Image hosted by Photobucket.com
14.3.08
 

Photobucket

Há anos que o contrabaixo namora a electrónica. Praticantes felizes tem havido uns quantos, daqueles que têm procurado novas formas de relacionamento entre fontes e materiais sonoros, de modo a potenciar o papel do contrabaixo num contexto electroacústico mais alargado, um campo aberto à improvisação experimental e à consolidação do que de novo se tem vindo a adquirir a partir das várias componentes em que se declinam as relações entre contrabaixo, software e hardware, com resultados diferentes em razão das diversas concepções, processos e intenções de cada improvisador. Estou-me a lembrar de músicos como Mark Dresser, Barry Guy ou Lisle Ellis (excelente entrevista no número último da Cadence Magazine (Jan/Fev/Mar 2008), importante para se perceber estas relações, além do seu posicionamento nos últimos 30 anos, no Canadá natal e nas costas Oeste e Este dos EUA). Ao nível dos processos e das ligações que procura estabelecer, Lisle Ellis, por exemplo, criou um sistema inspirado no sistema nervoso do corpo humano, que procura mimetizar as passagens de sinais e impulsos químicos e eléctricos entre os neurónios. O mesmo tipo de relação que se passa entre corpo e mente despertou a curiosidade criativa de outro grande contrabaixista da actualidade. Falo do francês Bruno Chevillon, também ele interessado em investigar as relações entre o contrabaixo e os circuitos electrónicos. Assumidamente virado para os aspectos experimentais daquele cruzamento, Chevillon editou em 2007 o seu primeiro disco a solo, Hors-Champ, na editora D'Autres Cordes. A produção é de Franck Vigroux, que também colabora com os dois textos que a artista alemã Antye Greie-Fuchs (AGF) diz, de modo sussurrante, nas peças Dans Sa Tete Abaissee e Germania. Todos os 11 temas são pintados com texturas escuras e rugosas, que formam um magma sonoro complexo, matéria-prima que o contrabaixista trabalha e manipula. Entre o electro-noise e o near silence, Bruno Chevillon trabalha as suas esculturas num espectro sonoro extremamente amplo e singular, feito de matizes electrónicos e alongamentos acústicos. Nessa medida, o disco, obra de sensibilidade e inteligência, é um contributo relevante tanto para a história, como para o presente e para o futuro da música improvisada electroacústica, questiona o que já foi feito, instaura avanços estéticos e fixa um novo patamar a partir do qual outras relações e experiências acústicas se poderão entabular.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • AUM045 – ROY CAMPBELL Ensemble....Akhenaten Suit...
  • Jorge Luís Borges na FCSH da Universidade de Lisbo...
  • In Memoriam Oleksandr Nesterov Nexsound
  • A mais recente edição da netlabel con-v, EA - bal...
  • A sueca Ayler Records, editora independente, pione...
  • Depois de em anteriores aparições ter apresentado ...
  • We're touring Poland next week, and when we return...
  • Jean-Luc Guionnet, sax alto e órgão de igreja Tosh...
  • O Programa de Residências Artísticas de Nodar para...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger