Image hosted by Photobucket.com
1.12.07
 
Psicólogo, académico e músico japonês, Nobu Stowe, continuador no piano das estéticas de Bill Evans e Keith Jarrett, tem mantido activa uma mão-cheia de projectos, todos eles nas áreas da improvisação total (à maneira de Keith Jarret, descontadas as influências dos blues, que Stowe não tem), improvisação livre e pós-fusão. No último ano e meio, Stowe lançou quatro discos nas editoras Konnex e Black Saint/Soul Note. Cronologicamente, Brooklyn Moments (Konnex, 2006), capta a Total Improvisation Unit, com Blaise Siwula, Nobu Stowe e Ray Sage, num conjunto de improvisações abstractas em ambiente lírico, com uma ponta de calor à maneira de Don Pullen, aquele em que o pianismo do japonês melhor transmite a sua arte. O trio funciona em pleno, destacando-se o trabalho de construção de Blaise Siwula, saxofonista e flautista conhecido de projectos com inúmeros artistas de Brooklyn e Nova Iorque. Ray Sage, na bateria, opta de modo eficiente por um tipo de drumming mais textural, sem marcação de tempo.
Na mesma linha de Brooklyn Moments, surge New York Moments. A formação é a mesma (Blaise Siwula, Nobu Stowe, Ray Sage), acrescentada do guitarrista Dom Minasi. Em quarteto, a musica ganha outra expansão, prosseguindo o mesmo tom de misticismo abstraccionista, com estruturação e fragmentação melódica, com diálogos à maneira de Cecil Taylor e Jimmy Lyons, por entre os quais Minasi se insinua sempre com pertinência. Nesta medida, os Moments de Nova York constituem um passo em frente em relação aos de Brooklyn.
A estreia de Nobu Stowe na Soul Note fez-se ainda há poucos meses, com um tributo ao actor alemão Klaus Kinki. Para Hommage An Klaus Kinski, subtitulado Total improvisation on sonic canvas, Stowe associou-se ao escultor Lee Pambleton (som, electrónica). O resto do programa foi preenchido com sessões em trio, quarteto e quinteto. Reincide Blaise Siwula, ao lado de Perry Robinson (clarinete e ocarina), Ross Bonadonna (clarinete, saxofone e guitarra) e John McLellan (bateria), num set de composições instantâneas, com uma curiosa versão (mais uma) de Round Midnight, de Thelonious Monk, a fechar a sessão, puxada até aos 76 minutos. Talvez este seja o disco de Nobu Stowe em que a influência de Jarrett é mais notória ao nível da criação de tensão via repetição de acordes em progressão ascendente e descendente.

Prestes a sair na italiana Soul Note em Dezembro de 2007, está programado An Die Musik, Baltimore, disco com outro baterista, Alan Munshower e com o histórico percussionista norte-americano, Badal Roy, em tabla e voz. A sessão foi gravada ao vivo no clube An Die Musik, de Bernard Lyons, casa que habitualmente programa concertos de jazz e música improvisada das mais diversas correntes. Na noite de Baltimore, EUA, o trio de Nobu Stowe retomou a suas sequências da total-improvisation jarrettiana, fundindo a improvisação livre com a composição instantânea, num estilo mais próximo do que Stowe designa por post-fusion, subgénero que pratica habitualmente com o Trio Ricochet (Nobu Stowe, Tyler Goodwin e Alan Munshower). O disco balanceia tranquilas exposições sonoras com momentos de maior atrevimento exploratório, denotando uma prática musical regular em conjunto.
Ainda na alemã Konnex, em co-produção com a ICTUS Records, editora do percussionista italiano Andrea Centazzo, Nobu Stowe editou Soul in the Mist em Julho de 2007, material resultante de dois concertos realizados em Novembro de 2006, na Universidade da Pensilvânia, e no Trumpet’s Jazz Clube, de Montclair, New Jersey, EUA. Com Stowe e Centazzo tocou o clarinetista Perry Robinson. As composições, oito no total, são todas de Centazzo, que também utiliza samplers e teclados. De todo o conjunto de discos, este é o mais sereno e introspectivo, cheio de frases delicadas, tanto no clarinete como no piano, esparsos sons de percussão.
A fechar o lote de gravações de Nobu Stowe, um disco do Trio Ricochet, em versão demo, intitulado February 2006. Nas palavras de apresentação do disco, diz-se que a ideia é explorar a post-fusion, definida como um híbrido entre a improvisação baseada em composições de estrutura aberta típica do post-bop, como fazem os inspiradores Chick Corea, McCoy Tyner ou Keith Jarrett, e o ritmo e a energia da fusão moderna, à maneira de Pat Metheny.
Pessoalmente, February 2006 não me encanta por aí além, já que o que aqui acontece, pese embora a irrepreensível competência do trio, com o pianista à cabeça, é o sulcar de caminhos já muito batidos por outros trios pós-modernistas, como The Bad Plus ou o Esbjorn Svenson Trio, para citar dois campeões de popularidade. Porventura, este virá a ser o disco mais 'vendável' de todo o cacho, e ainda bem. Porque pode servir de chamariz para os outros discos, menos óbvios e orelhudos, mas incomparavelmente mais interessantes. Por uns e por outros, Nobu Stowe merece atenção.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Um disco pop de 2007? Não ouvi muitos, confesso, e...
  • Do quinteto austríaco CTRL, via Creative Sources ...
  • Estreia do artista sonoro alemão Marcus Held (aka ...
  • LeCool
  • Há um mês ou dois já aqui tinha falado na estreia ...
  • FMP CD 119 ILINX Baghdassarians Baltschun Scherzbe...
  • Acabou de sair na imparável Creative Sources e es...
  • Beside the Cage é uma formação com dois trombones...
  • D'incise: Capharnaüm [e-dogm]
  • LA MONTAÑA RUSA ..... Airto Moreira & The Gods of ...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger