Image hosted by Photobucket.com
22.12.06
 

Atenção cuidada merece o trabalho das pequenas editoras. De modo discreto e sem alardes, lançam títulos que dificilmente entrarão nas listas dos melhores do ano, por falta de capacidade de se mostrarem ao público e aos opinion makers. Improvável é que consigam pagar os custos de produção. Mesmo assim, são centenas, milhares a operar por esse mundo fora, a maior parte das vezes por estrito amor à arte.
É este o caso da muito estimável Mutable Music, editora gerida e mantida pelo cantor norte-americano Thomas Buckner, barítono com uma vida inteira dedicada à música (participação nas óperas de Robert Ashley, colaborações com gente do jazz e de fora dele, como Alvin Lucier, Pauline Oliveros, Jerome Cooper, Roswell Rudd ou Roscoe Mitchell), seja via new music ou improvisação vocal (ou as diversas formas de ambas se recombinarem, daí o conceito de “mutabilidade”), e à edição discográfica, actividade esta última que iniciou com fundação da 1750 Arch Records.
Discretamente, de modo quase clandestino, vão surgindo novas edições no selo nova-iorquino, propostas sempre com elevado interesse estético e musical, que tanto apelam à mente como ao coração. Ou não fosse Thomas Buckner, ele próprio, um homem de requintado bom gosto, que procura dar a conhecer música “de alongamento”, que dificilmente se poderá encontrar noutras editoras, mesmo naquelas com maiores afinidades estéticas.
Na Mutable Music acaba de sair Totem, disco de “improvisações com a escultura de Alan Kirili”. Em 2005, Jérôme Bourdellon, flautista francês, recebeu Thomas Buckner em Paris, e, velhos conhecidos, foram ambos para o atelier do escultor Alain Kirili. O objectivo era gravar uma sessão de voz (barítono), flauta e shakuhachi, na presença interactiva de um conjunto escultórico intitulado Totem. Numa abordagem moderna em termos de posicionamento relativo, em que voz e flauta são dois instrumentos que estão ao mesmo nível, quer porque os instrumentistas, no caso concreto, possuem a mesma base “clássica”, quer porque os aspectos físicos da produção sonora e as estratégias de afirmação se adequam, explorando toda a gama de registos, timbres e coloratura, com caracterísicas tão amplas, combinando aspectos que se reconhecem na música antiga e na ópera moderna, shamanismo e poesia urbana. Resultou numa música transparente, fina e estaladiça como películas de gelo, que se derrete e evapora sem deixar resíduo. Poesia sonora, arte maior. Não se espera que passe na rádio.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Jane Ira Bloom, no TONIC a 6 de Janeiro. Apresenta...
  • (clique em cima para conseguir ler)
  • Está na altura dos top 10, que os há para todos os...
  • É o próprio senhor Dave Douglas quem conta a histó...
  • “Listen carefully, I shall say this only once”, c...
  • Olho nisto que a Water Records foi buscar ao sótão...
  • Afinal, do EXPRESSO nem só a indigente saraivada d...
  • Blue Cathedral? Hum? psycho noise?Ever heard howli...
  • Nunca disse isto a ninguém, nem mesmo como segredo...
  • BIG SATAN em sessão dupla. Como passar impune ao ...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger