Image hosted by Photobucket.com
6.12.06
 
A música é uma arma. Mark Whitecage e a sua Bi-Costal Orchestra levam a ideia a sério, engajados contra o bushismo enquanto ideologia e prática política. Afinal, contra o que alguns fazedores de opinião nos querem incutir, há norte-americanos (e não apenas o resto do Mundo…) que, não sendo “anti-americanos”, não apoiam o que o governo do seu país tem andado a fazer dentro e fora de portas nos últimos cinco anos. Na verdade, apesar dos anos de chumbo que caíram sobre a América, há gente que não perdeu a lucidez e a sanidade mental para perceber e denunciar a tragédia real e iminente.
É este o ponto de partida de BushWacked: A Spoken Opera, a mais recente realização do saxofonista e clarinetista Mark Whitecage (n. 1937), com Rozanne Levine (clarinetes) Scott Steele (guitarra), Bill Larimer (piano), e Robert Mahaffay (bateria), músicos política e socialmente empenhados, que não se conformam com a inevitabilidade da guerra do Iraque, a tortura e prisão sem direitos de Guantanamo, e com a interminável série de desmandos de uma Administração que só pode fazer esperar que um dia a “boa América” – aquela que em muitos e importantes momentos da História se deu a conhecer e foi determinante para o progresso da Humanidade – possa regressar de novo à cena internacional, livre da seita de fanáticos que delapida recursos em nome de uma putativa luta contra o terrorismo.
O mundo está melhor e mais seguro com Bush no poder? A resposta pode encontrar-se espelhada nos últimos cinco anos, período durante o qual a América, única superpotência mundial, tem vindo a ser dirigida por gente cuja praxis subverte tudo o que está na base do nascimento da Democracia americana, o oposto do legado dos "Founding Fathers". Também por isso este é um disco de indignação e repúdio pelo que Whitecage considera o estado perverso e maléfico a que Bush conduziu a nação, os três dês de “deadly dada debacle”, como alguém lhe chamou.
O libreto é constituído por textos avulso compilados a partir de jornais e revistas (Harper’s Magazine, The Nation, The Progressive Populist, etc), como o enunciado de Rozanne Levine logo a abrir, In Our Name, seguido da apresentação do saldo da actividade do Attorney General John Ashcroft, que, dos 5000 presos por suspeita de terrorismo, não conseguiu obter uma única condenação (0 for 5000, recitação sobre fundo de New Orleans, a evocar a tragédia de que o Presidente não quis saber…). O disco prossegue no mesmo tom de denúncia e indignação ao longo de Follow the Money, de Who’s the War For (poema de Jeanne Lee, escrito em 1990). Fool Me Twice, Shame on Me, é um “instrumental” titulado numa referência óbvia à reeleição da figura que, à primeira, aldrabou a votação na Florida, e à segunda mentiu sobre as armas de destruição em massa, que as havia aos molhos no Iraque, como se veio a saber.
Musicalmente, o disco é muito forte, à altura do tema e do ardor que os intervenientes colocam no seu tratamento e denúncia. É mesmo uma das peças musicais de maior envergadura que Mark Whitecage concebeu e produziu nos 50 anos que leva de carreira. Porém, com esta nova formação da Bi-Costal Orchestra, o saxofonista de New Jersey não se fica pelo panfleto contra o que designa por Bush Crime Family. Independentemente das palavras e das finalidades políticas que elas pretendem servir, embora totalmente filiada na tradição da protest song norte-americana, BushWacked: A Spoken Opera (Acoustics Records) é uma obra essencialmente musical, com todo o empenho posto ao serviço da criação de um discurso onde tradição e inovação (as duas forças motrizes de Mr. Whitecage) confluem para produzir um trabalho digno, intenso e cheio de grandes momentos de improvisação colectiva, gosto e estilo variado, fora dos cânones em que o jazz do momento se desenvolve, a que não falta uma boa dose de humor. Não se trata pois de música escondida atrás de palavras recitadas ou a servir-lhe de fundo sonoro. Noutro sentido, palavras e música ecoam umas nas outras, valorizam-se reciprocamente e embalam-se em tonalidades fortes de freebop, swing e improvisação em partes equivalentes.
BushWacked é um épico sócio-político-musical da América apesar de Bush, um contributo válido para o debate em curso, feito a pensar nos tempos que hão-de vir, necessariamente melhores. Já faltou mais.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • O projecto é para lá de interessante: trata-se da ...
  • Flight 17, de 1978: o grande pianista de Houston, ...
  • "So how to describe this music? As George Lewis wr...
  • A começar dia 12 de Dezembro há música de dança du...
  • Thoughts on Sun Ra (Adam Abraham) in Downbeat (12/...
  • Van Morrison, Astral Weeks
  • ... E por falar na Freedom, que tal saber que Time...
  • Noah Howard, The Black Ark Noah Howard (sax alto)A...
  • Yusef Lateef, Jazz 'Round the World (Impulse!, 196...
  • Prossegue a digressão americana do trio de Paul ...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger