Image hosted by Photobucket.com
1.9.07
 

Pensava não voltar à vaca fria (ou será sagrada?), mas como nas últimas semanas tenho vindo a receber e-mails de leitores a comentar o meu comentário ao concerto do Ornete Coleman Quintet no Jazz em Agosto, e uma vez que jamais me furto à discussão de ideias, retomo o ponto. Fazendo um apanhado das intervenções que me foram chegando, sintetizaria as diversas observações numa única, assim desdobrada: alegadamente, eu não teria reparado que “Ornette Coleman é um revolucionário”; consequentemente, deveria dobrar a cerviz e, reverente, tomar por ouro fino tudo o que o homem produz; que o concerto foi, se não extraordinário, pelo menos de “alto nível”; que só me prendo com pormenores irrelevantes; que, se não gostei, “o problema é meu”, e coisas por aí, além dos imprescindíveis "mimos", que revelam tanto um "alto nível" de baboseira, como (para mim) insuspeito fanatismo e idolatria pela persona de Ornette Coleman.

Dando por reproduzida a opinião crítica que escrevi sobre o concerto, e descontando questões de nível, como passagens de nível, com e sem guarda (estas últimas são mais perigosas, mas sempre são sem guarda e nesta matéria tenho é saudades do Guarda Ricardo, do Sam), sem saber eu o que é isso de "alto nível", mesmo assim, penso que não foi um concerto de nível alto. Alto, ali, só mesmo Ornette himself (rodeado de empatas) e o nível do som, em demasia para aquela música e para este par de delicados pavilhões auditivos. O concerto teve até o seu momento sofrível, para rimar. Ou momentos, se atentarmos no contínuo da prestação de Denardo Coleman, monolítico obstáculo de “altos níveis” e “altos voos”. Quem, como Ornette Coleman, nunca fez a coisa por menos de Billy Higgins, Charles Moffett ou Ed Blackwell (suponho que estes devam ser, no critério do leitor, bateristas de “alto nível”, talvez mesmo “ao mais alto nível”), optar pelo matacão do filho para lhe bater nas peles não é seguramente uma decisão isenta de riscos de … “alto nível”.

Mas vamos à “revolução”, sem passar pela casa dos “pormenores irrelevantes", porque esses estão escritos. Diz a história e não mente que Ornette foi um revolucionário. Quando? No tempo das revoluções. Falando sério, é hoje um facto histórico que, a partir do final da década de 50, início de 60, Ornette mudou radicalmente o paradigma harmónico, melódico e rítmico do jazz. Libertou a improvisação dos acordes, como até aí vinha a fazer-se (excepções poucas, com Lennie Tristano, em finais de 40), soltou-se das formas ritmicamente fechadas do bebop, reinventou a melodia e apresentou-se com um novo fraseado, que, partindo de Charlie Parker, levava o seu legado mais além, mantendo a preferência pelos registos médio e agudo do saxofone alto, e preservando o mesmo amor pelos blues e pelo espírito do bop. Foi o tempo dos discos da Atlantic, que têm como pináculo revolucionário Free Jazz (A Collective Improvisation), obra que ainda hoje deixa meio mundo de boca aberta. O ataque colectivo à melodia em duplo quarteto, como duas ondas enormes que se entrechocam, a ausência de centralidade harmónica e melódica – entre outras, coisas até então nunca ouvidas – foram realmente conceitos e práticas revolucionários. Mas isto passou-se quando? Ah, pois, em 1961. De então para cá, Ornette teve ainda ensejo de outro momento revolucionário, nos anos 80, com o conceito de harmolodics, posto à prova com a Prime Time Band. Music is not a style. Music is ideas. In any normal style, you have to play certain notes in certain places. You play in that style only and try to make people believe that style is more important than other styles. Which removes you from the idea. With harmolodics you go directly to the idea – escreveu ele.

E pronto. Daí a pretender que tudo o que o saxofonista tenha feito, ou faça ainda hoje, como um qualquer concerto, tem que ter aposto o carimbo de “revolucionário”, tão estafado nos dias de hoje, ou trazer à baila a “revolução” por dá cá aquela palha, vou ali e já venho. Ornette não tem nada que provar nesta matéria; fez o que fez, tem o seu lugar na história da música e ninguém lhe tira mérito por achar que não é um Midas qualquer que tudo o que toca transforma em ouro. Não há vacas sagradas. Lamentavelmente, o concerto de dia 11 de Agosto, em Lisboa, não foi um momento dourado, pelas razões que alinhei e me dispenso de repescar. E a isso nem sequer obviou o facto de Ornette ter saído o ano passado com um disco excelente, Sound Grammar. Nele – vá-se lá saber como – até Denardo Coleman parece estar em "alto nível", pelo menos à altura das circunstâncias.
Agradeço os contributos e envio abraços a umas e outros.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Uma caterva de vídeos (excertos) novos e mais anti...
  • Andrew Hill (1931-2007) no Jazz on 3 desta semana....
  • Tom Cora - Gumption In Limbo
  • Rob Mazurek: Sound/Vision Abstractionist, Cultural...
  • Não é pêra doce para os mais destreinados, e o fil...
  • Desde 2005 que a Bowerbird faz estrago em Filadélf...
  • Muito para ouvir na Beware of the Blog (WFMU). Vai...
  • Morreu Richard Cooke (1957-2007), um dos autores d...
  • Nunca é demais exaltar o labour of love da nossa e...
  • Ornette Coleman no final dos fifties em sessão cal...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger