Image hosted by Photobucket.com
28.9.06
 

Do saxofonista Rent Romus – fundador da Edgetone Records, produtor, director executivo da outsound.org, curador da SIMM Music Series, membro da Ultra Independent Recording Coalition e dinamizador de um sem-número de actividades relacionadas com a música improvisada californiana – há muito que se aguardava por uma segunda saída com o grupo Lords of Outland, depois de Destinations Suite, de 2000. Várias encarnações, entradas e saídas depois, eis que Romus reinstalou os Lords num novo figurino criativo, repartido pelos 12 temas do novo CD, Culture of Pain. As primeiras impressões, uma vez assente a poeira inicial, são confirmadas pelos subsequentes mergulhos de cabeça nesta extraordinária visão sobre a cultura da dor, revelam o lado demoníaco caricatural que, quer o vibrato do saxofone alto, quer a voz electronicamente processada de Rent Romus, instilam e simultaneamente exorcizam, num registo ambíguo entre seriedade e paródia.
Por sobre a cauterização de uma vasta wasteland, na qual já não possível traçar as antigas fronteiras do jazz, cujo corpo jaz exangue, o grupo procura reanimar e repovoar o espaço deixado vago com os resíduos daquele género, infundindo-lhes coerência e vida pulsante. Um estado em que é a liberdade de expressão sónica a reconstruir o tempo e o espaço multi-dimensional em moldes que, sendo embora reconhecíveis por referência ao passado, são já de uma outra dimensão, um passo que vai do fugaz presente em relação ao que está para vir.
Os efeitos de articulação entre luz e trevas materializam-se em multiplas combinações sonoras, amplificadas através de efeitos especiais criados por sons febris e extravagantes nascidos do cruzamento das guitarras eléctricas de C. J. Reaven Borosque e Ray Shaeffer, e da percussão restolhante de Phillip Everett. O conjunto efervescente é temperado por pinceladas da electrónica de belo efeito e por descargas eléctricas de noise controlado, que deixam o ouvinte com um sorriso irónico ao longo da hora de duração do disco.
O ambiente geral é o de um certo psicadelismo bizarro, que, preservando a qualidade experimental e de pesquisa desta música, serve de veículo de expressão às inquietações artísticas da mente obsessiva de Rent Romus, que simultaneamente fazem parte da cultura pop californiana.
Saliente-se o relevante contributo de um conjunto de convidados, eles próprios membros da comunidade de improvisadores do Norte da Califórnia: Jim Ryan, em saxofone tenor, Darren Johnston, trompete, Scott Looney, piano, e Damon Smith, contrabaixo, membros da Jim Ryan Forward Energy, acrescentam espírito de aventura à base flexível dos Lords of Outland.
Free music moderna e poderosa, disciplinada e harmonizada sob a direcção de Rent Romus, rende homenagem a uma das mais marcantes influências do líder – Albert Ayler, cujo fantasma passeia alegremente ao longo de todo o disco, materializando-se na releitura de Universal Indians e Saints, composições originais do saxofonista de Cleveland, Ohio.
Culture of Pain, grande sucesso artístico, é um acontecimento visionário na redefinição de novas coordenadas para a música improvisada que provém do jazz, sem compromissos nem preconceitos. “No rules, no borders”. Imperdível.

Rent Romus's Lords of Outland - Culture of Pain (Edgetone Records, 2006)


 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Village of the Pharoahs e Love in Us All, de, r...
  • Roswell Rudd, lendário trombonista norte-americano...
  • O grupo galego de improvisação livre VOLONTÈ, de R...
  • Ensemble Cairn, Vincent Lê Quang
  • Acaba de me entrar pela casa adentro o novo do Dav...
  • Outra novidade interessante, na onda da redescober...
  • Frank Wright Unity: Live At The Moers Festival 197...
  • Space. Saiu na Staubgold o novo disco de Rafael T...
  • Improvisação livre, tendência electroacústica ber...
  • VARIABLE GEOMETRY ORCHESTRA 23SET2006. ZDB, Lisb...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger