Image hosted by Photobucket.com
12.7.08
 

Photobucket

É difícil lidar com o tempo, mais ainda quando se é um mito do Séc. XX, um ícone da cultura pop global ainda no activo. O dilema seria então fazer como Greta Garbo, sair de cena e aumentar a carga mítica, ou cantar até que a voz e a energia desapareçam no meio da rouquidão absoluta. Bob Dylan ainda não chegou a este ponto, mas enquanto não se decide – e já vai sendo tarde para a primeira opção – continua a ser o papa de uma religião com uma liturgia muito própria, a andar de terra em terra na evocação das memórias de um passado de lenda viva, já que o presente não ajuda e o futuro do ofício passar-lhe-á inevitavelmente ao lado. As leis da vida, dizem. Dylan, símbolo de duas maneiras de estar na música popular norte-americana, de uma guitarra folk que depois ligou à corrente eléctrica, gesto que provocou o primeiro de uma série de cismas, tais foram as heresias para os muitos dos seus seguidores de outros tempos. Agora, apareceu a empunhar não uma nem outra das guitarras, mas a tocar um órgão de som desenxabido que, se não fosse tão murcho, pareceria até uma saudável provocação. Mas não foi. Em palco, viu-se um Dylan estático, sempre de lado em relação ao público, vestido num estilo Nashville conservador, chapéu largo e fato escuro, de risquinha branca na perna da calça. Os membros do grupo, todos de escuro e de chapéu preto, compunham uma imagem vinda de um passado quase presleyano, tudo certo, tudo canónico, lânguido e previsível, a condizer com uma música igualmente fatigada, rhythm & blues e rockabilly mais dito que cantado, a valer sobretudo pelas memórias que acordou em quem conseguiu reconhecer as canções, de tão pachorrentamente transformadas. E não foi preciso ir muito longe, porque o alinhamento incidiu à volta de Modern Times, com ponto alto em Spirit on the Water, e fora dele, em Don't Think Twice it's Alright, Ballad of a Thin Man, Highway 61 Revisited e numa ou noutra que não deu para perceber bem, já tanto fazia, para rematar com o único tema em que o público vibrou um pouco mais e cantou por ele: Like a Rolling Stone. Once upon a time you dressed so fine... Quase pareceu que coisa pegara e ia começar naquele momento, mas não, estava concluída a missa e cumprida a devoção de ir a Algés ver o papa. Uma questão de fé, mais ou menos abalável, ou de Maria vai com as outras. Bob Dylan @ Optimus Alive!08 - 11.7.08

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • The Past Inside The Future - A Tribute to Philip K...
  • No Limits Art Fest - Awesome Happening N1 @ Ulica ...
  • Massacre Divino - Agarez/Arnal [enrmp172] portugue...
  • mengele quartet . mongolo bat bi hiru [larr15] «Mi...
  • Paul Bley Trio: Darkly Winsome Jazz (NPR)
  • Lindíssimo, este Night Dreamer, primeiro disco de ...
  • Música Portuguesa Hoje, CCB, Lisboa
  • Larry Blumenfeld, no Village Voice: Recapping 2008...
  • http://www.homophoni.com
  • The Mercury Theatre on the Air

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger