Image hosted by Photobucket.com
21.10.07
 

cover art

A editora norte-americana Esp-Disk continua a dar seguimento ao ambicioso projecto auto-revitalização, tanto através edições novas, que dão sequência ao trabalho que, com longos hiatos e episódios de alguma confusão relativa aos direitos sobre as gravações originais, como da reedição remasterizada de material precioso que faz parte dos arquivos de Bernard Stollman, algum dele há muito esgotado. É o caso de Sunny Murray, disco homónimo do lendário baterista da New Thing. Sunny Murray contribuiu decisivamente para a evolução do papel do baterista, libertando-o da estrita actividade de marcação de tempo, atribuindo a si próprio e a gerações de outros instrumentistas um papel central ao nível da cor, timbre e textura, muito para além da função métrica que lhes tinha estado reservada em tempos anteriores. Murray, tal como o fizeram os músicos do free jazz em geral, rejeitou o postulado segundo o qual haveria uma maneira “correcta” de tocar bateria e de tocar jazz. Para aí chegar, cruciais foram os cinco anos passados com o pianista Cecil Taylor, e, sobretudo, o período Albert Ayler, com quem gravou uma série de discos históricos e essenciais: Spirits / Prophecy / Spiritual Unity / New York Eye and Ear Control (1964), Bells e Spirit Rejoyce (1965).
O disco agora reeditado constituiu um marco importante no progresso do jazz de meados de 1960, capítulo significativo de uma longa história contada por gente como John Coltrane, John Tchicai, Cecil Taylor, Dave Burell, Archie Sheep, Albert Ayler, Ornette Coleman e Don Cherry. Linhas de força que viriam a explodir em diversas direcções na década seguinte, tendo dado origem às movimentações do Loft Jazz dos anos 70, em Nova Iorque, e às diversas correntes prosseguidas pelos músicos americanos expatriados na Europa, para onde o próprio Sunny Murray partiu logo após a gravação deste disco, pela segunda vez, e de onde retornou aos EUA, em 1971.
Liderado pelo baterista, Sunny Murray, gravado em 1966, contou com o trompetista Jacques Coursil, dois saxofonistas alto, Jack Graham e Byard Lancaster, e o contrabaixista Alan Silva. A música, apesar de trepidante, é relativamente serena, brasas incandescentes em vez de fogueira, com Jacques Coursil bastante mais contido que Jack Graham e Byard Lancaster. Aos quatro temas originais (Phase 1.2.3.4.; Hilariously; Angels & Devils; e Giblet) – Douglas McGregor fez maravilhas na restauração do som de 1966 – a reedição acrescenta um bónus de cerca de 30 minutos de entrevistas com Sunny Murray e Bernard Stollman. Music is a form of magic...

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Don Cherry and the Musical MonstersLive at Willisa...
  • VARIABLE GEOMETRY ORCHESTRAGaleria ZDB, Lisboa. Sá...
  • Pharoah Sanders - Antibes Jazz Festival, July 22, ...
  • Axel Dörner (trompete), Michael Vorfeld (percussão...
  • My heart belongsto C3R!
  • Andrew Cyrille, The Loop (Ictus LP, 1978)
  • PEDRO CARNEIRO e QUARTETO ARDITTICentro Cultural d...
  • Larry Ochs nas out trios series da Atavistic, com ...
  • Duas novas malhas aportaram à minha caixa de corre...
  • Live at the Metropolitan Art Center (1979), um con...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger