Image hosted by Photobucket.com
28.8.07
 

Uma das referências que salta imediatamente à vista no trabalho de Rafael Toral é que se trata da obra de alguém que tem um programa, isto é, que pensa e organiza a sua actividade de artista sonoro segundo determinadas coordenadas de tempo e espaço previamente definidas. Para compreender este postulado bastaria estar atento ao percurso que tem vindo a realizar, que recentemente empreendeu uma nova direcção com o Space Program, a mais recente proposta do músico, pensada para uma década de trabalho sobre o som nas suas relações com o espaço multidimensional. Este no ciclo teve início com o lançamento de Space (Staubgold), disco com que se encerrou o estádio precedente, o da criação por via de uma investigação a fundo sobre as possibilidades da guitarra eléctrica e do drone electrónico. Space Solo 1 (Quecksilber), segundo capítulo do Space Program, é também o primeiro volume de uma série pensada para editar nos próximos anos, até 2012, a repartir por uma dezena de discos, numa sequência que Rafael titulou genericamente Solo Series.
Space Solo 1 dividide-se em cinco peças, gravadas em diferentes locais de Lisboa (Studio 4, Galeria ZDB e estúdio Noise Precision) entre 2005 e 2006. Os títulos adquirem a denominação do artefacto electrónico que lhes dá corpo em cada caso, aparelhos que Rafael Toral constrói ou adapta às suas ideias e necessidades, de modo a desenhar sons com um recorte personalizado e a criar uma permanente sugestão de movimento. Assim, temos Portable Amplifier, título do primeiro segmento, seguido de Echo-Feed, Bender, Electrode Oscilator, e, a fechar, Portable Amplifier 3 – denominações dos “brinquedos” – é evidente o fascínio de Toral com o bricolage instrumental – com que compõe a sua música, entidade despojada de adereços, sucinta e concentrada na exposição, personalizada no modo de se apresentar. Influências? Notam-se as de alguma da música electrónica vintage que despontou no pós-Guerra, que Toral privilegia sobre a electrónica digital (laptop), ensinamentos teórico-práticos de John Cage e de Alvin Lucier, tal como processos acústicos que evocam diferentes formulações estéticas de investigadores tão diferentes como Jack Wright, John Butcher ou Sei Miguel (que participa em Space), a que não faltam sons que lembram jogos electrónicos japoneses (space invaders) ou o canto de aves robotizadas.
Neste sentido, Space Solo 1, que retoma alguns dos aspectos enunciados em Space, enquanto quadro de referência, ponto de partida e de chegada, apresenta-se simultaneamente como desenvolvimento e condensação do trabalho anterior, no modo como exprime uma relação íntima e intrínseca com a acção corporal. Assistir a uma actuação ao vivo de Rafael Toral é, por isso, uma experiência sensorial alargada, graças à utilização de efeitos visuais, como por exemplo, luvas especialmente concebidas para pôr em movimento sons e efeitos luminosos em sincronia. A música de Space Solo 1 é toda criada em tempo real, num único instrumento por peça de composição instantânea, segundo processos idênticos aos que por vezes ocorrem na improvisação ligada ao jazz, aquela que procura abrir caminho e que não se limita a repetir fórmulas do passado. O objectivo é comum a ambas as formas de criação: buscar modos únicos e alternativos de expressão artística através do som.

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Prossegue a publicação em fascículos coleccionávei...
  • Muddy Waters - Country Blues
  • Dennis González Electric Yells At Eels‎
  • Miguel Prado, membro do colectivo de improvisação ...
  • Taj Mahal Travellers - August 1974 Improvised Mu...
  • Saiu o novo disco de Michael Zerang na editora lib...
  • FESTIVAL DES MUSIQUES INSOLENTES OCTOBRE 2007 / Pu...
  • Constructing Collective Autobiography The AACM and...
  • É aqui o Sítio do Jazz, tropical e à beira-mar pla...
  • Quarteto de Chris Potter no Pizza Express Jazz Clu...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger