Image hosted by Photobucket.com
2.1.08
 

Norman Howard é um nome desconhecido para a maior parte do público, o que bem se compreende. Gravou pouco, expôs-se ainda menos, vivendo ainda, remeteu-se a uma existência discreta que já leva décadas. Contudo, Norman Howard tem o seu lugar na história. Músico de Cleveland, amigo e companheiro de Albert Ayler, fez parte do Albert Ayler Quintet, com Henry Grimes, Earle Henderson e Sunny Murray, com quem gravou Spirits (Debut, 1964), também editado sob o título de Witches & Devils (Freedom). Logo a seguir, depois de ter estagiado algum tempo na companhia dos irmãos Ayler (Albert e Donald), Norman Howard fundou o seu próprio quarteto com gente de Cleveland: Joe Phillips (saxofone alto), Walter Cliff (contrabaixo) e Corney Millsap (bateria). Em 1968, o grupo gravou duas sessões de estúdio em separado, entregues ao produtor Bernard Stollman para serem publicadas pela ESP-DISK. Tratava-se de material de estúdio, originais de Norman Howard e Joe Phillips, que, agrupados em dois conjuntos, foram tituladas, respectivamente, Burn Baby Burn e Signals. Por esta altura, a editora de Stollman atravessava um período de sérias dificuldades económicas, fase que se prolongou até 1974, ano em que fechou as portas. As bobines com as gravações do quarteto ficaram esquecidas nas prateleiras da ESP até 1989, ano em que Roy Morris, produtor independente, resolveu retomar o processo e editá-las a suas próprias expensas numa editora de cassetes que entretanto fundara, a Homeboy Music.
As cassetes esgotaram-se num ápice e foi preciso chegar a 2007, 38 anos depois da gravação, para que a ESP-DISK editasse os dois volumes num só, sob a designação única de Burn Baby Burn em formato de CD, justamente creditado a Norman Howard e Joe Phillips. Como seria de esperar, face à grande influência que Ayler teve à época, a começar pelos seus conterrâneos de Cleveland, a música é fruto da época e, como tal, situa-se no free jazz típico de meados da década. Exibe características que se podem designar por post-aylerismo, descendente que é na linha recta das estéticas de Ayler, com a diferença de que na música de Howard e Phillips os tempos são mais lentos e o poder de fogo é consideravelmente menos intenso.
Depois de 1968, Norman Howard caiu na mais absoluta obscuridade. Em 2001, o sueco Mats Gustafsson revisitou a música de Howard juntando, para o efeito, dois grupos: The Thing e School Days (Mats Gustafsson, Ken Vandermark, Jeb Bishop, Kjell Nordeson, Ingebrigt Håker Flaten e Paal Nilssen-Love). Desse encontro resultou o LP The Music of Norman Howard, editado em 2002 pela Anagram Records.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Torsten Müller (contrabaixo), Harris Eisenstadt (b...
  • David Murray, Jay Clayton, Reuben Radding, Treade...
  • A última boa notícia de 2007, que é também a prime...
  • Adeus 2007. Até 2008!Howard Skempton: Lento (1990)...
  • Tony Coe andou sempre em boa e diversificada compa...
  • Morton Subotnick - Touch Created by Morton Subotni...
  • Domingo 30 de Dezembro, 19h30Associação Bacalhoeir...
  • Steve Lacy Quintet, ao vivo no Studio 104, Radio F...
  • Já muito se disse e redisse sobre este enigma que ...
  • resonancia inductiva

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger