Image hosted by Photobucket.com
11.9.07
 

[brotzm.jpg]

Guts… foi o que teve Malachi Ritscher, artista plástico, literato, músico improvisador, gravador de concertos (contam-se aos milhares as sessões que deixou em arquivo, na sua actividade de documentalista da cena artística independente de Chicago), ao imolar-se pelo fogo numa sexta-feira, 6 de Novembro de 2006, em pleno centro de Chicago, como forma de protesto contra a política bélica da Administração americana para o Iraque. A actuação, a 3 de Agosto de 2005, do quarteto de Joe McPhee, Peter Brötzmann, Kent Kessler e Michael Zerang (o mesmo de Tales Out of Time, editado em 2002 pela Hatology), foi por ele gravada na sua segunda casa, The Empty Bottle, clube de Chicago. Editado este ano pela Okkadisk, o disco é a homenagem dos quatro músicos ao amigo Malachi Ritscher e às guts que ele teve que ter para cometer aquele último e terrível gesto. Guts (17’46) e Rising Spirits (41’16), as duas composições instantâneas do disco, complementam-se. Guts abre com uma breve introdução de bateria, a que se junta o groove do contrabaixo, como uma chamada para a acção que irrompe em fortissimo. Brötzmann (lado direito) e McPhee (lado esquerdo) anunciam que a coisa vai ser a doer e envolvem-se num interessante despique, um predominantemente ácido e abrasivo (Brötzmann), outro lírico e bluesy (McPhee), com trocas de posição a evocar as grandes batalhas de tenor dos velhos tempos. A fervura vai subindo e mantém-se em ebulição durante boa parte do tema, intervalada com mudanças de intensidade e descidas a zonas de maior serenidade, em toada lamentosa e emocional. Efeitos que acrescentam maior dramatismo à conversa, que entretanto volta a subir de tom até à conclusão. O segundo tema (Rising Spirits) inicia-se com longas passagens de arco de Kent Kessler. Menos intenso que o anterior, o primeiro terço sugere motivos exploratórios típicos da livre-improvisação europeia, um avolumar de tensão que abre espaço para a retoma do mesmo tipo de figurino exposto em Guts, só que agora e durante a maior parte do tempo, com Joe Mcphee em trompete e Peter Brötzmann em tarogato. A meio do tema surge um dueto de contrabaixo e bateria em groove, a preparar novas e excruciantes intervenções dos sopros, primeiro McPhee em sax tenor, depois Brötz em sax alto. Assim se aproximam da coda, que termina numa melopeia doce, a melhor forma de encerrar um concerto em que se cruzaram as mais diferentes emoções, e que deve ter sido memorável para quem a ele assistiu. Bela maneira de homenagear a dedicação do homem que o registou, Malachi Ritscher (1954-2006): As I listen I am reminded of the qualities I hear in live performances; subtlety, inteligence and generosity. Yet, for all of that it has balls, unashamed and unapologetic. For me, that is what a soundtrack for a spriritual warrior would sound like.
Guts não revela nada que ainda não se tivesse ouvido da parte destes dois grandes sopradores – aqui ritmicamente acompanhados de forma superior. No entanto, vale pela frescura e pela carga emocional que dele emana, mesmo ao cabo de mais de quatro décadas de actividade, que não pesam nas botas dos homens da frente.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Novo na Okka: Baker, Hunt, Sandstrom & Williams Ex...
  • Ornette Coleman - Of Human Feelings (Antilles, 19...
  • "Jazz is the symbol of the triumph of the human sp...
  • Paul Rutherford In Memoriam (1940-2007)
  • Retomo a graciosa e refrescante malha que é We Are...
  • Sai amanhã na Sunnyside Records. Song for Anyone. ...
  • Marc Copland (piano) e David Liebman (saxofones te...
  • Encontros de Música Exprimental - EME / 2007 De 3 ...
  • Anthony Braxton / George Lewis Duo - Elements of S...
  • Dennis, Aaron e Stefan González convidam-nos: Come...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger