Image hosted by Photobucket.com
14.10.06
 

Para Ken Vandermark a luta continua mesmo sem Jeb Bishop e sem o seu trombone ágil e atlético, visto que entrou em licença sabática em virtude de algum cansaço (pudera) e problemas de saúde que está a tratar, segundo confidenciou em entrevista à Cadence Magazine, número de Janeiro (Vol 32, no. 1, pp. 5-14). Li noutros sítios que se continua a especular sobre as putativas e misteriosas razões para a inopinada saída de Bishop do quinteto, ou seja, as comadres do jazz entretidas na intrigalhada do costume, à falta de assunto e de interesse na vida. Não sei porquê tanta badalação e frivolidade, se o próprio há quase um ano disse preto no branco por que é que resolveu pôr-se ao fresco, tratar da perda auditiva que sente, fazer uma paragem na roda-viva em que andava com os Cinco de Vandermark, o Tentet de Brötzmann (de tão mavioso só faz bem aos ouvidos, não percebo como é que alguém se pode queixar...), a Territory Band, o seu próprio trio, e o permanente para cá e para lá entre a Europa e os States. Não deve ser vida fácil. Lê-se na longa entrevista à Cadence que, provavelmente por ter tocado guitarra em bandas de rock e frequentado muitos concertos (preparemo-nos, que somos a seguir), nos últimos anos Jeb Bishop tem sofrido problemas de audição, zumbidos e perda de acuidade auditiva, pelo que, forçado à pausa para tratamento, resolveu aproveitar o retiro para pensar sobre as direcções a empreender quanto à carreira, compor novos temas, preparar projectos, dar umas curvas, tirar umas dúvidas de trombone comigo, etc.
Mais uma aventura dos Cinco em Chicago, sem o cão Tim nem Enid Blyton, mas com o violoncelista Fred Lonberg-Holm na cadeira deixada vaga com a saída de Bishop. O resto da turma mantém-se vigilante nos respectivos postos: Dave Rempis, saxofones alto e tenor, Kent Kessler, contrabaixo, e Tim "afinal havia um Tim" Daisy, bateria.
Com A Discontinuous Line perdeu-se algum brilho metálico (nada se perde, nada se cria, tudo se transforma, já dizia Lavoisier em 1789) e está diferente a capacidade de explosão nos momentos cruciais, mas ganhou-se em profundidade mingusiana e em novas soluções harmónicas, muito pela passagem das quatro cordas a regime de oito, o que por vezes dá ao som uma textura de chocolate quente a derreter no ponto. O passo não está tão frenético e apressado (Vandermark vai apurando com a idade) e a variação rítmica dentro dos temas passou a ser maior. The Vandermak 5 está de boa saúde, recomenda-se, e mais ligado à terra, é isso. Como sempre, na Atavistic Worldwide, grande casa de discos de Chicago.


 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • O Jazz on 3 (BBC Radio 3) desta semana propõe uma ...
  • Luís Lopes – Bruno Pedroso – Paulo Curado Bic...
  • Nos dias de hoje, além do hip-hop e estéticas con...
  • Love Me Two Times, CD duplo de Jason Lescalleet, ...
  • The Beloved Music... Anda à procura de um pouco de...
  • Herb Robertson!
  • Destination: Out: "Instead of our usual posts of r...
  • VARIABLE GEOMETRY ORCHESTRA ernesto_rodrigues viol...
  • Sou grande admirador do trabalho do saxofonista I...
  • É bom que se treine o fôlego para a nova entrega d...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger