Image hosted by Photobucket.com
25.5.08
 

Photobucket

Assisti ao segundo concerto do novo projecto do saxofonista e compositor luso-brasileiro Alípio C Neto, SINGULARITY, no Hot Clube de Portugal, em Lisboa, ontem (25 de Maio) à volta da meia-noite. Prezo-me de conhecer bem o trabalho de ACN, pelo que não foi de estranhar ter ido ao encontro de um grupo que, mal se formou, já apresenta um som maduro e trabalhado, com tudo colocado no devido lugar, mesmo (ou sobretudo) num tipo de manifestação artística em que as decisões são tomadas no instante em que várias opções se deparam no caminho. Nessa medida, o trio, dentro da diversidade idiossincrática dos seus membros, falou a uma só voz, com Alípio a dar espaço para solos, duetos e triangulações, num vai-vem entre a forma e a abstracção, com deambulações largas por um vasto conjunto de sinais identitários do jazz, com passagem pelo bop, free, jazz de câmara e blues cubista, tudo envolto em progressão swing mutante. Foi desse modo que o trio conseguiu fundir o devir temporal que vem de tempos distantes da historia do jazz para o momento presente, integrar tudo numa só corrente de expressão multipolar, abrindo novas amplitudes de visão futura – tudo condensado no instante em que a música brota a partir da escrita e da composição instantânea por via da improvisação em trio. Um prazer, ouvir Alípio C Neto a discursar solto e seguro no saxofone soprano curvo, instrumento que lhe tem permitido acrescentar agilidade e fantasia ao seu som mais potente e robusto de tenor. Tem dado bons frutos a atenção que ACN tem dispensado ao soprano neste último ano de intenso trabalho de descoberta e invenção sonora. Bem secundado esteve pelo contrabaixista japonês Masa Kamaguchi, conhecido pelas gravações que tem feito para a editora Fresh Sound, com o pessoal da downtown de Nova Iorque, do Jazz Composers Collective, e também com Alex Harding e com o veterano Ahmed Abdullah, o que dá bem a ideia da versatilidade e ductilidade do músico. Kamagushi mostrou ser um contrabaixista criativo, de timbre suave e leve, tão bom a acompanhar e a marcar o tempo, como a colorir e a preencher espaços, além de ter assinado dois ou três solos de grande invenção, numa espécie de jogo de arte marcial com o contrabaixo. Num mar de contrabaixistas que são, tantas e tantas vezes, ou imitadores de William Parker ou clones uns dos outros, é bom encontrar alguém personalizado como Masa Kamagushi. Perfeito para fechar o triângulo, o baterista norte-americano Clarence Becton. Impressionante na sabedoria dos seus 74 anos, na humildade de quem, tendo vivido e trabalhado com grandes vultos do passado (só para dar uma ideia, Thelonious Monk, Mal Waldron, Joe Henderson e Henry Grimes), transporta consigo a capacidade única de se (nos) maravilhar com a simplicidade de um som com a conta, o peso e a medida que o contexto e a situação requeriam em cada momento. Nem mais, nem menos. Novo projecto, bem interessante, por sinal, este que o saxofonista Alípio C Neto pôs em movimento e que se quer ver mais vezes e a rodar por aí, como hoje (25 de Maio) à noite (21h30), na Fábrica Braço de Prata, em Lisboa. Se com um ensaio apenas foi o que se ouviu, com mais trabalho e fluidificação de procedimentos, todo o potencial oculto virá por certo ao de cima.

Photobucket

(Fotos © RAchele Gigli‏)

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Esta está a fazer um ano por estes dias. Vale a p...
  • O Avant Garde Project apresenta um dos maiores com...
  • Dennis González: "Ron Steeds of The Improvised Mus...
  • Já dei uma demão no quádruplo ANTHONY BRAXTON Quar...
  • Open Ears MusicAdventure Jazz & Improvised MusicA...
  • Sylvie Walder und Siegmar Fricke - Nahtod (ca131)N...
  • (Alípio C Neto - foto: Rodrigo Amado)O conceito de...
  • SQUIDCO/SQUID'S EAR NEWS
  • Piscis - Set en Vivo 14/05/2008, Estudios Garrapat...
  • Improvised Music From Japan, Vol. 6

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger