Image hosted by Photobucket.com
8.4.05
 
Image hosted by Photobucket.com

Há umas semanas atrás, à boleia de uma pesquisa que estou a fazer sobre música de intervenção e canção de protesto e resistência, dei com o americano Centre for Political Song, da Glasgow Caledonian University, um centro de investigação que trata de estudar todas as formas de canção política e das suas implicações na vida social, política e cultural das comunidades em que se desenvolve. E canção puxa canção, tema puxa tema, fui dar quase imediatamente com a nova edição da Pax Recordings, Voices in the Wilderness: Dissenting Soundscapes and Songs of G.W.'s América.
Na ressaca da frustração, ansiedade e desencanto que acometeu milhões de almas com a reeleição do tal em Novembro passado, 26 artistas norte-americanos lamberam as feridas e trataram as indigestões provocadas pelo sapo monstruoso que tiveram que engolir (a meias com muitos mais milhões pelo mundo fora, mas pronto), tiraram-se das suas próprias divisões e - há quem diga que o cowboy não tem qualquer mérito... – juntaram esforços num luto colectivo sob a forma de canção de protesto e resistência nas mais diversas formas, rock, folk, electrónica, jazz, improv, hip-hop, field recordings e recitação, que é também um apelo à consciencialização das pessoas para os perigos o belicismo desenfreado do cowboy que manda no Império.
Irmanados neste propósito de aliviar desânimo, Marcos Fernandes, Bonnie Kane, Ray Sage & Mambo Mantis, The Slow Poisoners, Neshama Alma Band, 99 Hooker, Cornelius Cardew Choir, Cheryl E. Leonard, Marina Lazzara, David Slusser, Andre Custodio, United Satanic Apache Front, Ernesto Diaz-Infante, Blaise Siwula, mJane, Merlin Coleman, Kate Thompson, Dave Tucker, Jess Rowland, Matt Hannafin, Lance Grabmiller, Dina Emerson, d.elder, Pablo St. Chaos, robert m, Phillip Greenlief, Polly Moller, Aaron Bennett & John Finkbeiner, Stephen Flinn e Famous Last Words.
Uma colagem de palavras de ordem, como «This is what Democracy Looks Like», e outras, umas mais divertidas que outras, abrem o desfile de anti-bushismo que muitos teimam em confundir com anti-americanismo.
Como seria de esperar, de um ponto de vista estritamente musical, o disco é muito rico e variado nas suas propostas e resultados, dependendo em boa parte do gosto pessoal de cada um. Globalmente, no entanto, o produto musical é de grande valia e apresenta-se coerentemente organizado. Tão bom que faz apetecer ouvir os bons velhos Pete Seger e Contry Joe and the Fish.
Voices in the Wilderness fica para a história como um interessante episódio de militância política pela paz e contra a estupidez através da música, neste início de século. Com produção de Marjorie Sturm e Ernesto Diaz-Infante, parte dos proventos da venda do disco vão para a War Resisters League.
E, já agora, Give me an "F"!
Voices in the Wilderness: Dissenting Soundscapes and Songs of G.W.'s América (Pax Recordings, 2005)



 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Antes do prato forte da sessão de hoje de Jazz o...
  • Ainda não tinha dito, mas gostei muito de ter as...
  • FREESTYLE JAZZ LUSO CAFÉ Travessa da Queimada, 14 ...
  • Isto não pára nem por nada!
  • Faltam só cinco dias para o lançamento oficial d...
  • Dave Rempis, saxofonista de Chicago que há uns a...
  • Thollem McDonas, pianista da Bay Area de S. Fran...
  • Paulo Curado e Carlos Zíngaro. Flauta e saxofones...
  • Graças à simpatia e espírito de colaboração de nu...
  • Ontem à tardinha, depois de muito procurar nos A....

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger