Image hosted by Photobucket.com
7.6.07
 

PIANO, PIANíSSIMO...

Sendo que a Musicologia é o estudo profundo e superior da Música sob todos ou especiais aspectos, procuraremos uma observação dialéctica e necessária para rebater a babelização da linguagem musical.
É certamente uma crise de valores tendente à descaracterização das músicas em eventos nos mais considerados locais para a arte dos sons, agora até já detectáveis nas modalidades de interesseiro aluguer ou magnânima cedência de espaço em marcas as mais absolutamente prestigiantes...
Neste texto procura-se uma reflexão sobre um situacionismo musical, confrontar o excesso de ecletismo. Não há uma Música mas várias músicas, cada uma com o seu conceptualismo, a sua técnica, a sua historicidade; com talentosos e imaginativos criadores em todos os planos - o que se pretende denunciar é a rebarbativa miscegenização perpretada por músicos e compositores que não dominam devidamente a genuína semiologia e estão alheios ao seu sentido profundo sentido, à sua semântica - o fado é destrinçável de qualquer outra música tradicional/popular; esvai-se o sentimento, o imaginário; no fado há um leque instrumental impróprio (exs. bateria, DJ, computador ou sintetizador).
A música barroca caracteriza-se por uma estruturação específica e corresponde a uma cronologia própria; mantém-se viva pelo virtuosismo dos seus intérpretes; há o humor como na recuperação de sintagmas de Beethoven por Kagel; há uma gramatologia que autoriza a reconsideração do passado como na obra de Stravinsky sobre Gesualdo...
Acontece que ocorrem nas programações musicais (não em todas, evidentemente) notórios casos de concocção estilística e tipológica, fait divers, miscelânea de exibições alegadamente pluriculturais, com elevados desníveis qualitativos - música ora pegagógica, ora etária, ora convencional, ora pragmática; feira de vaidades sem o conceito de Música como Arte.
Consideremos duas espécies de pianistas: o intérprete, que realiza o que foi escrito pelo compositor e, o improvisador, cujo jogo se desinibe da composição, pertinente na maioria das musicas orais do mundo, sem o domínio da escrita, privilégio da improvisação - pode haver criações mistas. A composição escrita evoluiu desde o serialismo para uma cientificidade que progressivamente dispensava o factor da improvisação.
Glorificam-se músicos portugueses de real qualidade, muito requisitados, que, com todo a legitimidade, respondem, na sua melhor maneira profissional, às diversificadas solicitações (exs: Mário Laginha e Bernardo Sassetti); ora trata-se duma estirpe de artistas que não são minimamente especialistas na interpretação dos clássicos nem estimáveis improvisadores no âmbito da música contemporânea avant; este tipo de executantes (de chefes de orquestra a solistas) está votado à variedade de execuções e a execuções da variedade, com grande fôlego poliestilistíco; ...serve de exemplo: o pianista americano Uri Caine, muito preferido em certames nacionais: um insinuante solista de jazz neomoderno apropria-se de Bach, Wagner, Mahler, vulgarizando uma linguagem superior, reificada por processos pobres de transcrição; obras criadas pelo génio são transladadas para o divertimento - pode citar-se, num plano global, anterior e similarmente, o vetusto "play Bach" de Jacques Loussier, o teclado eruditão de Keith Jarrett a emular os clássicos..., etc...; propostas editoriais para a venda milionária... com a inerente perda de valores históricos e artísticos....uma corrente da música para computador legitimamente reverifica todas as músicas, mas o seu projecto é híbrido e realizado num meio tecnológico.
Há uma outra e nova forma de improvisar num conceito de "obra aberta" e de "obra de Arte", que escapa a estes artesãos pelo seu vanguardismo conceptual - o mesmo se deve denunciar e negar nas investidas funcionais anódinas em interarte (artes plásticas, dança, teatro, literatura, esta então levada aos limites da usura) e multimedia (foto, cinema, instalação, video, assumidas como categorias fugitivas, etc...)...isto para não especular sobre produções ditas "multiculturais" a descambar na polissemia etno- degradante - cabe no mesmo saco o fado, o Ravel, o samba, o "jazz", o ressacado rap, o Zeca Afonso, o Ravi Shankar, a morna, o Lopes-Graça, o minimalismo, o Xenakis, o popular pimba, o rasca Abrunhosa, o globalizado hip hop. etc ...; ...é a perda do discernimento, mercadoria espectacular com vistosos resultados para certos operadores culturais com assento nas mais diversas instituições... mas mais grave: é o desaparecimento de valores (éticos e estéticos) a despistar um público apreciador do verdadeiro.
Em contrapartida, pelo lado negativo da ruína pósmodernista, proliferam rábulas mascaradas por alegações diletantes de interarte, multimedia, as quais não passam da rapsódia e da música funcional; arte afinal sem filosofia e inovação; ... indigitá-las como representantes da nova música ou do experimentalismo torna aquilo que devia ser construtivo numa manobra dilatória.
A talhe de foice podemos também falar da leviandade com que agora se interpreta grandes compositores e a facilidade com que se alistam nomes de génios da Musica ao lado de arrivistas ou anódinos musicógrafos, pois, similarmente, não estamos a ouvir Bartok mas qualquer refluxo sonoro desfigurador e sem autenticidade, e o copista vulgar passa por criador com talento... a apologia do plágio.É um mister detectar os simulacros melódicos na música ligeira, fenómeno hoje efeito de pudim instantâneo no lap top vulgarizado nesta área musical, mas trabalho enfadonho e infinitivo.
Oculta-se a criatividade daqueles que são os músicos de direito, que infelizmente e por lapsos e deliberações autocráticas tem tão poucos amadores - a música é dos músicos e as instituições para a Música não se podem arrogar com posturas censórias e silenciar a produção artistica apenas por motivos demagógicos, a deitar o olho à propaganda na TV e nos media em geral, amnistiadas por lamurientas restrições orçamentais...a voracidade é sôfrega.
São denotadamente poucos e com todo direito a mostrar a Arte e as ideias...com o risco até de elas não serem compreendidas por espíritos mais tacanhos e serem minoritárias no seu público.
Os músicos (todos eles e de todos os quadrantes) precisam comunicar o seu trabalho e não se pode deixar passar decisões impróprias e arbitrárias que os envolvam em charadas do entretenimento e os atirem para o desemprego e a incomunicabilidade ou ao serviço compulsivo de sobrevivência.

.... Música é Cultura.

Jorge Lima Barreto


 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • François Houle (clarinetes), Evan Parker (saxofone...
  • Marion Brown - In Sommerhausen 1. Dance No. 1 [...
  • Out Sound
  • A propósito de From the Plantation to the Penitent...
  • XII Vision Festival
  • Rinus Van Alebeek (NL) Música Concreta. Field Reco...
  • Vamos lá a ser queridos para alguns leitores que m...
  • FESTIVAL LAGOA JAZZ 2007 15, 16 e 17 de Junho Par...
  • Mais uma achega para o debate: What we've learned ...
  • Dia 1 de Junho passado, quando me preparava para l...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger