Image hosted by Photobucket.com
31.10.06
 
A história e a lenda contam-no de várias maneiras, mas há traços comuns a ambas: Duke Reid, polícia e, depois da mulher ter ganho uns cobres na lotaria de Kingston, Jamaica, vendedor de bebidas alcoólicas numa loja onde montou um sistema de som como chamariz para a clientela, que nas tardes de ócio pouco mais tinha que fazer que vaguear e certamente fumar uns porros jeitosos. O negócio começou frutificar e Reid arquitectou uma maneira de levar a promoção das bebidas aos quatro cantos da Ilha, que, com o seu sound system ambulante, passou a calcorrear com regularidade. A ideia era simples: vinde cá meninos e meninas, ouçam uns hits de R&B, umas malhas de ska e bebam uns copos, divirtam-se à grande, que assim ganhamos todos. Tanto assim foi que cedo, para transportar o sistema de terra em terra, Reid teve que adquirir uma camioneta cuja marca era Trojan. “Aí vem o Trojan”, gritava o povo quando via chegar o empresário e self-made man da Jamaica ao volante da sua bela e reluzente camioneta, para materializar os sonhos da rapaziada do início dos anos 60. E a editora que fundou a seguir naturalmente ficou conhecida pelo nome da camioneta. Reid começou por gravar artistas do submundo do rock steady e do ska, evoluindo depois para formas mais elaboradas, ao mesmo tempo que promovia o reggae na antiga colónia, o Reino Unido, o que se revelou um negócio da China. Em traços largos, assim começou a história da Trojan, a mais importante e influente editora de reggae, muito antes de nascerem os nomes, Bob Marley à cabeça, que viriam a colocar esta específica forma de música caribenha nas bocas do mundo, em todo o Mundo, influenciando músicos das mais diversas áreas musicais. Duke Reid era um caso especial de jeito para o negócio. A visão prospectiva aguda que possuía levou-o a adquirir os direitos de edição de muitos artistas que não tinham onde cair mortos, promovendo-os e fazendo render os activos através da venda e promoção em Londres. Daí que hoje a Trojan, com os seus mais de 40 anos de actividade, possua o melhor e mais vasto arquivo de reggae antigo, representando para o reggae o que a Chess representa para o blues norte-americano.
A compilação Muzik City, The Story of Trojan, 100 temas que cobrem o período dos primeiros hits de Reid até à actualidade (a primeira edição é de 2003), passa pelos momentos altos e baixos da editora, raridades, bizzarias, clássicos e tesouros da Trojan, tudo embalado em quatro CDs: 'Tighten Up Time - The Early Years, 1968 to 1971'; 'None Shall Escape The Judgment - The Fall & Rise Of The Trojan Empire, 1971 to 2003'; 'Loop De Loop - Rarities & Oddities'; e 'Solid Sounds - Rare & Unreleased Gems from the Vaults' . A história principal e as pequenas histórias que a complementam vêm contadas num livrete de 50 páginas ilustradas com fotografias de pessoas que marcaram a vida da editora, cartazes, selos de discos e memorabilia vária. A não perder, pela música e pelo design gráfico. Distribuição portuguesa pela Dwitza.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • All About Jazz New York // Novembro On the Cover:...
  • Travei há dias conhecimento com o novo disco de M...
  • Impressões de Kurt Gottschalk sobre o Jazz em Ago...
  • Mr. Blentwell é o rei da misturada - an ongoing do...
  • Depois de Blackwater Bridge (Gary Hassay e Anne L...
  • John Carter/Bobby Bradford New Art Jazz Ensemble....
  • É de truz! Ou, por outra, são de truz. Dois disco...
  • A partir do edifício do Séc. XVIII da Rua da Barro...
  • São conhecidos como a "orquestra das nações unidas...
  • De ascendência polaca e romena, nascida na Argenti...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger