Image hosted by Photobucket.com
6.3.08
 

Photobucket

Ouvido a correr e numa única passagem, a ideia com que se fica de Babylon, disco do quinteto Harmonize Most High, é a de que estamos perante outro disco (mais um) cujo mérito principal será talvez o de engrossar o caldo do neo-psicadelismo corrente e seus derivados. Mas se o meu sangue não me engana como engana a fantasia (já cantava Amália), à segunda oportunidade, eis que a música do Harmonize Most High começa a ganhar definição, densidade e vida própria. Que coisa é esta de Harmonize Most High? É um colectivo de músicos de New Jersey e Nova Iorque, liderado pelo multi-instrumentista Daniel Carter, membro dos colectivos TEST e Other Dimensions in Music (saxofones alto e tenor, trompete e flauta), com Robert Ryan (guitarras eléctrica e acústica, cítara, saz, bouzouki, harmonium, órgão, tamboura e voz, também autor da capa e grafismo do disco), Michael Lucio Sternbach (saxofone alto, guitarra e bouzouk), Jon Francis (dulcimer, viola e banjo) e Tim Keiper (bateria percussão). E uma série de convidados especiais para abrilhantar o baile. O disco de estreia do Harmonize Most High é trabalho que se inscreve num tipo de composição e de performance que parte da improvisação próxima do free jazz e se orienta em diversas direcções, como a tradição folk americana (a onda revivalista recente induz em erro na audição superficial e apressada), a música oriental, perpassada por tonalidades psicadélicas, tudo misturado sem que se assinalem fronteiras entre os diversas linguagens musicais. Ao mesmo tempo que conjura fantasmas de um imaginário remoto, presente nos motivos e desenhos harmónicos tomados de empréstimo às ragas indianas, aplica alguns sinais vitais da contemporaneidade urbana e rural, fazendo-os caminhar juntos, lado a lado, numa mesma vibração comum. Durante uma hora e ao longo dos sete temas com títulos de ressonância bíblica (Livro da Revelação), nomeados segundo as sete montanhas da Babilónia – Acra, Goath, Gareb, Bezetha, Moriah, Ophel e Zion – os músicos apresentam um trabalho sólido e bem estruturado. Longe de procurarem legitimação em quaisquer correntes estéticas avulso, optam por sintetizar e assimilar com sucesso a mistura homogénea de elementos oriundos de diversos quadrantes musicais, que passam a integrar uma única corrente. Gravado ao vivo na Church of the Hidden Flame, em Asbury Park, New Jersey, EUA. Editado pela portuguesa Ruby Red Editora.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Com o objectivo primeiro de defesa da diversidade ...
  • Gravado em 2000 na Hothouse de Chicago, sai a 18 d...
  • WAXPOETICS # 27 - Fevereiro-Março ... Build An Ark...
  • Integrado no Festival MAERZMUSIK, que decorrerá em...
  • Othello, W. Shakespeare. Rastilho – Associação Cul...
  • Musique Machine
  • Dennis González Yells At Eelsfeaturing Rodrigo Ama...
  • Ponto alto da edição 16 do Point of Departure, é o...
  • Cornelius Cardew (1936-1981), compositor britânico...
  • Africa/Brass ao Sol

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger