Image hosted by Photobucket.com
18.10.06
 

John Blum Astrogeny Quartet. John Blum (piano), Antonio Grippi (saxofone alto e clarinete alto), William Parker (contrabaixo) e Denis Charles (bateria). Gravação ao vivo no Open City Center de Nova Iorque, em 11 de Fevereiro de 1998, representa a simultânea epifania e oclusão de um quarteto extraordinário, qualquer que seja o critério usado para a análise, nominal, histórico, musical ou outro.
O disco agora publicado pela Eremite Records carrega consigo dois acontecimentos marcantes, que reforçam a ideia de irrepetibilidade ligada à criação instantânea, para o que contribuem os elementos de drama que acentuam a ideia de fatalidade do destino: apesar de se ter reunido a pensar num trabalho regular e sistemático, o quarteto, cujo nome encontra ressonância na ideia de nascimento das estrelas e da sua relação com o espaço sideral (astrogenia) acabou por se reunir uma única vez para este concerto do Open City Center, data que marcou igualmente a derradeira performance pública do baterista Denis Charles em território caseiro. Charles viria a falecer pouco mais de um mês depois, a 28 de Março de 1998, no termo de uma digressão europeia que o devolveu a casa exausto e com a vida por um fio.
Por outro lado, sugestão ou não, ao longo dos 46 minutos e meio do concerto sente-se uma impressionante sensação de urgência, algo que está na iminência de acontecer, como se os músicos tivessem o tempo a correr contra eles, razão desta “pressa” de tocar e de sublinhar o que tinham para dizer, talvez porque não viesse a ser possível fazê-lo de novo.
John Blum (n. 1968) é um “monster player”, como lhe chamou o crítico e saxofonista soprano Chris Kelsey nas páginas da revista Jazz Times. Pouco conhecido mesmo nos meios do jazz, pese embora o excelente disco a solo que a recém posta entre parêntesis Drimala Records publicou em 2002 (Naked Mirror), Blum ocupa um território situado algures entre dois grandes rios expressionistas de enorme caudal, Borah Bergman e Cecil Taylor, estilo que tem vindo a personalizar através da partilha de palcos com Sunny Murray, Raphe Malik, Sabir Mateen, Cooper-Moore, Daniel Carter e outros heróis do free jazz nova-iorquino.
A música é fortemente percussiva, ou não estivessem William Parker e Denis Charles a bordo com o seu groove irresistível. A dupla prepara adequadamente o terreno para a sementeira conjunta de John Blum e do pós-coltraneano e lyonista de ascendência italiana, António Grippi, saxofonista alto que, além de co-assinar com o pianista a composição de quatro dos cinco temas, está aqui como peixe na água, assumindo uma parte importante do protagonismo e da direcção conjunta dos acontecimentos. Esta sessão de 11 de Fevereiro emparceira perfeitamente com a de Captain of the Deep, de Janeiro de 1991, sob a liderança de Denis Charles, com Jemeel Moondoc, Nathan Breedlove e Wilbert deJoode, também na Eremite Records. Qualquer deles é disco para dar p’os peitos a um cavalo, e Michael Ehlers voltou a marcar pontos.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • All About Jazz New York, edição de Outubro, com r...
  • Dan Warburton (crítico musical, violinista, piani...
  • Arturo Ortega, aka Piscis, de Guadalajara, México,...
  • Nas nuvens com Weather Report, Sweetnighter (1973...
  • Para Ken Vandermark a luta continua mesmo sem Jeb ...
  • O Jazz on 3 (BBC Radio 3) desta semana propõe uma ...
  • Luís Lopes – Bruno Pedroso – Paulo Curado Bic...
  • Nos dias de hoje, além do hip-hop e estéticas con...
  • Love Me Two Times, CD duplo de Jason Lescalleet, ...
  • The Beloved Music... Anda à procura de um pouco de...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger