Image hosted by Photobucket.com
19.6.07
 

... Entretanto, o disco de David Torn é mesmo um tornado... (adoro fazer trocadilhos fáceis). Ainda há dias aqui comentei sobre Prezens (ECM), quando só tinha um dia de rodagem. Agora que papei o disco todo e já lhe conheço as manhas e os interstícios – mesmo que cada vez que o ouça descubra coisas que ainda não tinha ouvido, tal é sensação de permanente descoberta – posso afirmar que Mr. Torn meteu a mão na massa, radicalizou o discurso como lhe competia, elevando-o a um ponto de refinamento extremo, ao nível da colagem sonora e da improvisação por sobre e entre placas. Mestre Tim Berne dá uma ajuda preciosa, tal como Tom Rainey e em especial Craig Taborn, que aqui veste a farpela de mago da electrónica, excelente duplo do próprio David Torn, à frente a abrir caminho por entre o nevoeiro. Mesmo sendo expectável (e esperado) que Torn sacasse um disco destes mais cedo ou mais tarde, vinte anos depois de Cloud About Mercury, a surpresa é enorme. É que Prezens enche realmente um homem de emoção e contentamento. Disco do ano, já(zz)! Ai e tal, não tem swing e o Duke Ellington e o Irving Mills disseram que sem swing não se faziam omeletas... Pois, pois, é melhor não ouvir... Inclassificável e muito bom.

Futurismo Retro

"David Torn, guitar hero, produtor de dezenas de discos de referência (Ryuichi Sakamoto, David Sylvian, Drew Gress, David Bowie, entre muitos outros), e um dos mais requisitados compositores de música para cinema (“Traffic”, “The Departed”), regressa à casa de Manfred Eicher com um novo disco que não deixa ninguém indiferente. Em “Prezens, Torn reúne três dos maiores improvisadores nova-iorquinos, o saxofonista Tim Berne, o teclista Craig Taborn e o baterista Tom Rainey, e realiza uma obra maior que destila de forma única o orgânico e o sintético. Na primavera de 2005 os quatro músicos juntaram-se num estúdio no vale do rio Hudson e gravaram cerca de doze horas de improvisação colectiva. Dessas fitas nasceu “Prezens”, um dos mais fascinantes objectos audio a marcar o ano de 2007. E um dos seus maiores fascínios deve-se à característica, bem própria dos métodos de produção de Torn, da ambiguidade; Quem toca o quê? De onde vêm aqueles sons? O que se ouve é o saxofone processado de Berne ou a guitarra distorcida de Torn? O que foi realmente tocado “live” e o que foi posteriormente editado em estúdio?
Todas estas questões, que ganharam particular relevo na recente reavaliação da obra de Miles Davis e do trabalho para si realizado pelo mago de estúdio Teo Macero, perdem a sua importância ao sermos envolvidos pelos sons de “Prezens”. Rasgos metálicos, negros, atravessam uma música atmosférica, espacial, desconstruida, que pega em direcções do melhor progressivo do séc XX, e as projecta directamente no futuro daquilo que imaginamos possa ser o jazz criativo do séc XXI. Algo que poderia resultar das personalidades musicais conjuntas de King Krimson, Laurie Anderson e Radiohead, todos eles sob o espírito libertário de Sun Ra.
O início do disco, “AK”, surpreende de imediato quando, após uma introdução estratosférica de Torn, surge o órgão Hammond deliberadamente hesitante de Taborn. Ecos longínquos do blues de Lightnin’ Hopkins, Booker-T ou John Patton, resgatados para um futuro cibernético. O “grito” do saxofone alto de Berne manipulado e convertido em pura distorção digital. Os blues irão um dia soar assim. No segundo tema, “Rest & Unrest”, dá-se uma mudança súbita de registo e surge uma voz que recorda por momentos a poética futurista de Laurie Anderson, envolvida na electrónica digital narcótica de Torn e Taborn. A colisão de sons continua, por vezes próximo do puro “noise” (como em “Sink”), com Torn a exibir o seu característico virtuosismo, contido, altamente sofisticado, bem longe da pirotecnia que afecta muito do jazz dito progressivo que se faz actualmente. Em “Prezens”, cada tema funciona como um organismo vivo, em constante mutação, sendo frequente os temas terminarem de forma totalmente diferente da que começaram. “Neck deep in the harrow...” arranca com um groove que poderia ter sido gravado nas sessões de “Agartha” de Miles Davis, para depois derivar, de forma progressivamente intensa, para uma malha totalmente abstracta de som. Em “Prezens”, David Torn alcança um equilibrio notável entre composição e improviso, uma dialética que é, cada vez mais, o santo graal do jazz contemporâneo. Concentração total e abandono espiritual" - Rodrigo Amado, in Público (Y, 15/06).

 


<< Home
jazz, música improvisada, electrónica, new music e tudo à volta

e-mail

eduardovchagas@hotmail.com

arquivo

Setembro 2004
Outubro 2004
Novembro 2004
Dezembro 2004
Janeiro 2005
Fevereiro 2005
Março 2005
Abril 2005
Maio 2005
Junho 2005
Julho 2005
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007
Janeiro 2008
Fevereiro 2008
Março 2008
Abril 2008
Maio 2008
Junho 2008
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Junho 2011
Maio 2012
Setembro 2012

previous posts

  • Lezrod - Genki Vol. I (zym014)
  • Ornette Coleman sofreu um colapso cardíaco durante...
  • marcello maggi_trompetepedro roxo_contrabaixobechi...
  • Chris McGregor's Brotherhood of Breath Travelling...
  • VARIABLE GEOMETRY ORCHESTRAOutFest/2007. Barreiro,...
  • QPSM Unit - The Seriousness Of The Matter (Quadrap...
  • Karlheinz Stockhausen - Elektronische Musik 1952-1...
  • Entrevista/ensaio de 2001, com William Parker, pub...
  • Don Cherry - Organic Music Society(Caprice, 1972)D...
  • O assunto é podcast? Então vamos lá visitar a Rare...

  • links

  • Improvisos ao Sul
  • Galeria Zé dos Bois
  • Crí­tica de Música
  • Tomajazz
  • PuroJazz
  • Oro Molido
  • Juan Beat
  • Almocreve das Petas
  • Intervenções Sonoras
  • Da Literatura
  • Hit da Breakz
  • Agenda Electrónica
  • Destination: Out
  • Taran's Free Jazz Hour
  • François Carrier, liens
  • Free Jazz Org
  • La Montaña Rusa
  • Descrita
  • Just Outside
  • BendingCorners
  • metropolis
  • Blentwell
  • artesonoro.org
  • Rui Eduardo Paes
  • Clube Mercado
  • Ayler Records
  • o zurret d'artal
  • Creative Sources Recordings
  • ((flur))
  • Esquilo
  • Insubordinations
  • Sonoridades
  • Test Tube
  • audEo info
  • Sobre Sites / Jazz
  • Blogo no Sapo/Artes & Letras
  • Abrupto
  • Blog do Lenhador
  • JazzLogical
  • O Sítio do Jazz
  • Indústrias Culturais
  • Ricardo.pt
  • Crónicas da Terra
  • Improv Podcasts
  • Creative Commons License
    Powered by Blogger