Image hosted by Photobucket.com
14.12.06
 

Nem seria preciso ouvir Spiritualized, do Lisbon Improvisation Players (LIP), formação arregimentada e mantida há um bom par de anos por Rodrigo Amado, saxofonista tenor, alto e barítono (aqui apenas nos dois últimos), para, além de confirmar as anteriores boas prestações do grupo, poder-se a gente inteirar do excelente pico de forma em que se encontra o trompetista norte-americano Dennis González (Dallas, Texas), em preparos pós Silkheart, a editora sueca que nos anos 80 acolheu e publicou parte considerável da sua obra.
Além de comprovar que do Texas não sai só petróleo e lixo presidenciável – bastaria pensar que é de lá que são oriundos Ornette Coleman, Booker Ervin ou Bobby Bradford (também eles cá moram...), para citar apenas três dos maiores que o jazz viu nascer –, Spiritualized (Clean Feed, 2006) encerra muitos mais motivos de interesse. Desde logo, porque faz jus ao título, ao encontrar Rodrigo Amado, Pedro Gonçalves e Bruno Pedroso (a base do LIP), mais o violoncelista alemão Ulrich Mitzlaff (preciosa adição em dois dois seis temas, que suponho serem totalmente improvisados), virados para a exploração das instâncias mais espirituais do jazz, imbuídos do espírito e imersos numa longa tradição que vem dos inícios da década de 60 e que não mais cessou de se transformar.
Ouvido e reouvido o disco, tem-se a clara percepção de se estar em presença dum caso feliz e profícuo de reciprocidade na troca de ideias, no estímulo e provocação entre sopros, cordas e percussão; uma conta-corrente sempre em aberto, onde os músicos colocam e retiram ideias, influenciados uns pelos outros. Em Tensegrity, tema de abertura, o som limpo e aberto, do tipo marching band, de Dennis González (de tempos a tempos, repete um motivo melódico que lembra o canto duma ave), responde Rodrigo Amado com o peso a desenvoltura do seu saxofone barítono – ligação à terra, em contraponto com o elemento ar que é dado pela trompete.
Está dado o mote relacional entre os sopros, que, com interessantes nuances e diferentes modulações, atravessa todo o disco, tanto nos solos como no recorte instantâneo das melodias. O solo que R. Amado arranca ao segundo tema (Dreams/Reflections), por exemplo, funciona como uma raspagem à alma, daquelas que arrancam o sarro acumulado e nos deixam prontos para outra. Awareness, Meeting Our Times e o belíssimo e final Spiritualized, continuam as subidas e descidas entre a superfície e profundezas, facilitando o trabalho de introspecção.
Pedro Gonçalves (contrabaixo) e Bruno Pedroso (bateria), mais que apoio rítmico, tarefa que desempenham com proficiência, primam sobretudo no desenho e na construção de uma sólida trama sobre a qual assenta a profusão de linhas e formas de metal colorido, pontualmente enriquecidas pelas cordas de Mitzlaff.
Tudo visto, Spiritualized é um disco sólido, de intenso groove, liberto de constrangimentos formais e académicos, bem urdido e coeso de fio a pavio. Bom de ouvir a qualquer hora do dia ou da noite. Venham mais (destes) cinco!

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Em mp3, duas das três edições da Horos, que regist...
  • Jesús Moreno faz referência n'o zurret d´artal ao ...
  • Wisdom Of Sun Ra / Sun Ra's Polemical Broadsheets...
  • PIANO SOLO • TWELVE TONE TALES • VOL 1 PIANO SOLO ...
  • O Swen's blog (Artists mentioned in the WIRE Magaz...
  • No correio, as prezadas notícias de Georgie Hasla...
  • Que coisa é aquela ao lado de Joe McPhee? The Thin...
  • No Church Number Nine... Tenor Rising, Drums Expa...
  • Reggie Workman's Sculptured Sounds
  • Bela surpresa me guardava a audição de Logique du ...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger