Image hosted by Photobucket.com
9.3.08
 
Mestre das técnicas avançadas do clarinete baixo, o belga Jacques Foschia tem feito parte do caminho a tocar a solo, noutra parte a trocar experiências com improvisadores das Ilhas Britânicas, de que é exemplo a colaboração regular que tem vindo a manter com a London Improvisers Orchestra (The Hearing Continues, Freedom of the City 2001 & 2002; Responses, Reproduction & Reality; Freedom of the City 2005, publicados todos na britânica Emanem), enquanto organismo colectivamente considerado ou em segmentos de menor escala. Foschia, que toca todos os clarinetes, utiliza aqui os elementos baixo e alto da família – e, neste caso, evoca o trabalho do francês Denis Colin (Clarinette Basse Seul, In Situ, 1990), embora menos incisivo e idiomático que dois outros grandes clarinetistas europeus, o suíço Hans Koch e o alemão Rudi Mahall – quando não está envolvido em projectos de rádio-arte experimental, actividade a que meteu mãos para produzir peças sonoras através de receptores de ondas curtas, mantém o hábito saudável de cruzar o Canal da Mancha, já que Bruxelas e Londres ficam a um pulinho. Para este disco a solo, duplo CD editado pela Creative Sources Recordings (CS #108), Jacques Foschia optou por considerar duas partes distintas: uma primeira, gravada em estúdio em Bruxelas, em 2006, que o músico dedicou a sua mãe, entretanto falecida; e uma segunda (disco 2), que mostra outra faceta do improvisador a solo, em vigorosos solilóquios registados diante de audiências em dois momentos diferentes, um em Bruxelas e outro em Londres, em 2007. Claire Obscure (a técnica da pintura a que o título alude tem aqui inteiro cabimento) exprime a relação dialéctica que atravessa por todo o disco, os contrastes de luz, sombra e penumbra; tensão e distensão. A música dá-nos a percepção das peças físicas que compõem o clarinete baixo, aerofone da família dos clarinetes, também conhecido como clarone, a que o instrumentista aplica toda a sorte de técnicas, das mais canónicas às mais heterodoxas. Foschia transmite-nos não apenas o som do instrumento nas suas regulares e extremas possibilidades acústicas, mas também as propriedades físicas daquele corpo, peso, forma e dimensão. Através do som rugoso do clarinete baixo é-nos visualmente sugerido o percurso e o tratamento do sopro no interior do instrumento, consegue-se perceber uma determinada quantidade de ar num dado momento a vibrar, a passar pela coluna e a sair pela campânula até se distribuir e projectar insidiosamente na panorâmica. Tudo se organiza em linhas rápidas verticais cruzam planos horizontais em contraponto, sobriedade de movimentos, lentos e espaçados, montagem instantânea que adquire suplementar qualidade dramática graças a uma sábia gestão do silêncio, que sublinha e antecipa. Frases curtas, melodias breves, sons esparsos, micro ligações entre segmentos que se acoplam naturalmente, como uma rede de capilares alimentada por uma imaginação rica, capaz de engendrar soluções instantâneas muito para além do que seria óbvio. Improváveis e inesperadas cartas que, como por magia, surgem das mangas do seu fato de clarinetista. Produção de Ernesto Rodrigues. Design gráfico (excelente, como sempre) de Carlos Santos.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Improvised Music From Japan, Vol. 3
  • ERNESTO RODRIGUES'S NEW THING TENTETernesto_rodrig...
  • Rafael Toral. Space Studies, no MaerzMusik 2008, a...
  • Jonathan Van Matre
  • Diamanda Galás na capa e no interior da primaveril...
  • O recente lançamento do artista sonoro e visual Ch...
  • Ouvido a correr e numa única passagem, a ideia co...
  • Com o objectivo primeiro de defesa da diversidade ...
  • Gravado em 2000 na Hothouse de Chicago, sai a 18 d...
  • WAXPOETICS # 27 - Fevereiro-Março ... Build An Ark...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger