Image hosted by Photobucket.com
24.7.07
 

Casa cheia para uma noite de EST no CBB, em Lisboa, a 22 de Julho p.p. Apelidado por muita gente de trio “inovador”, só a ouvidos muito distraídos ou demasiado empolgados poderá soar assim. Importa não confundir o que os suecos Esbjörn Svensson, Dan Berglund e Magnus Öström fazem bem – a iconoclastia das tradições ligadas ao trio de piano no jazz, através da sua desconstrução e da importação de elementos até há algum tempo estranhos ao serviço do género – com aquilo que se poderia designar pela elevação do formato e do conteúdo do trio a patamares ainda não alcançados. Tarefa de dificuldade superior...
Praticantes desta modalidade de esbatimento de fronteiras do jazz relativamente a outros géneros, há cada vez mais (o mesmo se passa nas permutações do jazz com a new music, com o rock, a world, etc.) e o EST não é seguramente o primeiro nem será o último a fazê-lo. Neste segmento particular do jazz versus pop – um filão a explorar – há muito que Brad Mehldau ou Jason Moran, para citar os mais afamados, vêm calcorreando idênticos caminhos de fusão, com resultados bastante diferenciados. À vista do que se conhece em disco e se ouviu na noite lisboeta, o EST não é nome para se contar entre aqueles que podem dar "novos mundos ao mundo" do jazz. Nem é isso que parece interessar aos próprios e às audiências. Porventura, estará mais virado para captar o gosto e o interesse de um público do “centro”, homólogo do “centrão” político, flutuante por natureza. Nessa medida, consegue agradar às massas, alcançando bons lugares nas tabelas de vendas pop, beneficia de audiências planetárias via MTV, e, simultaneamente, seduz boa parte das atenções do público típico (e atípico) do jazz. Como? Através da capacidade de desmontar referências anteriores e remontá-las sobre outras plataformas, remisturando tudo num composto light de fácil digestão e assimilação. Na observação deste processo, o EST foi interessante de seguir, mesmo quando ocasionalmente entediante, em particular nos solos de contrabaixo preparado com electrónica, por vezes de gosto kitsch algo duvidoso.
O grande mérito o EST, tanto quanto me parece, reside em ser um trio simpático, agradável de ouvir e competente na arte da miscigenação, ainda que demasiado previsível para estes ouvidos. Em disco e ao vivo (curiosamente, soa sempre como se de disco se tratasse) o trio pratica uma fórmula de sucesso garantido, muito dentro do estilo do Pat Matheny Group. No CCB só faltou a guitarra de Metheny para ser quase chapadinho. Mérito, demérito? Não importa. Soou bem enquanto não cansou, face à ausência de risco e à insistente repetição do mesmo tipo de soluções harmónicas, rítmicas e melódicas.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Novidades SIRR anthony pateras + steve peters + pe...
  • Saída (ainda) recente de Thelmo Cristovam na norue...
  • Da pfMENTUM, editora de Jeff Kaiser, sedeada em Ve...
  • Notícia esta semana foi o regresso à actividade da...
  • FESTIVAL DE MÚSICAS DO MUNDO / SINES 2007
  • John Coltrane Tribute Session with Dave Liebman an...
  • Music of Idris Ackamoor, 1971-2004, com recolha e ...
  • Alan Sondheim, músico, escritor, investigador, mu...
  • Newsletter de 20.07.2007
  • LNGTCHÉ "Music for an untitled film by T.Zärkkof" ...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger