Image hosted by Photobucket.com
11.10.06
 

Não é só de agora. Kali. Z. Fasteau, anda habitualmente nas melhores companhias. Desde tenra idade que assim tem sido, veja-se a debutação com o grande e a caminho do esquecimento, Donald Rafael Garrett (não consta que fosse parente, sequer afastado, do nosso Almeida Garrett, poeta das Folhas Caídas e prosador de outras grandes Viagens), contrabaixista, menos referenciado como clarinetista, companheiro da revolução coltraneana (exemplifico com dois títulos paradigmáticos, Kulu Se Mama e Live in Seattle) e cúmplice do visionarismo colorido do grande Rahsaan Roland Kirk, e amigo dilecto de Zusaan Kali Fasteau (era assim que a menina assinava por alturas de 71) Garrett nos tempos gloriosos dos primeiros Esp-Disk. Esta casa de discos, cuja interessante divisa “the artists alone decide what you will hear” – coisa estranha impossível pelos padrões industriais de hoje –, era dirigida pelo advogado e produtor Bernard Stollman, que lhes deitou olhos e ouvidos e resolveu acolher o projecto o que veio a ficar conhecido como The Sea Ensemble (Fasteau & Garrett), de onde saiu o título We Move Together (1974), e mais tarde Memoirs of a Dream (duplo de 1975-77), então já na editora por si fundada e até hoje mantida pela multi-instrumentista norte-americana (Donald Rafael Garrett, a terra lhe seja leve, faleceu em 1989), a Flying Note Records.
Tudo isto é história e boa história, essencial para perceber e sentir o fascínio de Zusaan pelo nomadismo cultural e geográfico (depois dos anos de formação musical, viveu anos a fio na índia e na Turquia, com estadias várias numa série de ouros países asiáticos e europeus) e por uma vasta área musical que viria décadas mais tarde a ser designada pelo substantivo colectivo desastrado de world music, que só piora quando traduzido para música do mundo.
Rótulos à parte, a obra de Kali Z. tem sido quase sempre do outro mundo, numa dupla e alternativa acepção, pois ou é realmente apreciada e justamente considerada de altíssimo nível criativo (Sun Ra gostava dela que se pelava), ou é sobranceiramente ignorada pela dita comunidade do jazz, que a olha como produto bizarro ou simplesmente merecedor de uma sucinta nota de rodapé.
Compreende-se: a senhora vem marcada com o “opróbio” do free jazz, um valor muito negativo nestes tempos de contra-reforma comandada globalmente pela multinacional Marsalis & Crouch, Lincoln Center, Inc., que, entre outras coisas, auto-proclama o direito de determinar urbi et orbi, “isto é jazz, aquilo não é, e o resto logo se vê”. Apesar da política de homogeneização, pasteurização e liofilização levada a cabo pelos poderes industrio-mediáticos dominantes, num processo crescente de downbeatalização do jazz, continua felizmente a haver gente teimosa e avessa aos modismos prevalecentes, que persiste em resistir ao formato standard com que a indústria nos brinda, e com o qual vai enchendo os cofres, de fusão em fusão, enquanto chora as quebras de vendas e os downloads dos putos e mais crescidinhos. Que pena que eu tenho.
Kali Z. Fasteau tem novo disco. Novinho, acabado de sair do forno. Motivo de celebração? Claro, e já digo porquê. Entretanto, as boas companhias dos últimos 40 anos têm variado bastante, é certo, mas são sempre de altíssimo nível. Foi assim no disco anterior a este, Making Waves, em que o horror da capa (Kali, please, I beg you, continua a tocar e deixa o design gráfico para quem tenha jeito, é o que te peço encarecidamente) era inversamente proporcional à qualidade da música nele contida, tocada por Kidd Jordan, Bobby Few e Sirone; assim continua a ser em People of the Ninht (o título pretende homenagear a heroicidade das pessoas do Ninth Ward of New Orleans, a gente de Kidd Jordan), que além do repetente saxofonista tenor, tem o aliciante especial de trazer Michael T. A. Thompson à bateria, consumadamente um dos grandes das peles e pratos no activo. E que trio este é! Encontrada a equipa, foram para estúdio a 25 de Setembro de 2005, na ressaca do furacão Katrina, ainda sob os efeitos emocionais da destruição da cidade de New Orleans e da zona envolvente, terra do Professor Jordan, cuja família sofreu directamente com as duas catástrofes, a do furacão herself (já que tem nome feminino) e a do abandono a que foram votados pelas autoridades locais, regionais e nacionais, com Bush, claro, à cabeça (a terceira...).
Kidd Jordan, T. A. Thompson e Kali, ela própria uma antiga residente em New Orleans, onde em tempos havia sido militante do Congress of Racial Equality, exorcizam a dor através da do potencial de healing force of the Universe (Albert Ayler) da música criada e partilhada em conjunto. Kali Z. em piano, violoncelo, saxofone soprano, nai (instrumento oriental da família das flautas, com palheta) e aquasonic (jarro de metal com água, tocado com arco), e Kidd, som quente, cheio e poderoso de saxofone tenor, o maior da Crescent City, servidos ambos pela mestria rítmica de T. A., e pelo seu conceito de soundrhytium, que hei-de explicar em próxima oportunidade.
Para meu gosto e do conhecimento aprofundado que me gabo de ter da obra de Kali Z. Fasteau, com discos importantes, como sejam Worlds Beyond Words, Memoirs of a Dream, Prophecy, Sensual Hearing, Comraderie, Vivid, Oneness ou Making Waves, todos na Flying Note Records, sem menosprezo por aqueles títulos que compõem uma obra com elevado valor artístico, arrisco afirmar que este é o melhor disco da artista, o mais maduro, concentrado e profundo que realizou até hoje. Aquele que melhor combina a força espiritual da sua música, a discreta etnicidade e a extraordinária musicalidade, graça, liberdade e agilidade que resulta da interacção de três músicos, mais que compatíveis, em comunhão plena e entrega total. Palavras para quê?! Aposto que John Coltrane, Sun Ra e Don Cherry não desdenhariam de People of the Ninth (New Orleans and the Hurricane 2005). Já ganhei!

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Sun Ra and His Space Arkestra. Nova Iorque, 23 de...
  • Luís Lopes_guitarra eléctrica Paulo Curado_saxofon...
  • Modo Trio: The Uninvited e Greg Burk: The Way In ...
  • Alan Sondheim e a Fire Museum Records têm prontos ...
  • Festival of New Trumpet Music apresenta NEW TRUMPE...
  • Assumed Possibilities designa o quarteto do britân...
  • ポルトガル語らしいです。 AO Endlessly, Sweetly and Slightly ...
  • 15TH FESTIVAL OF EXPERIMENTAL MUSIC OTOMO YOSHIHID...
  • Para assinalar os 70 anos de Steve Reich (3 de Out...
  • Ainda há pouco aqui toquei ao de leve neste assunt...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger