Image hosted by Photobucket.com
7.1.08
 
Fascinados pela complexidade dos sons microscópicos e por tudo o que está para lá do som convencional e de não menos convencionais instrumentos musicais, Birgit Ulher (trompete), Ernesto Rodrigues (viola), com Carlos Santos no processamento electrónico em tempo real, procuram em Doppelgänger (Creative Sources Recordings) a redefinição, mais que do papel dos instrumentos, do seu próprio conceito e daquilo que se conhece como resultante possível da execução instrumental. Inomináveis possibilidades sonoras são-nos propostas para funcionar em diferentes planos e contextos, texturas granulares, atrito, afagar de superfícies planas e rugosas, distensão, focagem próxima do objecto, eco, revisão, distância e refocagem. Expressionismo abstracto, pontilhismo, nuance delicada. A par da extensão e criação de um vocabulário alargado, o uso para além dos limites conhecidos do potencial acústico de instrumentos tradicionais, cobrindo zonas escondidas, insuspeitas e improváveis, e pondo em causa o paradigma anteriormente definido. A tónica é colocada no som enquanto ruído ventilado ou raspado, quase se pode ver o ar a circular por dentro do tubo de metal, modulado pela intensidade do sopro, talhado e esculpido pelo accionar das válvulas, ou nascido do afagar, raspar e percutir das cerdas do arco nas cordas metálicas em tensão, num curioso e eficaz mimetismo de sons electrónicos, que nuns casos surgem intencionalmente, noutros são puro acaso. Este aspecto é acentuado com criativo live sampling de Carlos Santos, que consiste em escolher e captar sons acústicos gerados em cada instante e reformulá-los, aumentando as suas propriedades acústicas ou pondo em evidências determinados detalhes, reintegrando-os, desfasados no tempo, na panorâmica geral. Com maquinaria sofisticada ou sem ela, o mais importante é o factor humano, e esse sobressai através da interacção espontânea, da procura de novos códigos de comunicação, choque e aproximação de imaginários, comunhão de ideias sem cálculo nem estudo prévio, aceitando à partida correr os riscos próprios da performance sem rede, na qual ou os artistas se equilibram no fio ou se estatelam cá em baixo. Doppelgänger aí está para provar que tudo correu bem. Como na música do compositor norte-americano Morton Feldman, o silêncio é a moldura na qual os sons são dispostos, sucessivamente projectados. Num curioso paralelismo, tal como a música de Feldman se relaciona intimamente com a pintura, no sentido em que a música é um forma concreta de definição espacial através da cor e da forma na procura da tridimensionalidade, compatível com também redução ou ausência de som. Em Doppelgänger há o mesmo tipo de relação, aqui mais próxima do cinema que das artes plásticas (Doppelgänger é o termo alemão para duplo de cinema), patente não apenas nos títulos escolhidos para os seis episódios (The Idle Class; The One; Welt am Draht; The Third Man; Face/Off; e Johnny Stecchino), mas no mesmo tipo de conceitos, movimentos e de uma dualidade entre o positivo e o negativo da película que é projectada numa tela imaginária. Há um foco de luz entre músico e instrumento e a projecção no tempo e no espaço. Entre Ulher, Rodrigues e Santos há um acordo tácito em cujos termos compor em tempo real é demarcar um território sonoro, é assinalar coordenadas que no instante anterior não estavam lá, mas nascem do sensível equilíbrio entre acção e inércia; é flutuar, forma ilusória de suspensão; é movimento real e aparente, transparência, experimentação, um processo em que música e executante se fixam entre o que é determinado (aquilo que é querido e corresponde a uma vontade deliberada) e indeterminação (o caminho que os sons fazem por si próprios, autonomamente, depois de libertados no espaço). No fundo, Doppelgänger é uma tentativa bem sucedida de responder à questão, a um tempo simples e complexa, de saber onde, como e quando colocar os sons no espaço invisível à nossa frente. O que resulta num desafio para os artistas e num apelo à imaginação do ouvinte, para que também ele organize a sua própria composição enquanto ouve.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • 26 de Janeiro, 21h30 - Pequeno Auditório do Centro...
  • No 15º aniversário da Thrill Jockey, editora indep...
  • Alípio C Neto Trio e Convidados - Bacalhoeiro, Lx ...
  • The WIRE - 50 Records of The Year 2007
  • Luiz Pacheco (1925-2008). Grande figura, o escrito...
  • Gentle Fire - Group Composition IV, 1972 Gentle ...
  • Aqui podem encontrar-se as versões em mp3 (192 kbi...
  • Signal To Noise: Issue #48, Winter 2008
  • JazzWerkstatt Wien - Music from Vienna/Austria It ...
  • HENRI CHOPIN (1922-2008)UbuWeb

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger