Image hosted by Photobucket.com
14.11.07
 

Os créditos são dos mais elevados, como se sabe. A fama vem de longe, sucessivamente revista e aumentada pelo olhar que sobre ele foram deitando luminárias como Miles Davis, que mandava os pianistas dos seus primeiros grupos tocar como ele toca. A música de Miles, ela própria, deve muito às concepções de Ahmad Jamal. Se se atentar, por exemplo, na forma de tratar o espaço e o silêncio, no cromatismo e no tipo de progressão harmónica num e noutro caso, descobrem-se inúmeras afinidades entre eles. E ontem à noite (13 de Novembro), diante dos olhos e dos ouvidos do público presente no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, que enchia por completo a sala, percebeu-se porque é que Jamal tem sido motivo de inspiração para tanta gente, de há cinco décadas para cá. A verdade é que mestre Ahmad Jamal, 77 anos, tecnicista com alma, pianista de pianistas, deu um grande concerto com o seu quarteto maravilha. Assim foi, por todo um amplo conjunto de razões: tratamento do piano com extrema elegância, força percussiva e agilidade harmónica; variação dinâmica e verve lírica; mão esquerda poderosa, a gerir ritmo e harmonia, mão direita inefável e arrebatadora.
Belos arranjos orquestrais para novas e antigas composições, suas e de outros mestres, desfilaram ante um CCB rendido à beleza e à simplicidade de uma arte maior, jazz moderno de suave fragrância afro-latina. Aberto o set com Paris After Dark, seguiu-se Papillon e durante quase hora e meia assistiu-se ao desfile de temas enraizados na tradição, numa abordagem mais virada para o futuro, que para a repetição de fórmulas passadistas. E assistiu-se ao momento sublime da transfiguração de Salt Peanuts, de Dizzy GiIlespie, de Poinciana, do próprio Ahmad Jamal, e de muitas mais, executadas no inconfundível estilo policromo que é seu, que casa bem as virtudes do clássico com as do moderno e ainda se atreve a pisar o risco na exploração de novos territórios.
A resposta da secção rítmica foi sempre de nível superior, compondo um trio de piano (+1) de sentido dramático e narrativo fora do comum. James Cammack, contrabaixo, e o lendário Idris Muhammad, bateria, a que se somou a cor da percussão sensível e inteligente do porto-riquenho Manolo Badrena, ex-Weather Report e ex-Joe Zawinul Syndicate, elaboraram uma teia rítmica complexa e multidimensional, que elevou o quarteto às alturas. Uma experiência fantástica, ouvir Ahmad Jamal em quarteto e ao vivo. Justíssima, a enorme ovação final. Quem perdeu em Lisboa vá vê-lo ao Guimarães Jazz, dia 16 de Novembro. Dará o tempo (e o dinheiro) por bem empregues.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Esta semana estreia o novo podcast de Rui Neves, p...
  • Três discos mais tarde, dois em duo com o bateris...
  • Interessante, o disco deste grupo liderado pelo b...
  • Outer Ear Festival - Chicago, 4 de Nov. a 2 de Dez...
  • PEIRA is a burgeoning label of improvised music wi...
  • Christian Wolff - Lines For String Quartet / Accom...
  • 13 de Novembro, no Centro Cultural de Belém (CCB) ...
  • 29.8.61, Eric Dolphy to Mr "Geroge" Russell
  • Sábado, 10 de Novembro, às 21h00: CREATIVE FEST #...
  • Jesús Moreno, amigo e melómano inveterado de Huesc...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger