Image hosted by Photobucket.com
6.8.07
 
Transcorrida a primeira parte do Jazz em Agosto/2007, as impressões que ficam são bastante positivas, pese embora um ou outro ponto fraco. Destaco quatro momentos. A abrir o festival, no Grande Auditório da Fundação Gulbenkian, os pináculos da improvisação de Chicago, os veteranos da Association for the Advancemente of Creative Musicians (AACM), Muhal Richard Abrams, George Lewis e Roscoe Mitchell, numa das raras aparições enquanto trio, que o não tinha sido antes da Bienal de Veneza, em 2003. Tal como no CD 2005, editado pela PI Recordings. Em palco, deram nota do fascínio que sentem pelo som organizado enquanto fenómeno físico e sensorial. Em comum, as experiências musicais de três vidas, projectadas no espaço e no tempo enquanto modos convergentes de exprimir diferentes formas de comunicação. No fundo, tratou-se de dar execução prática àquilo a George Lewis chamou “manifestações de abertura e confiança”; naturalidade, empatia e entendimento dos três músicos, improvisadores da grande Escola de Chicago. Abrams, Mitchell e Lewis, sábios na arte de ouvir e conversar entre si em diferentes idiomas, sejam eles o jazz, a new music, a electrónica ou a electroacústica, puseram a mão na massa a partir uma base instrumental de piano, flautas, saxofone alto, trombone e computador. Tal como no disco de estúdio, ao vivo o processo seguiu o mesmo processo: avançada uma ideia, apresentados os seus pressupostos, seguiam-se os comentários, numa sequente cadeia de estímulos e reacções, quadros que reflectem contínuas mutações espácio-temporais, diferentes registos, texturas e variações de intensidade na escolha das soluções: um universo musical complexo na formulação e paradoxalmente simples no acto de desvendar. Pode dizer-se que o Jazz em Agosto abriu em alta.

A prestação seguinte encarregou-se de manter o nível elevado. Ao fim da tarde de sábado, 4, actuou o quinteto francês HUBBUB. Frédéric Blondy (piano), Bertrand Denzler (saxofone tenor), Jean-Luc Guionnet (saxofone alto), Jean-Sébastien Mariage (guitarra eléctrica), Edward Perraud (bateria). Deram um concerto dentro daquilo que os caracteriza enquanto grupo, ao nível do que se conhece a partir dos discos da Matchless Recordings e da For4Ears. Sem escapar ao figurino da improvisação ‘reducionista’, o HUBBUB trabalhou de forma superior a arte de saber gerir as oportunidades. Souberam destrinçar em directo quando era tempo de ouvir e de reagir, pressentir a iminência do acontecimento. Através do uso de técnicas extensivas aplicadas aos instrumentos acústicos (com sugestões de electrónica), excepção feita à guitarra eléctrica, o que o HUBBUB fez foi gerir com eficiência as mutações do drone constante, com entradas e saídas da corrente, súbitas erupções de percussão e uma eficiente gestão das dinâmicas. Deste modo assistiu-se ao progressivo crescimento da intensidade dramática, com sustentação, sem nunca perder o interesse nem a diversidade de sugestões de timbre e textura. E em baixo volume, de maneira a favorecer a lenta e gradual aglomeração das partículas sonoras, sentir a densidade a avolumar-se, em crescendo até ao breve explodir da tensão emocional. Como é característica deste tipo de improvisação, o primado foi do colectivo, com total controlo sobre o ego individual. Excelente concerto.

As coisas correram menos bem na noite de sábado, no Anfiteatro ao Ar Livre, chegada a vez do Nik Bärtsch’s Ronin. A formação suíça alinhou com Nik Bärtsch (piano), Sha (clarinetes baixo e contrabaixo), Björn Meyer (contrabaixo), Kaspar Rast (bateria) e Andi Pupato (percussão). A proposta pareceu querer apontar para um género musical inclassificável, que recolhe elementos de vários géneros e estilos, e vai beber influências predominantes ao funk e ao groove actuais, com tempero de jazz. Na prática, o que se ouviu foi um pastiche de múltiplos géneros, subgéneros e influências, montados numa plataforma lounge algo incaracterística. Sem imaginação, ao Nik Bärtsch’s Ronin sobrou em aborrecimento o que lhe faltou em capacidade de risco e atrevimento, tolhido pela frequente e maçadora repetição das figuras melódicas e rítmicas. Os melhores momentos aconteceram quando lhe deu para sugerir Weather Report, Herbie Hanckok ou Miles Davis, matéria insuficiente para evitar que o Ronin se perdesse na tentativa de encontrar a saída cósmica que tanto procurou. Como produto musical inócuo, tem potencial para servir como papel de parede sonoro, em bares, elevadores ou aeroportos.

Domingo, 5, à noite, actuou a Crimetime Orchestra, formação norueguesa constituída por 12 músicos, bem interessante de ouvir. Militante do groove psicadélico com pulsão muito acentuada de rock e funk, à maneira nórdica, a Crimetime Orchestra investiu energética pela noite adentro, com muitos e bons momentos de improvisação e musicalidade colectiva, jogos entre a secção de sopros, constituída por trompete, trombone e quatro saxofones) com os dois baixos eléctricos, guitarra ‘grunge’, piano eléctrico, electrónica pesada e percussão. Recursos rítmicos imaginativos e cargas de artilharia pesada intervaladas por fase etéreas, à procura da descarga momentosa seguinte, com muito rock power. Foi justamente nas pontes entre as secções melódicas, delineadas pelos sopros em uníssono, e os assaltos da improvisação, que a Crimetime Orchestra perdeu um pouco a concentração e andou aos papéis por falta de melhor ligação entre os blocos; o que a fez demorar-se a encontrar a saída e a recuperar forças para entrar de novo na rebentação caótica, com grande espavento, até deslizar para o banco de nevoeiro, de onde o monstro (Life Is a Beautiful Monster) se erguia de novo, sedento de acção. É manifesto que se a Crimetime se dá melhor com o fogo de artifício que com a dolência planante. Globalmente, despertou interesse e deu luta.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Friedrich Gulda & Ursula Anders - Gegenwart (ERP, ...
  • Bill Evans, Emergence. Como o título sugere, a com...
  • Próximos lançamentos da ESP-DISK, em Setembro:...
  • Pirouet Records
  • O trabalho do artista sonoro Jorge Mantas, aka The...
  • Na rubrica Jazz ao Vivo!, do programa Um Toque de ...
  • ZU - Live in Helsinki, 2003. Imaginativa solução d...
  • High Two Recordings
  • Jazz em Agosto / 2007'A programação deste ano, que...
  • ALL ABOUT JAZZ - NEW YORK (Agosto/2007) On the Co...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger