hesitação ou eventual engasgamento resolve-se com os sinais invisíveis (mas perceptíveis) que os músicos trocam entre si, que também servem para “escrever” colectivamente a música em cada momento; secundo, estes californianos ouviram muita música. Deliberadamente incorporam memórias de alguns emblemas marcantes, como os pequenos grupos de Vinny Golia (quartetos e quintetos), mais próximos cronológica e geograficamente, ou o quarteto de Anthony Braxton, na versão com Kenny Wheeler, Dave Holland e Barry Altschul, antes de George Lewis fazer a sua aparição, substituindo o trompetista, e arrasar a assistência em Dortmund, 1976. O grupo de Mears, Tiner, Kikuchi e Jonson increve-se no continuum evolutivo que vem na linha do trabalho das citadas “grandes forças” goliana e braxtoniana, no que elas têm de mais profundo e inventivo, ao mesmo tempo que ensaiam voltas, quebras e mudanças discursivas que pertencem a um mundo comum.
O disco do Empty Cage Quartet é dos que ganha com sucessivas audições. Ao fim de algum tempo o patchwork sonoro ganha vida, adquirindo a rara qualidade de soar simultaneamente a clássico e a moderno.

 
 

Em 2003, o psicólogo e investigador britânico Geoffrey Wills publicou no The British Journal of Psychiatry, «Forty lives in the bebop business: mental health in a group of eminent jazz musicians», um estudo sobre psicopatologia tendo por base uma amostra de músicos de jazz da época do bebop. A partir de factos biográficos de 40 músicos de jazz, entre os quais Willis diagnosticou a existência de níveis de distúrbios psicopatológicos semelhantes aos encontrados em grupos de criadores de outras formas de arte, estabelecendo embora novas conexões entre criatividade e desequilíbrio psíquico, a partir do consumo de drogas e da disfuncionalidade familiar. Ou seja, já se sabia empiricamente que quanto mais desequilibrados, melhor; faltava só a bênção da ciência que estuda as complexidades da psique humana. Charlie Parker (1920-1955), apontado como paradigma desta tese, consumia quantidades elevadas de drogas e álcool, sofria de depressões, e no entanto a sua criatividade manteve sempre um nível muito elevado. O concerto no Massey Hall, em Toronto, que data de Maio de 1953, com Dizzie Gillespie, Max Roach, Chalie Mingus e Bud Powell – considerado um exemplo máximo da sua arte – aconteceu entre dois internamentos hospitalares por distúrbios psiquiátricos seguidos, um em Camarillo e outro no Bellevue Hospital, de Nova Iorque.
Também a ler no mesmo The British Journal of Psychiatry: «'Kind of Blue': Creativity, Mental disorder and Jazz», um estudo de Rob Poole (2003).

 
 

Ora aí está um documento a não perder: AZIONE, duplo CD+DVD do Gruppo di Improvvisazione Nuova Consonanza, editado por Die Schachtel. Um conjunto alargado de inéditos do grupo de Ennio Morricone, Ivan Vandor, Roland Kayn, Franco Evangelisti, Walter Branchi, Mario Bertoncini e John Heineman. Noise, electrónica e free jazz europeu de um período importante, que cobre os anos entre 1967 e 1969, inclusive. Qem já conhece "Musica Su Schemi" (Ampersand) sabe do que se trata.

 
21.8.06
 

Johann Bourquenez, da netlabel francesa eDogm, pianista membro do duo Tlön 5 que mantém activo com o saxofonista Eric Pailhé, instalou um slideshow de fotografias que fez durante a Primavera de 2006, em Xangai, China, onde se encontra a residir. Vale a pena deitar um olho.

 
 
Space Is The Place
The Lives And Times Of Sun Ra

John F. Szwed

 
 
"The Vampire's Revenge", a mais recente realização de Dom Minasi, compositor, guitarrista e impovisador, é um acontecimento de se lhe tirar o chapéu, ao nível da composição, arranjos e execução. Os dez temas deste concept album, inspirados em "Entrevista com o Vampiro", de Anne Rice, abordados numa perspectiva humorística (Who’s Your Dentist? e Just One More Bite, por exemplo), são todos da escrita inspirada de Dom Minasi, mais conhecido pelos Blue Note dos Anos 70, “When Joanna Loved Me” (1974) e “I Have the Feeling I’ve Been Here Before” (1975), e, mais recentemente, por uma incursão na CIMP em nome próprio (“Finishing Touches”) e por outra com Blaise Siwula ("Dialing Privileges").
Os arranjos de "The Vampire's Revenge", complexos desenvolvimentos das composições, servem de ponte entre a escrita e a improvisação, a cargo de um grupo alargado de 22 músicos, no total, dispostos em pequenos grupos a partir de uma base fixa de três, formada por Dom Minasi (guitarras de 6 e 12 cordas), Ken Filiano (contrabaixo e electrónica) e Jackson Krall (bateria). Todos os outros participantes têm o estatuto de convidados especiais, autêntico who’s who da cena improvisada de Nova Iorque: Perry Robinson (clarinete), Joe Giardullo (saxofone soprano), Jason Kao Hwang (violino), Tomas Ulrich (violoncelo), Joe McPhee (saxofone tenor), Sabir Mateen (saxofone tenor), John Gunther (saxofones), Ras Moshe (sopros), Blaise Siwula (saxofone alto), Mark Whitecage (saxofone alto), Paul Smoker (fliscórnio), Herb Robertson (trompete), Steve Swell (trombone), François Grillot (contrabaixo), Borah Bergman (piano), Matthew Shipp (piano), Carol Mennie (voz), Peter Ratray (recitação) e Byron Olson (direcção de orquestra).
Duas horas de música numa suite de improvisação gravada ao primeiro take (o som de Joe Rosenberg é nada menos que primoroso), balizada por secções escritas ancoradas no trabalho de Minasi, Filiano e Krall – a ponte através da qual se processam as trocas entre as participações individuais e o ensemble. Dom Minasi compôs as secções escritas tendo em mente cada um dos improvisadores escolhidos, de tal forma que, coerentemente, a música escrita acaba por soar a improvisada e vice-versa. Minasi evitou entrar pela via da jam session, criando melodias distintas entre movimentos, estruturas que se articulam com os tempos livres (chaos in time) numa linguagem versátil e inovadora, cuja gestão ficou inteiramente a cargo de cada solista. O acabamento especial nas peças de maior fôlego, em que chegam a participar 15 músicos de uma vez, é dado pela direcção de Byron Olson, responsável pela harmonização das transições.
Dom Minasi - The Vampire’s Revenge (CDM Records)
CD BabyNorth CountryDowntown Music GalleryAmazonJazz LoftVerge SquidCo

 
19.8.06
 

Graewe / Reijseger / Hemingway Trio

Georg Graewe (piano), Ernst Reijseger (violoncelo) e Gerry Hemingway (bateria). Trio de jazz-improv de câmara, elevado à máxima potência. Com largo rasto deixado em editoras tão diversas como a Hat Art, Sound Aspects, Music & Arts, Random Acoustics ou a Nuscope, em Abril passado o trio estreou-se na Winter & Winter com este sétimo título, "Continuum", Phases 1 a 10.

 
18.8.06
 

Lisbon Improvisation Players (LIP) featuring Dennis González
ao vivo no Hot Club de Portugal, 16 e 17 de Agosto/2006

Zé Eduardo, Rodrigo Amado, Bruno Pedroso e Dennis González
(fotos: Crista)

 
 

Mike Westbrook não há-de certamente ser um estranho para quem ouve jazz para além dos nomes mais óbvios e que imediatamente saltam ao caminho. O britânico, compositor, regente de orquestra e pianista, anda há tanto tempo na cena e a fazer coisas tão importantes que desconhecê-lo sem merecer castigo só em caso de surdez ou de tenra idade. De anos de vida leva Westbrook 70, contados e medidos há pouco tempo. De actividade, mais de 50, sempre com um pé na forma, outro a pisar terreno desconhecido. Em Março passado, a BBC Radio 3 (Jazz on 3) emitiu parte de um concerto gravado em estúdio, o mesmo que agora repete, na íntegra. Com Mike Westbrook participam Kate Westbrook (voz), Chris Biscoe, Pete Whyman (saxofones), Tim Harries (contrabaixo) e Seb Rochford (bateria). View From the Drawbridge.

 
 

Cecil Taylor
Destination Out: Cecil Taylor, "For Olim" e "Winged Serpent"

 
 

The image “http://www.schl8hof.wels.at/contentimage/20unlimited/bastelei_startpage%20Kopie.jpg” cannot be displayed, because it contains errors.

unlimited XX nov. 10.11.12. wels austria

the queen mab trio (can, nl)
ig henneman, lori freedman, marilyn lerner
guitar quartet (usa, gb, i, f)
fred frith, camel zekri, paolo angeli, janet feder
wadada leo smith & golden quartet
feat. woody aplanalp, john lindberg, nasheet waits
mohammed jimmy mohammed "takkabel!" (eth)
feat. mesele asmamaw, asnake gebreyes
irène schweizer & hamid drake (ch, usa)
here comes the sun (ö, d)
gunter schneider, barbara romen, kai fagaschinski
charming hostess (usa)
jewlia eisenberg, marika hughes, cynthia taylor
carla kihlstedt & stevie wishart & fred frith (aus, usa, gb)
iswhat?! (usa)
napoleon madax, jack walker, claire daly, joe fonda, hamid drake
wolke is immer 5 (d, a, i)
margareth kammerer, c. kurzmann, m. thieke, kai fagaschinski
zeena parkins "kitsu-ne" (usa)
thermal (gb, d)
john butcher, thomas lehn, andy ex
attwenger feat. fred frith (a, usa)
markus binder, hans-peter falkner, fred frith

 
16.8.06
 

"Sound" (1966-67) - John Cage & Roland Kirk


 
 

Releitura vandermarkiana de originais de Sun Ra e Funkadelic. É o que apetece.


 
 
LISBON IMPROVISATION PLAYERS (LIP)
Rodrigo Amado_saxofone
Dennis González_trompete
José Eduardo_contrabaixo
Bruno Pedroso_bateria
HCP, Lisboa, 16 e 17 de Agosto



 
 

Entretenimento de Verão. Como fazer castelos na areia à beira-mar. A ferramenta da gnod, cuja inteligência artificial funciona para literatura, música e cinema, dá para passar um bom pedaço a tentar perceber as ligações e as associações de ideias que a máquina estabelece, umas mais óbvias, outras menos, outras ainda totalmente improváveis. Ou talvez não. Por exemplo, para Sun Ra deu-me isto.

 
 

Consta que o David S. Ware Quartet, depois da digressão europeia de 1999 – aquela em que estreou o então novo baterista, Guillermo E. Brown, e que incluiu Lisboa no roteiro com um concerto no CCB que jamais esquecerei – uma vez regressado a Nova Iorque, teria pensado em aproveitar o balanço e gravar um disco de originais. A sessão ficou marcada para o dia seguinte à chegada. Porém, David Spencer Ware, Matthew Shipp, William Parker e Guillermo E. Brown estavam cansados demais para encetar nova aventura do DSWQ, pelo menos ao nível do investimento em energia que cada novo disco requer. Vai daí, ter-se-ão dado conta de que a única via possível seria enveredar por um programa inteiramente dedicado às baladas e a outros movimentos lentos, sem abandonar os restantes sinais identitários de uma das mais carismáticas formações do free jazz actual. Não sei se foi como antecede (versão oficiosa), ou se foi opção deliberada do quarteto mudar pontualmente para um registo mais intimista, o certo é que o disco foi gravado em 1999 e está às portas da rua. “Balladware” tem edição marcada para 26 de Setembro, na Thirsty Ear (the Blue Series).

 
 

Exile - Dan Clucas/Immediately

Os 47 minutos de “Exile”, disco do cornetista Dan Clucas (Albuquerque, New Mexico) a bordo do quinteto Immediately, ouvem-se como um "ai que mal soa". Com Brian Walsh (clarinete e saxofone tenor), Noah Phillips (guitarra eléctrica), Michael Ibarra (contrabaixo) e Rich West (bateria), assinou um dos melhores discos de 2005. Exemplo da vitalidade do jazz da Costa Oeste dos EUA, “Exile”, gravado em Los Angeles, recebe influências de vários pontos cardeais: Vinny Golia, mais próximo, e a tríade Monk-Ra-Ornette, que por aqui paira sem localização concreta e determinada. Clucas, também membro dos grupos Dead Air, Brassum (de Mark Weaver), Congress e Ockodektet (de Jeff Kaiser), inspira-se no som de trompete de Bobby Bradford, a quem dedica um dos seis temas de “Exile”. Apesar de já ser um nome feito em dezena e meia de anos de percurso, Clucas conseguiu surpreender a comunidade com a sua escrita e improvisação originais, direcção musical eficiente e som colectivo potente, concentrado e amadurecido. Sem dúvida, um dos bons trunfos artísticos da pfMENTUM, editora de Jeff Kaiser, outro grande compositor e trompetista da West Coast.

 
15.8.06
 
GratHovOx - Frank Gratkowski / Fred Van Hove / Tony Oxley
One for the road...


 
 

A sair muito em breve:
- Frode Gjerstad Trio, com W. Parker e H. Drake - The Other Side (Ayler Records);
- Peter Brötzmann/ Sonny Sharrock - TBD (Atavistic / Unheard Music Series);
- Fred Anderson - Neighbours (Atavistic / Unheard Music Series).

 
 
Photobucket - Video and Image Hosting

Lisbon Improvisation Players (LIP) no Jazz em Agosto / 2006

Photobucket - Video and Image Hosting

Pedro Gonçalves, Bruno Pedroso, Rodrigo Amado e Dennis González
(Fotos: Crista)
 
14.8.06
 


Ivo Perelman - Suite for Helen F.

 
 

Peter Brötzmann e Michael Zerang - LIVE IN BEIRUTE (Al Maslakh)

al maslakh (the slaughterhouse) is a ufo created to publish the unpublishable in the lebanese artistic scene

 
 

«(...) Rome à la fin du XVIe siècle est avec Florence le berceau des premières expériences musicales issues de cette conception nouvelle de l'art «représenté», partagée par les intellectuels, artistes et penseurs. Dans la musique, cette tendance s’accommode d’un art spécifiquement romain: celui de la diminution, de l’improvisation vocale. Cette technique certes ancienne - dans toute l'Europe on chantait «à livre ouvert» depuis longtemps - trouve à ce moment un extrême développement mettant en relief le caractère solistique de l'improvisation. C’est pourquoi l'on trouve à Rome probablement les plus beaux exemples de diminutions vocales, souvent sur des faux-bourdons, que de très rares éditions ont heureusement immortalisés. Plus tard dans le siècle, André Maugars, vantant la supériorité des compositions italiennes sur les françaises, décrit encore cette pratique comme étant l’apanage des musiciens romains: "Mettons, Monsieur, la main sur la conscience, et jugeons sincèrement si nous avons de semblables compositions [en France] ; et quand bien nous en aurions, [qu'] il nous faudrait un long temps pour les concerter ensemble, là où ces musiciens italiens ne concertent jamais mais chantent tous leurs parties à l’improviste"». - Vincent Dumestre
Emilio de' Cavalieri - "Lamentationes Hieremiae Prophetae"
Le Poème Harmonique, direction Vincent Dumestre (Alpha)

 
 

Dando sequência aos eventos Netaudio’05, de Berna, e ao subsequente Netaudio V2.05, que se realizou em Colónia, Londres acolhe a terceira edição do festival Netaudio’06, The London Netlabel Festival – encontro mundial de artistas, activistas e editoras do mundo da edição e distribuição musical via Internet, em formato digital. Dias 15 e 16 de Setembro, em Londres (Candid Arts Centre e Electrowerkz), tem lugar a festa da música electrónica nas suas variadas expressões, com concertos, instalações audiovisuais, debates e uma feira do conhecimento que permitirá aceder ao último grito da tecnologia ao serviço das netlabels.
Participam os seguintes artistas: Autistici (Reino Unido), Barem (Argentina), Cheju (Reino Unido), Digitalverein (Alemanha), DNCN (Reino Unido), Dual Perception (Alemanha), Gagarin (Reino Unido), Hopen (Suiça), Kabale und Liebe (Holanda), Kollektiv Turmstrasse (Alemanha), Krill.minima (Alemanha), L'embrouille (França), LRAB (Reino Unido), Mathon (Suiça), Megaheadphoneboy (Reino Unido), Mint (Reino Unido), Miss Fitz (Alemanha) Molair (França), Pheek (Canadá), Phiorio (Reino Unido), Planet Boelex (Finlândia), Quip (Reino Unido), Receptor (Chile), Sepia Hours (Bélgica), Si_Comm/S.E.T.I/N-Spaces (Reino Unido), Sr. Aye & Decolora (Espanha), Steevio & Suzybee (Reino Unido), 3Carbine (Reino Unido), Stalker (Alemanha), Tea*more (Alemanha), Urban Force (Alemanha).

 
13.8.06
 

Debutada em Maio de 2005 no Festival International de Musique Actuelle de Victoriaville (FIMAV), no Canadá, a «Composition No 345» voltou a ter em Lisboa um tratamento de leitura, hermenêutica e improvisação idêntico ao que ali recebera, servida pelo mesmo naipe de instrumentos e instrumentistas do recente Anthony Braxton Sextet, uns e outros pouco usuais no figurino braxtoniano de hoje ou de antanho: Anthony Braxton (saxofones alto, soprano e sopranino), Taylor Ho Bynum (trompetes e trombone), Jay Rozen (tuba e percussões) Jessica Pavone (violino), Chris Dahlgren (contrabaixo), Aaron Siegel (bateria e vibrafone).
A peça exibida expõe em toda a diversidade o que se poderia chamar de Braxton‑síntese virado para o futuro, ou “ancient to the future”, como diriam os Art Ensemble of Chicago. Sem apresentar uma revisão do tipo colagem das referências de uma carreira já longa e das mais profícuas, nem uma viagem à vol d’oiseau sobre os diferentes marcos de um percurso único, porém, incluiu sinais mais ou menos nítidos dos tempos fundacionais da AACM de Chicago, das primeiras “3 Compositions of New Jazz”; da Creative Construction Company, com Leroy Jenkins e Wadada Leo Smith; passou pelo estádio do Quarteto com Marilyn Crispell, Mark Dresser e Gerry Hemingway (London, Conventry, Bermingham...), e sobrevoou as meditações matemáticas fortemente geometrizadas da Ghost Trance Music.
Sem se deixar aprisionar por uma abordagem explicitamente ligada a qualquer daquelas formulações, ou outra porventura mais encostada quer à tradição do jazz, quer à da composição escrita contemporânea, liberto dos compromissos estéticos próprios e alheios, mantém contudo bem vivos e presentes todos os elementos que compõem o seu “sistema” musical, actualmente virado para a descoberta de outros sons, em particular do noise, de que é exemplo a recente, e antes insuspeitável, actuação ao vivo no Victoriaville com os Wolf Eyes, especialistas na matéria, e que gerou um dos maiores bruás no meio da música improvisada. Fazendo jus a esta inclinação, perto do final da peça, o contrabaixo com arco e pedal a fundo de Chris Dahlgren, com o resto da banda no seu encalço, concorria com os aviões que sobrevoavam o espaço aéreo, com vantagem para o contrabaixista.
Porque Braxton, goste-se mais ou menos da sua música, é sem dúvida um compositor e um improvisador que inventou a sua própria linguagem; a partir de múltiplas influências, é certo, soube transformá-la ao longo dos diferentes ciclos por que passou a obra do Professor, permitindo ao ouvinte antecipar novidades para os tempos que se avizinham.
Braxton multi-dimensional, o velho Braxton e o novo Braxton, menos interessado em balanços que em fixar um olhar prospectivo, deu sinais de que, com estes músicos, um grupo coeso e de elevado nível técnico e artístico, está pronto para cavar ainda mais fundo.
Não há muito mais a dizer sobre Anthony Braxton que ainda não tivesse sido dito. Quanto a esta actuação em particular, apenas acrescentaria que foi uma viagem física, emocional e espiritual extraordinária, como só pode proporcionar um músico com a espessura artística de Anthony Braxton, um dos maiores teóricos, pensadores e criadores da música do último meio século.
Esta foi a melhor maneira de encerrar a edição de 2006 do Jazz em Agosto, festival que este ano apresentou um cartaz cuja qualidade média atingiu um nível bastante elevado.
Anthony Braxton Sextet
Sábado, 12 Ago 2006, 21:30 - Anfiteatro ao Ar Livre da F. Gulbenkian

 
12.8.06
 

Da esquerda para a direita: John Tchicai, Evan Parker, Steve Lacy, Willem Breuker e Peter Brötzmann, ao vivo no Deutsches Theater, Berlim, 1978. Vinte e sete anos depois, em 2005, Evan Parker e John Tchicai encontraram-se de novo em Londres, onde Tchicai se deslocara para uma sessão "with strings" com John Coxon e Ashley Wales (Spring Heel Jack). O grande saxofonista afro-dinamarquês, que tocou com Albert Ayler, John Coltrane ("Ascension"), Archie Shepp e Don Cherry, gravou uma série de duetos com uma secção de cordas para a Treader, editora dos Spring Heel Jack. Entretanto, teve ainda tempo para gravar uma série de duetos e conversar animadamente com Evan Parker, para a BBC Radio 3. Esta semana o "Jazz on 3" emite ambas as sessões em webcast.

 
 

Sexta-feira à noite, sexto dia do Jazz em Agosto/2006. No Anfiteatro ao Ar Livre da Fundação Gulbenkian, actuou o Claudia Quintet, do baterista John Hollenbeck, com Chris Speed (clarinete e saxofone tenor), Ted Reichman (acordeão), Matt Moran (vibrafone) e Drew Gress (contrabaixo).
Claudia não aqueceu nem arrefeceu. Talvez tivesse aquecido há uma década atrás, quando estava no auge a moda de grupos como Pachora, Sex Mob (Chris Speed é comum aos três, Claudia incluído) e outros antigos emblemas da Downtown de Nova Iorque, que então faziam furor. Eram tempos em que na Casa Branca mandava um saxofonista... . Mas isso foi chão que deu uvas e o que antes era excitante, hoje, mesmo actualizado com pozinhos a la Tortoise, grupo que actualmente não valeria uma deslocação daqui para ali, soa aborrecido e demasiado previsível no uso diversos códigos de linguagem que incorpora. As composições – todas saídas da mesma forma, atmosferas mescladas de jazz progressivo, pop, fusion, new age e post-rock, melodias orelhudas enfadonhamente bem encarreiradas e com muita falta de sal, batida groove-oriented – não guardam surpresas (parece até que há uma congénita aversão ao risco) nem acidentes nas curvas do caminho. No entanto, tudo é muito competente e bem tocado, irrepreensível até, e cheio de piscadelas de olho ao ouvinte, captando a sua cumplicidade simpática ou condescendente.
Poucos foram os momentos de empolgante improvisação, pois o grupo optou por navegar sempre ao longo da costa, a cumprir quase estritamente o que vinha escrito no papel e está registado em disco. Foi só levar ao micro-ondas. Contou a favor um ou outro solo de Chris Speed, com tempo e espaço para fazer umas flores (melhores e mais vistosas no clarinete que no sax tenor, cujo som careceu de projecção) e um ou outro solo de Ted Reichman no acordeão, instrumento que, afora isso, não estava ali a fazer praticamente nada. Matt Moran cumpriu como colorista, e Drew Gress, bom, preferia tê-lo ouvido noutro contexto, por exemplo no seu quarteto com Tim Berne, Uri Caine e Tom Rainey, propulsor e mais flexível, não tão abafado pela marcação da toda poderosa e omnipresente bateria.
De todo o modo, assistir ao Claudia Quintet não foi perda de tempo; aceita-se como quem toma uma refeição ligeira, um snack apto a ser consumido em noites de Verão. Mas com cuidado, não vá a gente comer o plástico colorido do embrulho junto com o pastel de massa tenra. Maior ainda teria sido o risco para quem, distraído, achasse graça à graciosidade nerdish de Hollenbeck, exposta e repetida nas explicações que entendeu dever dar sobre os temas e outras matérias avulsas. O que afirmara musicalmente, de tão acessível e facilmente compreensível, explicado estava, sem necessidade mais delongas, alusões a latere e suplementares contributos para uma boa apreensão da mensagem. Um inesperado bónus de stand-up comedy. Quem disse que não houve surpresas?
Claudia Quintet
Sexta-feira, 11 Ago 2006, 21:30 - Anfiteatro ao Ar Livre da F. Gulbenkian

 
11.8.06
 
Quinta, 10 Ago 2006, 21:30 - Anfiteatro ao Ar Livre

Nasceu torto mas foi-se endireitando, o concerto do Craig Taborn's Junk Magic, que ontem à noite actuou no Anfiteatro ao Ar Livre da Fundação Gulbenkian, ao quinto dia do Jazz em Agosto/2006. Ao segundo tema, som frouxo, sem pulso nem intenção, sentia-se a água perigosamente a subir do lago ao fundo e a invadir a plateia, dando origem àquela que ameaçava vir a ser uma memorável “banhada” desta edição do festival. Mas não, ao terceiro ensaio, o quinteto de Craig Taborn (piano, teclados, samplers), Mat Maneri (viola), Mark Turner (saxofone tenor), Erik Fratzke (baixo eléctrico) e Dave King (do trio The Bad Plus, em bateria acústica e electrónica) logrou corrigir o tiro, realinhar a trajectória e avançar tranquilamente até final.
O conceito que Craig Taborn pretende trabalhar com o Junk Magic vem de trás, das experiências que começou com o Hard Cell e até antes, com The Shell Game, de Tim Berne e Tom Rainey. Partindo de alguns pressupostos estéticos comuns, Taborn alarga os espaços por entre os interstícios da composição, abrindo-os à criatividade da improvisação controlada, donde resulta um trabalho em que o jazz e as suas memórias (nas quais se incluiu um sampler da recitação de David Moore incluída no disco de 1967 de Muhal Richard Abrams, “Levels and Degrees of Light”) convivem com a composição contemporânea e a contaminação electrónica, acentuada pelos loops e pela “sujidade” colorida do piano eléctrico.
Talvez porque o grupo se tivesse ressentido das entradas e saídas de pessoal, ocorridas desde a gravação do disco homónimo para a Thirsty Ear, em que figurava Aaron Stewart em lugar do inexpressivo Mark Turner que se ouviu na Gulbenkian, a que se somou o recrutamento de Erik Fratzke, em baixo eléctrico; ou porque esta música conviva melhor com o conforto intra-muros do estúdio, notaram-se alguns desequilíbrios entre momentos em que tudo estava a funcionar muito bem, e outros que roçaram a decepção e o aborrecimento. Ainda assim, e longe de ter sido um concerto marcante, de um modo geral entreteve satisfatoriamente, com bom gosto e a promessa de mais trabalho e investigação numa área particular do electro-jazz para o Séc. XXI, esta em que o Junk Magic se posiciona, ainda à procura de uma saída da floresta de clichés que abundam neste suposto “mundo novo”.
O ponto mais alto da actuação de um grupo que, aqui e ali, deixou soltas algumas ligações entre pontas – o que se resolve com maior rodagem – foi o trabalho do excelente Mat Maneri, tanto nos uníssonos com Turner e Taborn, como nos cruzamentos oblíquos sobre os teclados, o homem que mais parecia querer remar contra a maré, que ora subia até ao peito, ora se deixava ficar pelo tornozelo. Até que se chegou ao encore, altura em que, acertadas as posições e oleada a máquina, finalmente o grupo assumiu o controlo absoluto, terminando como deveria ter começado. Sintomaticamente, voltou a ouvir-se a citação de Muhal Richard Abrams.
Craig Taborn's, Junk Magic
Quinta-feira, 10 Ago 2006, 21:30 - Anfiteatro ao Ar Livre da F. Gulbenkian

 
 

Só agora soube da notícia da morte do pianista Irving Sidney Jordan, mais conhecido por Duke Jordan, ocorrida a 8 de Agosto, em Copenhaga, Dinamarca. Jordan, que contava 84 anos, nasceu em Nova Iorque a 01.04.1922, e vivia em Copenhaga desde 1978. Histórico do bop, tocou com Charlie Parker, Sonny Stitt, Stan Getz, Sheila Jordan e muitos outros, tendo dirigido os seus próprios combos. Gravou intensamente para a editora dinamarquesa SteepleChase, onde se encontra registada parte apreciável da sua extensa obra discográfica. "Flight to Denmark" (1973), com Mads Vinding e Ed "Mr. Taste" Thigpen, é ainda um marco na história recente do trio de piano. RIP, Duke.

 
10.8.06
 

On The Way Out :: music from the NY Underground
a monthly series of free jazz and other experimental forms of music

The Backroom
485 Dean Street at 6th Ave
Brooklyn, NY

 
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  •  Na edição de 2012 do Festival Música Viva, esta q...
  • Fabula (CS 220) dá título à peça única improvisaç...
  • Jazz em Agosto 2012
  • jonas kocher ~ solo Alors que son précédent di...
  • lefolk – weather to shore lefolk is audio/video a...
  • Cecil Taylor, Wadada Leo Smith, Peter Brötzmann,...
  • Sun Ra: Space Is the Place[UbuWeb] Avant-garde jaz...
  • Tem saída prevista para Março próximo, na norte-am...
  • RELENTLESS (Sébastien Branche & Artur Vidal) Met...
  • derrick hart – fall asleep to this [RB078] [http:/...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger