Image hosted by Photobucket.com
29.4.06
 

Quatro composições de Steve Reich (n. 1936) executadas ao vivo com a participação do compositor, na inauguração do Museu da Universidade da Califórnia, em Berkeley, a 7 de Novembro de 1970 – "Four Organs", "My Name Is", "Piano Phase" (para dois pianos sincronizados) e "Phase Patterns". O concerto de Steve Reich & Musicians na UCB foi gravado e emitido via Bay Area FM radio. A emissão, apresentada por Richard Friedman, faz parte do acervo Other Minds Archive.

Da esquerda para a direita: Arthur Murphy, Phillip Glass, Jon Gibson ao centro, em maracas, Steve Chambers e Steve Reich (foto de Richard Landry). "This performance marked an important moment in Bay Area new music history with the triumphant return to the East Bay by Reich who studied at Mills with Berio and performed in 1964 in the world premiere of Terry Riley's "in C" at the San Francisco Tape Music Center".

"The resonant acoustics of the concrete interior museum were especially appropriate for Four Organs, with its long additive sustained chords over a maraca pulse. The capacity crowd occupied every conceivable area of the interior space, including walkway ramps suspended over gallery spaces. An electrifying evening!".

 
 

"Interconnexions": nova saída do trio suiço Diatribes (Laurent Peter: laptop, objectos, processamento; Cyril Bondi: bateria e percussão; Gaël Riondel: saxofones alto e tenor, clarinete, flauta) ainda no campo da experimentação e da improvisação livre com influências do jazz e da música electroacústica. Acesso através de descarga gratuita a partir da página da netlabel francesa Stomoxine Records.

"Diatribes voit le jour, sous le nom de d’incise d’où inductions, dans les sous-sols genevois en hiver 2004. L’idée était de mélanger trois sources de son distinctes (vent, percussion et électronique) pour développer une masse sonore malléable. Le saxophone et la batterie se confondent, avec le traitement de leur propre son en live, dans une danse primaire, brute, où construction et destruction coexistent, où envie et dégoût s’unissent. Le partage avec le public est intime et profond. Les rêves et les peurs deviennent bruit et silence.
Rencontre magnétique pour une formation explosant de désir d'une expression totalement libre, privilégiant l'interaction entre ses membres, l'intensité et la fluctuation du niveau d'énergie. Souffles, frémissements, crépitements, roulements, masses, fracas, chaos, entre free jazz et approche électroacoustique.
Rage trop longtemps contenue, sentiment quelque peu désabusé en regard d'une société dont l'avenir nous laisse dubitatif. Imprégnée du contexte urbain de nos vies, la matière sonore se construit, se déforme, s'arrache de l'emprise de la raison, implose et redeviens le rêve qui s'étale derrière nos paupières.".

 
 

A Rádio Universitária do Minho anuncia o concerto comemorativo do 17º aniversário do programa "Sójazz", a realizar no Museu Nogueira da Silva, em Braga, no dia 4 de Maio, com o Ravish Momin’s Tarana (EUA). Ravish Momin – percussão e voz; Jason Kao Hwang – violino; e Shanir Ezra Blumenkranz – oud e contrabaixo.

 
28.4.06
 
Discos para a minha Prima Vera!


Billy Bang Quartet - Valve no. 10 (Soul Note, 1988) - Querida prima, do violinista que esteve a guerrear no Vietnam, um disco pacifista (Holiday for Flowers!?), surpresas minhas q.b., o baixista Sirone a quem inicialmente tomei por William Parker, devo ter sido enganado pelo Scrapbook (Thirsty Ears), e o Frank Lowe no tenor, que sonoridade! Apesar dos nomes e passados guerreiros, não há batalha no ar, só beleza. A ouvir após o café da manhã, com a janela aberta.

Paul Bley - Sankt Gerold (ECM, 1996) - Cuidado prima, são variações austeras e austríacas de uma formação que joga há muito tempo (+Evan Parker+Barre Phillips) um jazz fora! de série. Um perfeito ECM ou o ECM perfeito?


Mat Maneri - Sustain (Thirsty Ear, 2002) - A prima Vera gosta tanto dos violinos que até espanta. O Maneri faz-lhe a vontade e toca vários deles, com uns tipos simpáticos, McPhee, W Parker, Taborn. A inSustaintável beleza do ouvir, à noitinha e em silêncio.


Bill Charlap - Written in the Stars (Blue Note, 2000) - Com quantas estrelas se escreve uma obra, prima? Não sei quantas, mas não chegam para este disco. A ouvir "pela calada da noite/in the still of the night", em viatura convertível mas acompanhada, porque a sós é perda, no entanto cuidado porque em Abriles, águas Miles.

William Parker - O'Neal's Porch (AUM, 2002) - A prima e o W. Parker foi paixão à primeira ouvista. Não passa ela sentadinha no alpendre, sem ouvir estes quatro tocando um jazz avançado. Um futuro clássico, para o fim de tarde.

Bernardo Sassetti - Ascent (Clean Feed, 2005) - Só para ateus e agnósticos convictos. Depois deste, irão todos pedir para ser baptizados, pois só esses entram no reino dos jazzes. Que obra, prima!

Peter Brötzmann - Never Too Late... Always Too Early (Eremite, 2003) - Ai, mas este não é o senhor das metralhadoras (Machine Gun-FMP)? Ouve lá prima, que nunca é tarde. De ouvidos e janelas escancaradas, e empurra o botão que diz Vol prá direita.

Kurt Elling - Flirting with Twilight (Blue Note, 2001) - O Rei está morto (Sinatra), viva o Rei (Elling). Não se pense que é um continuador/imitador, é antes um digno sucessor do maior singer/crooner de sempre. Ó prima, porque é que ninguém fala deste moço?

Anthony Braxton - Six Monk´s Compositions (Black Saint, 1987) - Escrevo-te prima, porque sei que andas com saudades do Monk e com falta de dinheiro pra comprar a tri obra, também ela prima do Schlippenbach (Monk's Casino - Intakt, 2005). Não te arrependes, ainda por cima com o Waldron e o Neidlinger, swinga que é uma beleza.

Flanger - Spirituals (Nonplace, 2005) - Ah, mas isto não é jazz! Ó prima, até parece que tens que andar sempre a ouvir essa música p'ra intelectuais...

João Henriques

 
 

Jeff Kaiser, trompetista norte-americano, chama a atenção para o facto de que, sendo raro a música improvisada aparecer anunciada em néon, tal ter acontecido com esta actuação do duo The Choir Boys (com Andrew Pask em saxofones, clarinetes e electrónicas) num ciclo de concertos na Ventura College, aumentado com a participação de G.E. Stinson (guitarra e electrónica) e Steuart Liebig (contrabaixo e electrónica). De meninos do coro é que estes quatro nada têm, sabidos que são nas artes da improvisação musical, dentro e fora do jazz. Há um investimento muito forte na exploração conjunta das vias acústica e electrónica em tempo real, cruzadas, sobrepostas, paralelas e em todas as demais combinações de que esta orquestra electroacústica é capaz. A música, subtil e orgânica, progride com sentido de drama por caminhos já cartografados, mas que ainda reservam algumas boas surpresas ao ouvinte.
The Choir Boys - The Choir Boys with Strings (pfMENTUM)

 
27.4.06
 
Desde 1995 que a austríaca Durian Records, de Viena, edita música escrita e improvisada que se inscreve nas áreas mistas da new music e do free jazz. Werner Dafeldecker, compositor e multi-instrumentista electroacústico vienense, dirige a casa de discos, publica o seu próprio trabalho e abre portas a artistas dos mais interessantes que há naquele universo.
É o caso de The Comforts of Madness, trio que, nesta versão, compreende Helge Hinteregger (saxofones e samplers), Uchihashi Kazuhisa, que trabalhou com os grupos Ground Zero e Altered States (guitarra e electrónica), e o veterano percussionista britânico Roger Turner, e se dedica com afinco à prática de linguagens não-idiomáticas afins da escola britânica de improvisação livre – como ramificações do Spontaneous Music Ensemble, de John Stevens, ou da Company, por extenso, Music Improvisation Company, de Derek Bailey –, com a electrónica gerida de modo a criar, conjuntamente com a percussão, ângulos, cumes, depressões cavadas e as mais amplas variações dinâmicas. «I went inside me and closed the door gently behind me. It was time to abstract myself from the world», é o mote para esta hora seguida de improvisação, de tema único – "Autism".
Gravação de 1997, publicada em 1999.

 
 


Tony Schwartz, media pioneer, audio documentarian.


 
 

Patience and reserve: two manifestations of self-control. Solitary figures await their joint moment, let it come, don't rush it, don't drown it in small-talk. Then when the time is right grab a hold and don't let it get away. Discipline has been your watchword. You've waited, and when you eat that 2000-year-old egg, it will be utterly scrumptious. For Zerang, Kessler, Brötzmann and McPhee, now's the time: peel back the rind, pop the cork, eat the egg. — John Corbett (hatOLOGY)

 
26.4.06
 


3, 4, 5, 11, 12 e 13 de Maio, 19h30
Trem Azul
Jazz Store Fest
Ravish Momin's Trio Tarana
Lost Gorbachevs
L.I.P (Lisbon Improvisation Players)
Double Bind Quartet
Alípio C. Neto DIGGIN'
V.G.O. (Variable Geometry Orchestra)


Variable Geometry Orchestra


 
 

Num interessante artigo publicado no seu Greenleaf Music Blog, Dave Douglas discorre sobre as gravações de 1970 de Miles Davis, realizadas num clube de Washington DC, o Cellar Door, recentemente editadas pela Columbia na caixa de 6 CD, "The Cellar Door Sessions". Douglas aborda questões relacionadas com a progressão gradual do quinteto acústico de inícios de 60 para a chamada “fase eléctrica”; rebate a ideia que por vezes se quer fazer passar, segundo a qual Miles, enquanto executante, seria um trompetista menor e tecnicamente limitado. «PLEASE listen to this recording and then refrain from saying Miles had bad trumpet technique. Ever again. OK?».
Douglas fala da fluência, do impecável timing do ataque de Miles; do contributo do trompetista para a moderna linguagem do trompete; do papel do produtor Teo Macero, tantas vezes criticado e condenado por alegadamente interferir demasiado na música, quer no som, quer nas opções quanto ao material a incluir ou a deixar de fora das edições discográficas. Macero, como Dave Douglas bem assinala, teve realmente um papel ingrato, na media em que trabalhava sobre música que era novidade para a época, e relativamente à qual era difícil destrinçar as peças ou segmentos excepcionais, das de menor valia, para efeito de as incluir ou não em disco.
Foi o caso da selecção de material para "Live Evil", em parte retirado das sessões de Washington, as mesmas que agora, e na íntegra, constituem as "Cellar Door Sessions" e dão uma imagem nítida do que era a música de Miles em 1970. Diferente da de 1969, de 1971, e assim sucessivamente. «But to me this work stands the test of time because it sounds inevitable. It sounds like a logical progression from the music that came before it, it sounds like a brilliant solution to a series of questions, it sounds as fresh and ingenious as the day it was made. It still excites with the freshness of discovery. What more should it have to do for us?».

 
25.4.06
 

Na última edição da revista online NewMusicBox, entrevista com Paul Austerlitz, etnomusicólogo, músico e investigador, autor de "Jazz Consciousness: Music, Race, and Humanity". Um olhar informado sobre o que se passa hoje no mundo da improvisação, que transcende em muito as fronteiras do afro-americanas do jazz, tendo, com o tempo, passado a abraçar toda a Humanidade, nas suas mais diversas formas.

 
 


Mauricio Kagel, Acustica (1968 - 70)
for experimental sound-producers and loudspeakers
(Deutsche Grammophon 2707 059)

Kölner Ensemble für Neue Musik: Christoph Caskel, Karlheinz Böttner, Edward H. Tarr, Wilhelm Bruck, Vinko Globokar. - Recorded Studio Rhenus, Godof Bei Köln (28. - 31. 1. 1971)

«Acustica is perhaps the most refined example of Kagel's work within his invented genre of 'instrumental theatre'. The score notes that 'the piece calls for unorthodox musicians who are prepared to extend the frontiers of their craft' since few of the 'experimental sound devices' specified are conventional instruments and where conventional instruments are included they are to be played in extraordinary ways. Each instrumental action is, however, meticulously notated and the creation and/or modification of instruments are also shown in diagrams and photographs. What the score does not specify is the order in which the individual instrumental events are to be played; Kagel suggests instead that each performer should select the events that they want to perform and then discover in rehearsal how best to order them in combination both with the pre-recorded material and with the sounds of the other players. If the result owes obvious debts both to John Cage and to the theatre of the absurd, its subversive critique of received ideas on what constitutes music and musical instruments is above all typical of Kagel, contemporary master of irony». (Christopher Fox)

 
 

25 de Abril

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo


Sofia de Mello Breyner

 
 

Em 2004, Ernesto Rodrigues (viola, violino), Michael Thieke (clarinetes), Guilherme Rodrigues (violoncelo, pocket trumpet) e Carlos Santos (electrónica) gravaram KREIS (Creative Sources 020), trabalho aturado sobre as propriedades físicas do som, com atenção totalmente voltada para a textura em detrimento da tonalidade. Há aqui imensa actividade, só que muito à flor da pele, sem levantar ondas nem tumultos. Tudo se passa para além do tempo e do silêncio, quando o espaço passa também a assumir um papel de maior relevo. KREIS, título da obra, remete para representação espacial sob a forma de círculo, e a denominação dos temas toma diferentes graduações desse círculo), permitindo a escuta atenta referenciar a exigente gestão espácio-temporal que o quarteto realiza e que imprime à música uma respiração própria, suave e descompassada. E é ouvir sons de baixa amplitude e intensidade (salvo um caso ou outro, quando irrompe um silvo de clarinete de Thieke, acompanhado pelas cordas, no tema 4 – “112º23’”) a harmonizarem-se num prolongado e multiforme restolhar, graças sobretudo ao cuidado posto no acto de ouvir – palavra-chave destas e doutras estéticas afins. Postura que os músicos privilegiam sobre a actividade de produção sonora, interagindo entre si e com o estúdio de gravação (microfones e mistura são fundamentais) num lowercase de primeira qualidade e efeito volátil. KREIS bebe na fonte de Berlim, mas também é certo que a insect music britânica, numa versão eventualmente mais esparsa, actualizada e tributária da electroacústica (e da manipulação electrónica), tem qualquer coisa a ver com isto que aqui se passa. Bem merece repetidas e atentas audições, única forma de apreender tudo quanto o círculo encerra em matéria de som, silêncio e das subtilezas que lhes dão vida.

 
 

UBU WEB: SOUND

Extended Voices Farfa F'loom Öyvind Fahlström Morton Feldman Luc Ferrari Fluxus 30th Anniversary Box Fluxus Anthology Fluxus Anthology 2006 Flux Tellus Fluxsweet Henry Flynt DJ Food Richard Foreman Terry Fox Furious Pig Fylkingen Anthology Kenneth Gaburo Gabo + Pevsner Drew Gardner Xavier Gautier Jean Genet Alberto Giacometti John Giorno Allen Ginsberg Philip Glass Glass / Summers Jean-Luc Godard Jack Goldstein Glenn Gould Dan Graham Group Ongaku David Grubbs Pierre Guyotat Brion Gysin Al Hansen Sten Hanson Happy New Ear Raoul Hausmann Tim Hawkinson Kevin Hehir Bernard Heidsieck Dick Higgins Åke Hodell Abbie Hoffman Bob Holman Joël Hubaut Richard Hulsenback Herbert Huncke Il concento prosodico Eugène Ionesco Isidore Isou Mick Jagger Ernst Jandl Bengt Emil Johnson Joe Jones James Joyce Mauricio Kagel Robin Kahn Vasilij Kamenskij On Kawara Mike Kelley Jack Kerouac Kipper Kids Klaus Kinski Yves Klein Ferdinand Kriwet Aleksej Krucenych Kuemmerling Trio Joan La Barbara Ilmar Laaban Jacques Lacan Lasry-Baschet Maurice Lemaître Wyndham Lewis Arrigo Lora-Totino John Lennon Sébastien Lespinasse Lauren Lesko Linnunlaulupuu Live To Air - Artists Soundworks Anna Lockwoood Christopher Logue Gherasim Luca Alvin Lucier Jackson Mac Low Angus MacLise Vladimir Maïakovski Hansjorg Mayer Pejk Malinovski F.T. Marinetti Paul McCarthy Jennifer & Kevin McCoy Marshall McLuhan Taylor Mead Jelle Meander Paul D. Miller aka DJ Spooky Christof Migone Henry Miller Enzo Minarelli Phil Minton ...

 
 



INTERPLAY ! BERLIN

Free Jazz & Improvisation in Film - Kunst - Konzert - Workshops
2 a 5 de Junho de 2006
Akademie der Künste
Hanseatenweg 10
10557 Berlin

 
24.4.06
 


Novidades na Sachimay Records e na subsidiária Sachimay Interventions Series.

 
 

A Pax Recordings anuncia que, a partir de 26 de Abril, Stephen Flinn realiza uma digressão que irá atravessar os EUA, de S. Francisco a Nova Iorque. O percussionista apresentará 22 concertos de percussão solo, à excepção de duas datas em Brooklyn, que contarão com a colaboração de Michael Evans e Bruce Tovsky, e outra com o pianista Kevin Uhlingher, respectivamente.

 
22.4.06
 

Finalmente... Derek Bailey / Gavin Bryars / Tony Oxley - Joseph Holbrooke Trio: "The Moat Recordings", material de 1999 em CD duplo, edição de 2006 da Tzadik.
Tzadik is proud to present a legendary reunion of 'Joseph Holbrooke' comprised of three master musicians - Derek Bailey, Gavin Bryars, and Tony Oxley - from the first generation of British improvisers. Originally produced by Gary Todd in 1999, the release of this exciting and historic music was delayed for years under tragic circumstances. These are the first and only studio recordings by this all-star trio whose brief existence in the mid Sixties has been a whispered rumor for decades. Produced in cooperation with the Cortical Foundation, this is astonishing, revelatory musical communication of the highest order.
A Flur tem.

 
 

Dia 24 de Abril prosseguem as Earshot Jazz Spring Series, com os holandeses Joost Buis, Martin van Duynhoven, Ab Baars e Wilbert de Joode - o Kinda Dukish Quartet, que, como o nome sugere, trabalha sobre o reportório de mestre Ellington. Desde Fevereiro que pelo Seattle têm passado formações americanas e europeias como Julian Priester Quartet, Ethnic Heritage Ensemble, Frank Gratkowski Quartet, Pharoah Sanders, Bill Frisell's Unspeakable Orchestra e a ICP Orchestra.

 
 

Esta semana, no Jazz on 3, passa a primeira parte de um concerto do San Francisco Jazz Collective gravado ao vivo no Barbican, em Londres, que celebra a música de Herbie Hancock. Com Joshua Redman (saxofone tenor), Bobby Hutcherson (vibrafone), Miguel Zenon (saxofone alto), Nicholas Payton (trompete), Andre Hayward (trombone), Renee Rosnes (piano), Matt Penman (contrabaixo) e Eric Harland (bateria).
Na segunda parte, Ralph Towner toca três peças para guitarra acústica em estúdio e conversa com John Fordham.

 
21.4.06
 


Big Joe Williams
(1903 - 1982)



 
 

O grupo com que o saxofonista Peter Bastien se apresentou ontem ao fim da tarde na Jazz Store da Trem Azul (& CO - SKY IS THE LIMIT) revelou uma série de sinais identitários de um jazz com vocação universalista, que encontra múltiplas referências na música improvisada de raiz afro-americana e em diversas das suas projecções europeias.
No programa, cinco composições das quais três originais de Bastien, uma de Joe McPhee cujo título não recordo, e o clássico Nature Boy, de Eden Ahbez, composição que serviu ao saxofonista para arrancar o mais quente e emotivo dos solos, o melhor da noite em que esteve bem apoiado por Ricardo Pinto (trompete), Eduardo Lála (trombone), José Mueleputo (guitarra eléctrica) e Miguel Trovoada (percussão).
Por ali passou um espírito marcadamente seventies actualizado e reformulado, com interessantes reverberações de escolas como a do AACM de Chicago, congéneres das que se podem encontrar na música de Kahil El'Zabar, do Ritual Trio ou de Ernest Dawkins, mas também da Nova Iorque de Charles Gayle ou Arthur Doyle. Esta última impressão advém em muito do som cru, ao mesmo tempo doce e agreste do tenor de Peter Bastien, que se revelou um líder no saber dirigir e dar espaço aos outros elementos para a improvisação colectiva e individual.
Trompete e trombone tiveram bons momentos de comunicação, trocaram mensagens em duo e solaram timidamente, com conta, peso e medida. A guitarra, perfeita como esteio harmónico, esteve discreta, tal como a percussão suave de Trovoada, como convinha ao desenho musical de Bastien, que também tocou percussões, disse textos poéticos - um músico a merecer maior reconhecimento por parte do público.
Saldou-se a prestação num concerto muito agradável. Pena seria que este grupo, que teve no concerto da Trem Azul a sua terceira actuação, não pudesse permanecer estável e coeso, de maneira a fluidificar processos e limar algumas arestas, sem comprometer o lado imperfeito de obra inacabada que lhe fica muito bem.

 
20.4.06
 

Esperei até me certificar se o Nuno Catarino iria em definitivo pôr o blog no off, ou se o interregno era apenas sabático ou reflexivo. Decorreram alguns dias e agora estou (estou?) seguro de que foi mesmo o fim, The End, como está epigrafado. Nada, nem mesmo o apelo lancinante deste confrade o fez convencer. Passou definitivamente à Reforma do Jazz (esta era fácil, eu sei, mas não resisti). O que é pena, porque faz falta a leitura diária d’A Forma do Jazz, na sua visão heterodoxa, sensível e informada, do jazz multipolar dos dias que correm, e do outro de antanho, gosto que partilhamos, como partilhamos a mesma aversão à cópia ou mimética do antigo, pechisbeque de feira que passa por ser jazz com interesse.
Fecha-se uma porta, abre-se uma janela: o Nuno Catarino passou a pertencer ao corpo redactorial da JAZZ.pt, o que, pessoal e “institucionalmente”, me agrada sobremaneira. Os leitores d’A Forma do Jazz só têm que passar a ler o Catarino em cada novo número da revista. Não é um blogue, certo, mas nada é perfeito. A propósito: a caminho, insinuante, vem o #6, recheado de assuntos estaladiços e renovados motivos de aplauso, escárnio e maldizer. Está, nesta fase, em adiantado estado de composição.
Ah, e o Jazz e Arredores tem sempre a porta aberta para alojar os teus escritos, Catarino, à falta de pior. Agradeço sempre a ajuda técnica para mexer os botões do Blogger. Se hoje me parecem amanteigados, ao princípio tiravam-me a paciência ao ponto que me iam custando um monitor novo...
"The Shape of Jazz to Come", Ornette Coleman (Atlantic).
Bem-vindo a bordo, Cat!

 
 
-------------------------
DER GELBE KLANG - O Som Amarelo


TECHNOSHAMAN

Victor Gama // Pedro Almeida

«As raízes da musicalidade (instrumentos inventados de inspiração africana) em contexto electronicamente assistido, buscando a colisão da ancestralidade pagã e tribal com as visões do futuro tecnológico. O "sonho" cyber-punk, mediante a associação dos Pangeia Instrumentos de Victor Gama com a electrónica digital e de cunho particularmente performativo de Pedro Almeida, dois músicos de formações e percursos bem distintos nascidos em África, um em Angola e o outro em Moçambique.
Victor Gama explora novas sonoridades e novos processos de criação através da construção de instrumentos musicais, dispositivos sonoros e instalações, usando um método de experimentação em que design, som, música, imagem e performance são conjugados, tanto recorrendo a tecnologias de ponta como investigando a evolução dos instrumentos desde a pré-história. Pedro Almeida, também conhecido por pAL, escolheu o computador como instrumento depois de ter utilizado a percussão e a guitarra, baseando o seu trabalho no sampling, com o qual explora a voz até ao limite enquanto ferramenta sonora. Tem por lema "art4fun" (leia-se "art for fun"), sendo esse o seu principal conceito de criação artística».

26 de Abril - 19h00 - Sala Polivalente
Museu do Chiado
Rua Serpa Pinto, 4 Lisboa
Produção:
Granular

 
 

K K NULL, ou Kazuyuki Kishino, é o nome do artista japonês, membro do trio de rock hardcore Zeni Geva, que assina este interessante objecto sonoro sob a forma de EP (19’48’’). Gravado em Tóquio em Julho do ano passado, "Kosmo Incognitia" bem poderia servir de trilha sonora a Marte Ataca. Como no filme de Tim Burton, KK NULL só a espaços parece dar tréguas aos humanos, aliviando um pouco o ambiente de triturante e aflitiva saturação com que sistematicamente bombardeia o espectro sonoro. O contínuo e imparável fluxo de partículas agrega-se numa massa incandescente de noise experimental expressionista, com asperezas e pulsações afins do som de Mazami Akita (Merzbow), embora um pouco menos virulento e dotado de trejeitos de maior organicismo. Música de extremos na formulação e significado, permite descobrir o átomo sonoro no meio da mais intensa, compacta e fulminante descarga de ruído cósmico.
KK NULL - Kosmo Incognitia (Thisco)

 
19.4.06
 

DJ Shadow, Preemptive Strike 1997
"What Does Your Soul Look Like?"

 
 



 
 

ZDB, sábado, 22 de Abril, às 23h00
Modern_Beat_Sessions


Jan Jelinek (DE) // Braço (PT)

Jan Jelinek apresenta «Kosmischer Pitch» c/ Andrew Pekler e Hanno Leichtmann

Começando a publicar a sua música em Berlim através dos pseudónimos Gramm e Forss, Jan Jelinek rapidamente se estabeleceu como um dos visionários do techno da viragem do milénio. Trabalhando o dub e um jazz fractalizado miscigenado desde as entradas em techno, andava por vanguardas urbanas algures entre Sutekh ou Pole.
É curioso notar que praticamente na mesma altura em que Jelinek lançava o seu primeiro 12”, os To Rococo Rot lançavam um álbum, «The Amateur View», que é possivelmente o mais directo antecessor de «Kosmischer Pitch», disco lançado em 2005 que Jelinek vem nesta ocasião apresentar à ZDB em trio, ladeado por Andrew Pekler e Hanno Leichtmann. Visto por muitos como um dos mais conseguidos álbuns de «kraut» moderno na acepção mais ampla do género, «The Amateur View», tal como «Kosmischer Pitch», destilava para formas contemporâneas os ensinamentos dos Cluster de «Zuckerzeit», uma metronomia dos Neu em versão câmera lenta, e um trabalho baseado em samples e electrónicas analógicas cujo cunho era só seu.
Em «Kösmischer Pitch» Jelinek leva ainda mais longe o trabalho que já tinha iniciado com os australianos Triosk, editado pela Leaf e pela ~scape. Que poucos ou nenhuns trabalham o sampler como ele é já dado quase adquirido por todos os que alguma vez o escutaram com atenção. O que já conseguiu desenvolver criativamente nesta fase da sua carreira, contudo, leva-o para territórios onde a mistura profunda entre o electrónico, o digital, o analógico, o eléctrico e o acústico roça totalidades inauditas. Encontramos a «kosmische music» alemã, os clicks’n’cuts, reverberações distantes do jazz num vibrafone que pode ter pertencido a Milt Jackson, um balanço e pulso de um Jaki Liebezeit de 2ª geração, ou um loop partido por Markus Popp. Nada é sobreposto e vertical; tudo é entretecido.
Para vários já aclamado como um dos discos da sua vida, «Kosmischer Pitch» mostra-nos Jan Jelinek em contínuo e superior estado de graça. Apresentação ao vivo na altura certa.

Braço

Projecto de Afonso Simões (Phoebus, Fish & Sheep) e Pedro Gomes (CAVEIRA), os Braço utilizam uma panóplia de objectos recontextualizados e instrumentos, das mais variadas percussões, a sopros ou a um «steel drum». Principalmente focados na exploração e desconstrução de pecurssão polirrítmica partilhada, muito do seu som é amplificado por microfones e processado por pedais de efeitos.
O resultado final é totalmente improvisado, seco e angular, remontando a alguns ecos dos primeiros discos da No-Neck Blues Band, e aos momentos mais fragmentados de bandas como os This Heat, Skaters, Dead C ou Swell Maps. Dissertações compenetradas e descomprometidas em som, numa colaboração que remonta, nas mais variadas plataformas, há mais de sete anos.


 
 

Uma das características mais imediatamente reconhecíveis na música do Chicago Underground Duo, que parte de uma matéria-prima sonora muito diversa e ampla nas suas fontes e recursos, é o seu extraordinário e quase paradoxal refinamento. Na base do trabalho de Rob Mazurek e Chad Taylor está uma atenção delicada à música electroacústica contemporânea e ao jazz pós-Miles “eléctrico”, patente na paleta cool de tonalidades sombrias, com um pé firme na continuidade estética da escola AACM de Chicago, e outro numa multiplicidade de marcas reconhecíveis, que vão do pós‑rock ao experimentalismo moderno, com um toque de improvisação inspirada em Don Cherry. "In Praise of Shadows", reforçando a focagem no relacionamento entre rito ancestral e novas tecnologias, é o trabalho mais consistente, maturado e expansivo que o duo empreendeu desde a estreia em 1998.
Chicago Underground Duo - In Praise of Shadows (Thrill Jockey)

 
18.4.06
 

As três peças improvisadas pelo duo I Treni Inerti (Ruth Barberán, trompete, e Alfredo Costa Monteiro, acordeão) no recente "Aérea", são muito diferentes entre si, tendo em comum o aprofundamento da pesquisa tímbrica e textural própria das linguagens da nova improvisação, que investe quase tudo no som enquanto matéria plástica. Dir‑se‑ia que em Luz Azul, tema de abertura, há ainda vestígios de convencionalismo, no sentido em que soa próximo da música contemporânea escrita, estrategicamente organizada em blocos harmónicos dispostos em camadas que se metamorfoseiam em investidas minimais de acordeão, atravessadas por obliquas figuras metálicas de trompete. Nos dois temas seguintes, Ici e Era Mala Maré (em menor grau, neste último caso), o duo abandona a nota e a escala, optando antes pelas possibilidades das chamadas técnicas extensivas com que exploram o som em toda sua dimensão, incluindo os aspectos periféricos associados, como a respiração, o murmúrio ou o afago suave das peças que compõem os instrumentos. Efeitos que criam uma imagem sonora espectral, acentuada por uma equilibrada gestão da alternância entre som e silêncio. Na derradeira peça, o duo retoma o drone impressionista, como navios que lentamente atravessam espessos bancos de nevoeiro, que se vão dissipando por obra da luz e do calor. O duo ibérico radicado em Barcelona assina um trabalho convicto, resultando num disco de interessante efeito estético e agradável audição.
I Treni Inerti - Aérea (Creative Sources 050)
 
17.4.06
 

Trem Azul Jazz Store Fest.
Dias 3, 4, 5, 11, 12 e 13 de Maio


A Trem Azul Jazz Store anuncia a realização de um festival dedicado ao jazz e à música improvisada não-idiomática.

Dia 3 - Ravish Momin´s Trio Tarana
Jason Kao Hwang - violino
Shanir Ezra Blumenkranz – alaúde, contrabaixo
Ravish Momin – bateria, percussão, voz

Dia 4 - Lost Gorbachevs
Gustavo Costa – bateria, electrónicas
João Martins - saxofone
Henrique Fernandes - contrabaixo

Dia 5 - L.I.P (Lisbon Improvisation Players)
Rodrigo Amado – saxofone alto e barítono
Pedro Gonçalves – contrabaixo
Acácio Salero – bateria

Dia 11 - Double Bind Quartet
Vitor Rua – guitarra eléctrica de 8 cordas, pedais de distorção e delay
Carlos Zíngaro– violino acústico processado
Luis San Payo – bateria e percussões
Vera Mantero – performance, voz

Dia 12 - Alípio C. Neto DIGGIN'
Ben Stapp – tuba
Alípio C Neto – saxofones, melódica e percussões
Rui Gonçalves – bateria, guitarra
Gonçalo Lopes - clarinete baixo
Jean-Marc Charmier - trompete e flugelhorn

Dia 13 - V.G.O ( Variable Geometry Orchestra)
Ernesto Rodrigues - violino, viola, direcção
Pedro Costa - violino
Guilherme Rodrigues - violoncelo
Hernâni Faustino - contrabaixo
Sei Miguel - trompete
Eduardo Chagas - trombone
Bruno Parrinha - clarinete, clarinete alto
Miguel Bernardo - clarinete
Jorge Lampreia - flauta, saxofone soprano
Nuno Torres – saxofone alto
Peter Bastiaan – saxofone alto e voz
Alípio C. Neto – saxofone tenor
Rui Horta Santos – saxofone tenor
Luís Lopes – guitarra electrica
Ivan Cabral - didgeridoo
Travassos - tapes
Adriana Sá - electrónicas
Carlos Santos - electrónicas
Rafael Toral - electrónicas
Miguel Martins - melodica, xylophone, percussão
Armando Pereira - acordeão
César Burago - percussão
José Oliveira - bateria, percussão

 
 

Entrevista de José Duarte a Hernâni Faustino, Março passado.

 
 

De 2 a 5 de Junho, o Moers Festival leva ao palco um número considerável de artistas tão diferentes como Marc Ducret Trio, John Scofield, Brötzmann / Pliakas / Wertmüller, Arve Henriksen / Jan Bang / Audun Kleive, United Women‘s Orchestra feat. Michael Schiefel, Molvaer / Laswell / Aarset / Drake / Dieng, Jamie Lidell & Gonzales, Cologne Contemporary Jazz Orchestra, Scorch Trio / The Thing e Dewey Redman Quartet.

 
16.4.06
 
"Atelier Incrémentiel pour la Musique Expérimentale":
Thèse de doctorat en Intelligence Artificielle. Vincent LESBROS



 
 


’05 compositions - Kenneth Kirschner - «Composicións que xa foran publicadas nunha versión anterior na páxina web do autor, nas datas que aparecen no nome das composicións. O compositor neoyorkino Kenneth Kirschner, mantén unha especie de diario de creación, donde vai poñendo as composicións que vai facendo. Introducindoas cunha clasificación extrictamente temporal e cronolóxica. Desa liña temporal, extraémolas catro composicións para esta publicación, das que logo faría estas versións, en exclusiva para todos nos».
- Imaxe Xesús Valle (
alg-a netlabel)

 
 

SINSAL Radio, do Colectivo SINSALaudio, Vigo, Espanha: concertos de Merz, Ultralyd, Pelt, Jana Hunter, Castanets, Za, Yellow Swans, Erick Messler, Micah P. Hinson, e Hauschka.

 
 

Onda Sonora Radio, a partir de Madrid, disponível no cluster Arte Sonoro

 
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  •  Na edição de 2012 do Festival Música Viva, esta q...
  • Fabula (CS 220) dá título à peça única improvisaç...
  • Jazz em Agosto 2012
  • jonas kocher ~ solo Alors que son précédent di...
  • lefolk – weather to shore lefolk is audio/video a...
  • Cecil Taylor, Wadada Leo Smith, Peter Brötzmann,...
  • Sun Ra: Space Is the Place[UbuWeb] Avant-garde jaz...
  • Tem saída prevista para Março próximo, na norte-am...
  • RELENTLESS (Sébastien Branche & Artur Vidal) Met...
  • derrick hart – fall asleep to this [RB078] [http:/...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger